O Anticristo de Signorelli

deeds

Este fascinante fresco foi pintado pelo artista renascentista Luca Signorelli, entre 1499 e 1502, na capela da Madona de San Brizio, Catedral italiana de Orvieto. O nome pelo qual esta obra é internacionalmente conhecida pode traduzir-se para qualquer coisa como: “sermão e façanhas do anticristo”. Muitos críticos de arte consideram que esta deve ter sido, na perspetiva do autor, a obra mais importante da sua carreira, pelo facto se ter incluído  também a ele próprio nesta pintura mural, retratando-se como observador.

No interior da capela de San Brizio, Luca Signorelli interpreta várias cenas interessantes do Apocalipse de São João, seguindo uma hermenêutica mais ou menos tradicional na tradição cristã. A riqueza artística desta obra é tal que precisaríamos de várias horas de observação, de cima de uma escada móvel, para tentarmos descodificar todos os seus pormenores aí representados. Por agora, centremo-nos apenas nas cenas principais.

 

deeds.2
Mapa das principais cenas representadas.

 

1. O Anticristo

É um falso Cristo que, de cima de um pedestal, pregas as palavras ditadas pelo demónio. A sua falsa doutrina atraiu a maior parte da humanidade, homens e mulheres de várias raças, idades e classes sociais. No grande grupo de seguidores do anticristo, está também incluída a Igreja institucional, representada pela mulher (6) e pelo frade que se encontra junto dela, indiferentes aos cristãos que estão a ser martirizados mesmo junto de si (5B).

O Anticristo tem todo o ouro a seus pés, ele é dono das riquezas mundanas, o centro gravitação dos fluxos do tesouro.

A sua falsa doutrina disseminou-se por todo o lado, as pessoas da multidão que se encontram debaixo da sua influência não estão todas a olhar para o mesmo ponto, eles interagem virados em várias direções mas, ao mesmo tempo, mantêm-se ligados a uma matriz comum cujo núcleo é o Anticristo. Por outro lado, a presença física do Anticristo não se cinge apenas a um único lugar ou a instituição. Num primeiro plano do quadro, ele apresenta-se como o homem bondoso, aprazível, sedutor, a quem as pessoas seguem de livre vontade (1), mas depois aparece noutro plano, à frente do Templo para ser adorado, decretando a morte daqueles que recusaram segui-lo (5A).

 

2. O Falso Profeta

O Falso Profeta cai do alto sobre aqueles que o esperavam. Luca Signorelli representou-o como sendo o grande castigo lançado pela espada do Anjo de Deus sobre a humanidade, trazendo a desgraça e a morte consigo. Quando a humanidade, insatisfeita com a Verdade revelada, impenitente e orgulhosa, ousa pedir a Deus uma nova doutrina que vá ao encontro dos seus desejos e prazeres mundanos, que pior castigo poderia cair sobre eles senão pastores que predicam o que essas pessoas querem ouvir? É um castigo espiritual, acompanhado de violento sofrimento físico, visível nas expressões dos atormentados.

 

3. O Templo sitiado

O Templo foi invadido e tomado por homens aramados, num contexto de tumultos e violência, próprios de uma invasão ou revolução de larga escala com mais soldados a caminho.

É difícil impedir que esta imagem nos traga à memória a fachada principal e a balaustrada da Basílica de São Pedro, apesar de a sua construção ter sido concluída apenas em 1626, mais de um século depois da obra de Signorelli.

SPB
Basílica de São Pedro, vista de Santo Ângelo

 

4. A Igreja verdadeira

O que resta da verdadeira Igreja de Cristo é um pequeno grupo coeso, que se mantém agarrado aos livros, às escrituras, à tradição. Rejeitaram os ensinamentos do Anticristo para se posicionarem junto de um pastor que predica a Verdade de sempre.

 

5. Martírio

Muitos cristãos verdadeiros, por não aderirem à falsa doutrina (5B) nem prestarem culto à besta (5A), são martirizados.

 

6. A mulher adultera

A Igreja institucional, representada pela mulher, que deveria ser a esposa fiel de Cristo, atraiçoa-O. O artista representou-a como alguém que se vende, que se prostitui, aceitando moedas de um mercador. Ela também aderiu ao sermão do Anticristo, encontrado-se debaixo do seu domínio.

 

7. Falsos milagres

As pessoas ficam maravilhadas com o milagre aparentemente realizado.

 

8. Luca Signorelli e Fra Angelico

Crê-se que estas duas figuras sejam Luca Signorelli e o monge dominicano Fra Angelico. O primeiro é o autor da obra, e o segundo é um dos artistas que o precederam nas pinturas murais da Capela da Madona de San Brizio. Fra Angelico, também conhecido por Beato Angelico, é considerado padroeiro dos artistas, tendo sido beatificado, em 1982, durante o pontificado de João Paulo II.

Esta obra de Signorelli insere-se num conjunto de vários frescos da capela da Madona de San Brizio que interpretam cenas do Apocalipse e do Juízo Final.

 

 

Basto 3/2016

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s