Fantasia alusiva a Nossa Senhora e a Cristo Crucificado vence concurso de travestis no Carnaval das Canárias

O vencedor da 20ª Gala Drag Queen do Carnaval de Las Palmas, na noite de ontem, nas Canárias (Espanha), foi Borja Casillas, também conhecido como Drag Sethlas. Este travesti apresentou-se vestido com uma fantasia intitulada “¡Mi cielo! Yo no hago milagros, que sea lo que Dios quiera“, a qual fazia referências diretas a Nossa Senhora e a Cristo Crucificado, ao som da polémica canção Like a prayer da cantora americana Madona.

carnaval-las-palmas
La Vanguardia, 28/02/2017

O jornal La Vanguardia explica que a reação das 6000 pessoas presentes no momento em que desfilou o travesti Drag Sethlas fazia antever uma provável vitória.

Creio que o meu espetáculo não foi nada ofensivo!

(Travesti Borja Casillas à Rádio Onda Cero, 28/02/2017)

Que horror!

Basto 2/2017

Nova pastoral do concubinato…

No passado sábado, dia 25 de fevereiro, o Santo Padre discursou para os sacerdotes paroquianos que frequentaram o curso sobre o “novo processo matrimonial” promovido pelo Tribunal da Rota Romana.

discurso-aos-parocos
Radio Vaticano, 25/02/2017

Alguns aspetos do discurso:

Queridos irmãos,

[…]

Enquanto oferecem este testemunho, seja vosso cuidado também sustentar aqueles que se deram conta do facto de que a sua união não é um verdadeiro matrimónio sacramental e querem sair desta situação. Nesta delicada e necessária obra, façam de modo que os vossos fiéis, vos reconheçam não tanto como especialistas de atos burocráticos ou de normas jurídicas, mas como irmãos que se colocam em atitude de escuta e de compreensão.

Ao mesmo tempo, fazei-vos próximos, com o estilo próprio do Evangelho, no encontro e na acolhida daqueles jovens que preferem conviver sem se casar. Eles, no plano espiritual e moral, estão entre os pobres e os pequenos, para os quais a Igreja, nas pegadas de seu Mestre e Senhor, quer ser mãe que não abandona, mas que se aproxima e cuida.

Também estas pessoas são amadas pelo coração de Cristo. Tenham por elas um olhar de ternura e de compaixão. Este cuidado pelos últimos, precisamente porque emana do Evangelho, é parte essencial da vossa obra de promoção e defesa do Sacramento do matrimónio.

[…]

(Papa Francisco aos Sacerdotes, 25 de fevereiro de 2017, in Radio Vaticano)

concubinato
The Vatican – español

Entretanto, a peculiaridade acima destacada foi já tema de um artigo assinado pelo jesuíta Antonio Spadaro, colaborador próximo do Santo Padre, publicado no CyberTeologia e publicitado na sua conta de Twitter.

preferem-viver-juntos
Conta Twitter do Pe. Antonio Spadaro, 26/02/2017

Parece que sr. Pe. Spadaro continua fiel àquela destemida linha teológica do não há pecado que impeça a misericórdia de Deus”. A fotografia escolhida por Spadaro foi tirada no dia de São Valentim de 2014, na Praça de São Pedro.

Convém lembrar que, já em 2016, o Santo Padre elogiava esta forma de convivência amantizada fora do matrimónio cristão:

Outra minha experiência em Buenos Aires: os párocos, quando faziam os cursos de preparação, havia sempre 12-13 casais, não mais, nunca chegavam a 30 pessoas. A primeira pergunta que eu fazia era: «Quantos de vós convivem?». A maioria levantava a mão. Preferem conviver, e este é um desafio, exige trabalho. Não dizer imediatamente: «Por que não te casas na igreja?». Não. Acompanhá-los: esperar e fazer maturar. E fazer maturar a fidelidade.

Contudo digo-vos que vi deveras tanta fidelidade nestas convivências, tanta fidelidade; e estou certo de que este é um matrimónio verdadeiro, têm a graça do matrimónio, precisamente pela sua fidelidade.

(in Discurso do Papa Francisco na abertura do Congresso Eclesial da Diocese de Roma, 16/06/2016)

O elogio do Santo Padre ao concubinato na Argentina, no qual chegou mesmo a considerá-lo um “matrimónio verdadeiro”, foi proferido no mesmo discurso em que confessou achar que “uma grande maioria dos matrimónios sacramentais são nulos”.

 

Glossário

Concubinato:  estado de duas pessoas que vivem como cônjuges sem serem casadas.

