Fecha-se a porta

ישו מנצרת מלך היהודים

Iesus Nazarenus Rex Iudaeorum

Ο Ιησούς από τη Ναζαρέτ Ο βασιλιάς των Εβραίων

bramantino-1515
Bramantino, cerca de 1515

Hoje, dia de Cristo Rei, chegou ao fim o Jubileu Extraordinário da Misericórdia. Fechou-se a porta que tinha sido aberta a 8 de dezembro de 2015, na solenidade da Imaculada Conceição de Maria.

Durante este tempo, absolutamente extraordinário, ouviu-se falar muito da misericórdia de Deus, da sua infinita disponibilidade para perdoar, mas não se ouviu falar tanto da necessidade de arrependimento e de conversão dos pecadores, antes pelo contrário.

O sacramento da reconciliação pressupõe que o pecador se arrependa dos seus pecados e se proponha a viver segundo a lei de Deus. Se o pecador não se arrepende, nem deseja corrigir-se, então não recebe o perdão de Deus. Não porque Deus não seja misericordioso, mas antes porque o pecador não procurou verdadeiramente receber essa misericórdia. Mas pior do que não se reconciliar com Deus, o pecador arrisca-se a perpetuar o seu afastamento em relação a Ele. Ou seja, se o pecador perder a consciência do bem e do mal, convencendo-se de que Deus aceita o seu pecado, porque já não é pecado, ou até o considera uma virtude, ele pode entrar num ciclo vicioso de pecado do qual dificilmente sairá. Nesse caso, o pecador cai numa situação muito mais grave do que aquela em que se encontrava quando ainda tinha consciência de que pecava…

Durante este ano jubilar que hoje se encerra, a misericórdia foi pregada ou oferecida por muitos maus pastores católicos a um preço demasiado barato, portanto não poderia ser verdadeira. A verdadeira misericórdia obriga a aceitar o peso da cruz nos nossos ombros, que não é fácil de carregar mas é gratificante.

A misericórdia de Deus é muito antiga, ela sempre acompanhou a Igreja de Cristo. Não foi inventada agora, ao contrário da “misericordina”, ou da “misericordina plus” e outras coisas modernas…

A verdadeira contrição é a condição necessária para se receber a misericórdia de Deus. Deus é infinitamente misericordioso mas é também infinitamente justo. Por outro lado, é extremamente bondoso, recetivo às orações e aos sacrifícios daqueles que quiserem oferecer-se pela conversão desses mesmos pecadores.

 

Basto 11/2016

6 thoughts on “Fecha-se a porta

  1. Muito interessantes essas considerações sobre a relação entre arrependimento e perdão dos pecados. E muito oportunas também.

    Por falar no fechamento da Porta da Misericórdia, eu tinha ouvido algumas pregações de um padre mexicano sobre a simbologia do abrir e do fechar a Porta da Misericórdia com um tempo de misericórdia e um tempo de castigo. Achei muito lógica a exposição do referido padre e agora fico me perguntando: quando virá o tempo do castigo? Virá em breve ou a Misericórdia de Deus dará mais tempo aos pecadores para se converter?

  2. “Mas pior do que não se reconciliar com Deus, o pecador arrisca-se a perpetuar o seu afastamento em relação a Ele. Ou seja, se o pecador perder a consciência do bem e do mal, convencendo-se de que Deus aceita o seu pecado, porque já não é pecado, ou até o considera uma virtude, ele pode entrar num ciclo vicioso de pecado do qual dificilmente sairá. Nesse caso, o pecador cai numa situação muito mais grave do que aquela em que se encontrava quando ainda tinha consciência de que pecava…”

    Estas suas palavras me chamaram a atenção e me fizeram pensar nos seminaristas e sacerdotes que não vivem em castidade.

    Outro dia comentei com você sobre o escândalo que foi para mim a revelação que um famoso padre brasileiro fez que não vivia a castidade no tempo em que era seminarista.

    http://istoe.com.br/padre-fabio-de-melo-revela-que-pulava-muro-do-seminario-para-namorar-muito/

    Depois dessa revelação veio outra revelação bombástica desse mesmo padre. Veja!

    https://br.vida-estilo.yahoo.com/biografia-de-padre-fabio-de-melo-revela-que-ele-quase-desistiu-dos-votos-de-castidade-por-conta-de-uma-paixao-173853898.html

    O pior é que esse padre é considerado como modelo de sacerdote por uma legião de fãs fanáticas.

    Infelizmente não é novidade que muitos seminaristas e muitos padres não vivem a castidade, mas nem por isso deixo de me escandalizar ao tomar conhecimento de casos como esse.

    O pior é saber que estamos nós os fiéis nas mãos de sacerdotes tão pouco zelosos. Como o salmista, ouso dizer: até quando, Senhor? Deus tenha misericórdia de nós!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s