Um papa, dois papas, três…

dois papas

 

De cada vez que o Papa Francisco entra num avião para regressar a Roma parece que a Terra treme, é como se as forças celestes que regem o universo fossem momentaneamente abaladas a partir do interior de um avião da Alitalia. As suas excêntricas entrevistas aeronáuticas fazem abanar a “nave petrina” que, depois, lá acaba sempre por aterrar em segurança, com maior ou menor dificuldade. Um vez no chão, o staff é logo chamado a entrar para limpar alguma eventual sujidade e reparar possíveis danos na engrenagem do aparelho como, de resto, acontece com todos os aviões, em qualquer aeroporto.

Logo de seguida, retoma-se a festa na cidade eterna!

É difícil ter uma noção do real impacto deste tráfego aéreo em todo o universo católico, nomeadamente, nas paróquias, conventos, universidades, casas episcopais, nas famílias, nas almas… Já não é de todo absurdo imaginar piedosos anciãos, nas aldeias mais remotas do Portugal profundo, queimarem um pequeno ramo de oliveira benzida, do Domingo de Ramos, antes do Santo Padre passar pelo Check-in do aeroporto e dizerem: “Que Deus o acompanhe!”.

Os dias, os meses e os anos que se seguem às aterragens papais são – e desta vez não será exceção – marcados pela impressão de milhares de páginas de jornais, cartazes, guarda-chuvas ou camisolas, tanto no mundo católico como no profano, citando as “piedosas” respostas e afirmações improvisadas a bordo. Quase toda a gente gosta! A principal característica do atual discurso papal é a de servir a quase todos os gostos.

Nos meandros doutrinários mais profundos, teólogos e filósofos, com a ajuda dos filólogos, têm com que se entreter durante muito tempo, refletindo sobre o que se disse, o que não se disse e o que se queria dizer, para depois se analisar se tais conclusões pertencem, ou não, ao magistério eclesial. No final, os resultados nunca são conclusivos mas, pelo menos, ajudam-nos a estudar e a meditar sobre a verdadeira doutrina de Cristo, o que já não é mau de todo.

Há outros aspetos merecedores de atenção na última entrevista papal, porém, por agora, centremo-nos apenas num deles.

 

Um tigre, dois tigres, três tigres

Se é difícil de dizer em relação aos felinos, mais difícil se torna com os Papas…

Quantos são afinal, hoje, os Papas da Igreja Católica?

Há quem diga dois, há quem diga um e ainda há aqueles que dizem nenhum.

Bento XVI resignou no dia 11 de fevereiro de 2013. Nesse mesmo dia, caiu um poderoso raio sobre a cúpula da Basílica de São Pedro, um sinal no céu. Para uns, a alegria de Deus pelo gesto humilde do 265º Vigário de Cristo na Terra, para outros, o sinal da Ira Divina pela situação que a humanidade acabara de provocar e, ainda para outros, pura meteorologia.

No dia 13 de março de 2013, é eleito o atual pontífice romano, Francisco I, que, desde cedo, se viria a revelar, para a maior parte da humanidade (e não apenas os católicos), como o “Santo Padre” esperado e ansiado durante tanto tempo. Não obstante, eleito o novo Bispo de Roma, o anterior continua vivo, não abandonou a Santa Sé, não abdicou do título petrino e não guardou a indumentária papal. Bento XVI continua à frente da Igreja, orando e sofrendo, ainda que, por vezes, o barulho do circo nos faça esquecer a realidade. Esta situação criou um paradoxo histórico, e também canónico, inédito em dois milénios de cristianismo, que consiste na coexistência de dois Papas em simultâneo. O paradoxo é tanto maior quanto verificamos que os seus perfis, práticas e ensinamentos são radicalmente diferentes.