(Fonte: Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa, 2017)

Basto 2/2017

O Santuário de Fátima – Memorial da Presença de Deus

O desenvolvimento dos meios de telecomunicação tornou hoje possível o contacto direto, fácil e acessível entre todas as pessoas que se encontram espalhadas pelo mundo. Se existe de facto um momento diário em que a nação portuguesa está unida em torno de um propósito comum, esse momento é aquela meia hora, ao final do dia, em que é transmitida a recitação do Terço, a partir do Santuário de Fátima.

Mais de um milhão de pessoas do mundo inteiro, todos os dias às 18:30 (15:30 em Brasília), fixam a sua atenção no lugar das aparições, em Fátima, para rezarem o Terço e meditarem nos mistérios do Rosário. São milhares de casas de família, lares de terceira idade, instituições religiosas, automóveis em circulação e até estabelecimentos comerciais que, àquela hora, se desligam do mundo para, em uníssono, através da rádio, da televisão ou da Internet, participarem na recitação do Terço à Virgem de Fátima.

Seria inverosímil pensar neste fenómeno como algo meramente português, apesar de partir do epicentro religioso de Portugal. Basta acompanhar a transmissão do Terço durante dois ou três dias consecutivos para se constatar a diversidade de sotaques aí presentes. As vozes orantes são emitidas em todas pronúncias nativas das várias nações da lusofonia e, também, com os sotaques de tantos que aprenderam o português como língua estrangeira. A dimensão multinacional desta oração ganha uma escala universal nas noites em que se reza o Terço Internacional, em que o português é apenas uma das várias línguas alternadas na récita desta oração profundamente católica.

Rezar o Terço em direto com o Santuário de Fátima, em união com os irmãos espalhados pelo mundo, é uma forma espiritualmente gratificante de se viver todos os dias a mensagem de Nossa Senhora.

Basto 2/2017

Santo Padre exorta os cristãos a evitarem os insultos

insultos
Papa Francisco, 12 de fevereiro de 2017 – Rome Reports

Na oração do Angelus do dia 12 de fevereiro, o Papa Francisco voltou a condenar os insultos, os quais, em sua opinião, estão “na mesma linha dos homicídios”.

Perante estes apelos, é impossível não recordar alguns dos termos e conceitos menos amistosos utilizados pelo Santo Padre quando se refere a determinadas pessoas ou grupos pelos quais não nutre grande simpatia dentro da Igreja a que preside. Entre outros:

insultos1
Papa Francisco, 7 de setembro de 2014 – Rome Reports

Os termos/conceitos mencionados na lista acima fazem parte de uma compilação intitulada The Pope Francis Little Book of Insults, que tem vindo a ser elaborada, desde dezembro de 2013, pelo talentoso “Mr. Bones”, que entretanto se tornou mundialmente famoso pelas suas versões de alguns populares temas musicais.

Basto 2/2017

Será o Papa mesmo infalível?

tu.es.petrus.jpg

Também Eu te digo: Tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Abismo nada poderão contra ela. Dar-te-ei as chaves do Reino do Céu; tudo o que ligares na terra ficará ligado no Céu e tudo o que desligares na terra será desligado no Céu.» (Mt 16, 18-19)

É claro que o Papa é infalível. É infalível quando fala ex cathedra, a partir da Cadeira de São Pedro, em nome de Deus.

vasco-fernandes-1506-sao-pedro
São Pedro – Vasco Fernandes, 1506

A infalibilidade papal é um dogma da Igreja Católica, portanto incontestável e irrevogável, uma verdade de Fé da qual depende a nossa salvação. A infalibilidade papal foi declarada dogma através da constituição dogmática Pastor Aeternus, promulgada pelo Papa Pio IX, a 18 de julho de 1870, durante o Concílio Vaticano I.

Definição dogmática da Infalibilidade Papal:

O Romano Pontífice, quando fala ex cathedra, isto é, quando no exercício de seu ofício de pastor e mestre de todos os cristãos, em virtude de sua suprema autoridade apostólica, define uma doutrina de fé ou costumes que deve ser sustentada por toda a Igreja, possui, pela assistência divina que lhe foi prometida no bem-aventurado Pedro, aquela infalibilidade da qual o divino Redentor quis que gozasse a sua Igreja na definição da doutrina de fé e costumes. Por isto, ditas definições do Romano Pontífice são em si mesmas, e não pelo consentimento da Igreja, irreformáveis.

