Portugal jurou confessar e defender eternamente a doutrina da Imaculada Conceição, dois séculos antes da sua definição dogmática.

“E da mesma maneira prometemos e juramos […] confessar e defender sempre (até dar a vida sendo necessário) que a Virgem Maria Mãe de Deus foi concebida sem pecado original, esperando com grande confiança que por meio desta Senhora (Deus) nos ampare e defenda de nossos inimigos para glória de Cristo nosso Deus, exaltação da nossa Santa Fé Católica Romana, conversão das gentes e redução dos hereges.”

El-Rei Dom João IV, Lisboa, 25 de março de 1646; in Veritatis, 08/12/2020.

Os painéis acima, que pertencem à fachada exterior da Igreja de Nossa Senhora do Amparo, em Válega, Ovar, invocam a definição dogmática Papa Pio IX na sua bula Ineffabilis Deus, em 8 de dezembro de 1854.

Basto 12/2020

Extremistas ecuménicos profanam Basílica da Imaculada Conceição, no Rio de Janeiro

Basílica da Imaculada Conceição, Rio de Janeiro, Brasil, no dia 30 de outubro de 2020.

Profanação realizada no âmbito do evento inter-religioso Expo Religião.

Basto 12/2020

Homem invade missa dominical, no Entroncamento, com discurso de ódio racial e religioso

Aconteceu ontem, dia 15 de novembro, na Igreja da Sagrada Família, no Entroncamento, durante a celebração da missa dominical, com transmissão online e radiofónica. O indivíduo invadiu a igreja, subiu ao ambão, expulsou o salmista, mandou calar o sacerdote celebrante e insultou os fiéis durante cerca de 10 minutos.

Basto 11/2020

Duas doutrinas: uma é verdadeira, a outra obviamente é falsa!

Benedict XVI: Superhero, Villain or Victim? | AKA Catholic

Atitudes perante o problema das uniões homossexuais

[…]

Em presença do reconhecimento legal das uniões homossexuais ou da equiparação legal das mesmas ao matrimónio, com acesso aos direitos próprios deste último, é um dever opor-se-lhe de modo claro e incisivo. Há que abster-se de qualquer forma de cooperação formal na promulgação ou aplicação de leis tão gravemente injustas e, na medida do possível, abster-se também da cooperação material no plano da aplicação. Nesta matéria, cada qual pode reivindicar o direito à objeção de consciência.

[…]

A Igreja ensina que o respeito para com as pessoas homossexuais não pode levar, de modo nenhum, à aprovação do comportamento homossexual ou ao reconhecimento legal das uniões homossexuais. O bem comum exige que as leis reconheçam, favoreçam e protejam a união matrimonial como base da família, célula primária da sociedade. Reconhecer legalmente as uniões homossexuais ou equipará-las ao matrimónio, significaria, não só aprovar um comportamento errado, com a consequência de convertê-lo num modelo para a sociedade atual, mas também ofuscar valores fundamentais que fazem parte do património comum da humanidade. A Igreja não pode abdicar de defender tais valores, para o bem dos homens e de toda a sociedade.

Joseph Card. Ratzinger
Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé
(In www.vatican.va)

Considerações aprovadas, em 2003, por sua Santidade o Papa João Paulo II e publicadas no mesmo ano pela Congregação para a Doutrina da Fé.

Basto 10/2020

Maçonaria espanhola saúda nova encíclica de Francisco

El Oriente – Gran Logia de España saúda o Santo Padre por abraçar o princípio da Fraternidade Universal em alternativa à conversão cristã, na nova carta encíclica Fratelli Tutti.

In El Oriente, Gran Logia de España, outubro de 2020.

A loja maçónica espanhola destaca a distância que separa “a atual Igreja Católica das suas antigas posições”.

Basto 10/2020