O Arcebispo Dom Georg Ganswein, Prefeito da Casa Pontifícia, é quem melhor entende como funciona este novo figurino do Papado Romano, uma vez que trabalha simultaneamente com os dois Papas e, como tal, deve entender, melhor do que ninguém, como é que tudo isto funciona. Há poucos dias, saiu-se com estas polémicas afirmações durante um discurso proferido na Pontifícia Universidade Gregoriana:

“Desde a eleição de seu sucessor, Papa Francisco – no dia 13 de março de 2013 -, não há, portanto, dois Papas, mas na verdade um ministério expandido com um membro ativo e um outro contemplativo. Por este motivo, Bento não renunciou nem ao seu nome e nem à sua batina branca. Por isso, o título próprio pelo qual devemos nos dirigir a ele ainda é “santidade”. Além disso, ele não se retirou para um mosteiro isolado, mas continua dentro do Vaticano, como se tivesse apenas se afastado de lado para dar espaço para seu sucessor e para uma nova etapa na história do Papado que ele, com esse passo, enriqueceu com a centralidade da oração e da compaixão feitas nos jardins do Vaticano.”

(Cardeal Georg Ganswein, 20/05/2016)

Perante uma tentativa do arcebispo de explicar um incoerente conceito de bicefalia papal, Francisco contesta categoricamente essa ideia descabida, durante a sua última entrevista aeronáutica, referindo-se a si próprio, deste modo:

“Existe apenas um Papa!”

(Papa Francisco, 26/06/2016)

O Papa Francisco explicou que Bento XVI não passa de um simples “Papa Emérito” que, no seu entendimento, quer dizer apenas “um avô sábio”, mas não “Papa”. Lembrou ainda que Bento XVI lhe prometeu “obediência e cumpriu”.

“Então ouvi, mas não sei se é verdade – insisto, talvez sejam boatos, mas combinam com o seu carácter – que alguns foram vê-lo e lamentar-se deste novo Papa. E ele despachou-os, com o melhor estilo bávaro, educado, mas despachou-os”.

(Papa Francisco, 26/06/2016)

Esta questão está ainda longe de ser definitivamente esclarecia e talvez só venha a resolver-se completamente após um sinal claro da Divina Providência.

Em relação a nós, os últimos elos desta hierarquia que começa lá em cima, no Céu, temos apenas de seguir humildemente a nossa viagem, mantendo-nos na faixa de rodagem mais segura, a da doutrina de sempre, e avançando com prudência porque os sinais indicam perigo na viagem que temos pela frente. Com um ou com dois Papas ao volante, o mesmo Jesus Cristo de ontem, de hoje e de sempre, continuará a ser o nosso único destino.

 

Basto 6/2016

Guardar

Guardar

Guardar

4 thoughts on “Um papa, dois papas, três…

  1. Boas tardes. Disculpa: procurei o nome de quem escreve no blog mas nao o trovei.
    Vc escreve com muito humor mas ao mesmo tempo com ironia sobre algo muito sagrado e muito caro para OS católicos: a presencia do doce Cristo na terra, ao dizer de sta Catarina, o Papa.
    Nao pretendo sensurar mas só, con a sus licencia, aconcelhar vc de ter cuidado com esses assuntos pq eles sao parte do deposito da fe, e a fe é un dom de Deus que podemos perder pela nossa culpa.
    Se cuide

    • Olá Verónica, você tem alguma razão, obrigado pelo reparo. Por concordar, em parte, consigo fiz duas alterações neste artigo. Eu escrevo como falo e como vivo. Por vezes, a melhor maneira de se lidar com uma tragédia é através da ironia. A tragédia e a comédia são muito próximas. Este blogue pode parecer um coisa criada para me divertir mas, para falar a verdade, várias das notícias aqui apresentadas (sempre com as ligações à suas fontes originais) fizeram-me chorar. Quando estamos perturbados, nem sempre agimos da maneira mais correta.

      O circo que está a acontecer na nossa Igreja é grave de mais para ficar calado. Admito que me deixa profundamente perturbado – graças a Deus que ainda consigo ficar perturbado! Mas mais perturbante ainda é ver quase toda a gente indiferente ou, pior, rejubilante com toda esta palhaçada. Espero que você não se encontre dentro desse grupo, caso contrário, acredite que tem um problema bem mais grave do que o meu.

      De futuro, tentarei ter mais cuidado com certas ironias, mas não espere que faça de conta que não vejo o que está a acontecer na minha Igreja.

      Mas desde quando é que o “doce Cristo na Terra” se gaba de transportar “a história do fracasso de Deus” (a sua designação para a Via Sacra) no bolso e os cristãos riem-se? Desde quando o “doce Cristo na Terra” aponta para “condenação” e “sepultamento de jesus” e diz que “com estas duas coisas faço o que posso” e “graças a estas duas coisas não perco a esperança” e os cristãos aplaudem? Meu Deus, mas aonde é que já chegámos?

      https://odogmadafe.wordpress.com/category/o-fracasso-de-deus/

      A Verónica consegue dormir bem depois de ver e ouvir este vídeo e outros semelhantes? Tenha cuidado irmã. Obrigado e fique bem, apareça mais vezes. Pode escrever em espanhol que a gente entende!

      Dominus vobiscum!

      • Bom… Primeiramente Obrigada por responder. Vou escrever em espanhol… Eu que achava que o meu portugués nao era tao ruim assim 🙂
        No necesito ver un vídeo para dormir bien, reir o llorar de rabia porque la cosa esta en el hecho concreto de que la institución del Papado fue hecha directamente por la persona de N S Jesucristo y las puertas del infierno no prevalecerán contra su Iglesia. Eso me basta.
        Cuando fue elegido Papa el Card. Bergoglio, me pregtaron qué senti, siendo compatriota mio. Yo cuidé de no caer mal con mi respuesta pero respondí mas o menos con estas palabras: me alegré, pero igualmente me habría alegrado con cualquier otro porque mi alegría se basa en la promesa de Cristo, que no defrauda.

        Cuando sta Catalina se refería al Papa como Dulce Cristo en la tierra, si revisas la historia verás que se refería a un Papa cobarde y con otros apelativos más. Pero Cristo no defraudó a su Iglesia.

        Cuando Napoleón tuvo prisionero al Papa en Francia, le dijo que él destruiría la Iglesia, a lo que el Papa respondió que si nosotros,desde dentro, no lo hemos logrado, no lo haría él desde fuera.
        Sí, somos inútiles siervos, pero Cristo es Dios

        Finalmente permiteme traerte a la memoria la historia de David y Saul. El segundo era rey y ardía de envidia hacia David, que se había ganado la simpatía del pueblo y contaba con la promesa de Dios de que seria rey, así es que lo buscaba para matarlo. Durante mucho tiempo huyo David de él y varias veces tuvo la posibilidad de matarlo, era su enemigo, sin embargo no osó nunca levantar la voz o la mano contra Saul, pues era el Ungido de Yahveh.

        Entiendo muy bien a lo que te refieres, no soy ciega, pero no es un detalle que se le “escapó” al Señor.
        Sí, duermo tranquila. Mi serenidad está en el Sagrario.
        No tomes mis palabras como una crítica. Es de hermanos ayudarse.

        Que estés bien

  2. Obrigado Verónica, eu não critiquei o seu português, é bem melhor do que o meu espanhol, só queria facilitar-lhe a vida…

    Eu concordo com a Verónica. Nós recebemos a promessa de Jesus Cristo de que as forças do Inferno jamais conseguirão destruir a Igreja. Mas isso não significa que devemos esperar sentados que Ele venha cá fazer alguma coisa. Cristo está vivo em nós e é através de nós que a sua Igreja jamais perecerá. A Verdade de Cristo não muda ao sabor da vontade deste ou daquele Papa, acredite nisso. O Papa é a pessoa mais importante do mundo, mas acima dele está o próprio Cristo. O Papa deve ser o primeiro a defender a Lei de Deus e tem de a cumprir como todos os outros.

    O Papado de Francisco é um pesadelo, com escândalo atrás de escândalo mas esse não é o maior problema da humanidade. O maior problema é que as pessoas gostam desses escândalos, espero que não seja o seu caso.

    Deus é justo, cada geração tem o Papa que merece e, aqui entre nós, esta geração não merece melhor. Que Deus o guie pelo o único e estreito caminho da Verdade porque ele ainda está a tempo de evitar o precipício, mas será que as pessoas querem mesmo isso?

    Até breve Verónica, unidos nos corações de Jesus e Maria.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s