(in constituição dogmática Pastor Aeternus)

cv1
Concílio Vaticano I – (gravura atribuída a Karl Benzinger, 1873)

O dogma atesta então que o Papa é de facto infalível mediante determinadas condições, a saber: (1) quando fala ex cathedra, ou seja, a partir da Cadeira de Pedro, em ato formal e solene dirigido a todos os cristãos do mundo inteiro, (2) para definir, ou seja, clarificar e deliberar (3) em matéria de Fé ou de moral (costumes).

As condições estipuladas pelo dogma apenas são reunidas em simultâneo em momentos muito raros e extraordinários da história da Igreja como, por exemplo, para a proclamação de um dogma. Reunindo estas condições, o Papa é infalível, não erra porque beneficia da garantia de assistência plena do Espírito Santo. A última vez que um Papa falou ex cathedra foi em 1950, quando Pio XII definiu o dogma da Assunção da Virgem Maria.

Fora destes momentos solenes e singulares da história da Igreja, o Papa não é infalível, portanto pode errar. Neste sentido, o Papa não é infalível quando telefona a alguém ou envia uma carta com opiniões pessoais; quando dá uma entrevista a bordo de um avião; quando escreve uma controversa nota de rodapé num documento oficial da Igreja; quando fala de outras matérias que não dizem respeito à Fé ou à moral; quando age em tantos e variados contextos. E em caso de erro, deve ser fraternalmente corrigido.

Para além do Papa, o conjunto de todos os bispos do mundo reunidos em concílio ecuménico, em união com o Papa (o primeiro dos bispos), também goza de infalibilidade.

Fora dos concílios ecuménicos, os pastores da Igreja, incluindo o próprio Papa, gozam de infalibilidade apenas quando ensinam e promovem uma verdade de fé ou de costumes já professada e sustentada por toda a Igreja Católica, ou seja, quando o seu ensinamento se enquadra no magistério da Igreja, o qual, por si só, é infalível.

O magistério da Igreja é formado pelo conjunto de ensinamentos de Fé e de costumes unanimemente professados por toda a Igreja Católica ao longo do tempo, de forma clara e inequívoca.

Os Papas devem ser amados e respeitados por toda a Igreja, porém, as suas palavras, gestos ou atitudes não podem servir de referência para os cristãos quando constituem erros doutrinais ou pastorais. Os erros devem ser corrigidos, o próprio São Paulo corrigiu os erros do São Pedro, o primeiro Papa (Gl 2, 11-16). “Corrigir os que erram” é uma das 14 Obras de Misericórdia, a terceira do grupo das espirituais.

Hoje, dia 22 de fevereiro, no nosso calendário litúrgico é o dia da Cátedra de São Pedro.

Oremus pro Pontifice nostro.

Dominus conservet eum, et vivificet eum, et beatum faciat eum in terra, et non tradat eum in animam inimicorum eius.

Basto 2/2017

Beatos Francisco e Jacinta, obreiros da misericórdia de Deus

A festa litúrgica dos beatos Francisco e Jacinta Marto celebra-se a 20 de fevereiro, coincidindo com o aniversário da morte da Jacinta.

As três crianças de Fátima ofereceram-se pela conversão dos pecadores, orando e sacrificando-se por eles até ao limite das suas possibilidades. Não o faziam de forma estoica, pelo contrário, uniam o seu sofrimento ao sofrimento redentor de Cristo, em sigilo, em silêncio, sem qualquer tipo de publicidade, com profundo amor.

Os Corações Santíssimos de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei constantemente, ao Altíssimo, orações e sacrifícios.

(Anjo aos pastorinhos em 1916, II Memória da Ir. Lúcia redigida em 1937)

A Quaresma, que começa na próxima semana, é um tempo propício às obras de misericórdia, de misericórdia verdadeira, como fizeram os pastorinhos.

Basto 2/2017

A ‘Alegria do Amor” na Papua-Nova Guiné

Em entrevista à Catholic News Agency, no dia 11 deste mês, o cardeal John Ribat explicou que a Papua-Nova Guiné tem um problema muito mais urgente do que o debate sobre a comunhão aberto pela controversa exortação apostólica Amoris Laetitia. Por agora, está mais preocupado com as alterações climáticas do que propriamente com a questão da compatibilidade entre a sagrada Comunhão e o adultério.

papua
Catholic News Agency, 17/02/2017

“Para nós, a Amoris Laetitia estará sempre lá” […] “há tempo para falar sobre isso.”

(Cardeal John Ribat, in CNA, 17/02/2017)

Para o cardeal, o maior problema com o qual o seu país deve preocupar-se neste momento, e não pode adiar, são as alterações climáticas que estão já afetar a população local.

“A nossa situação está na ordem do dia, ou vocês querem falar sobre isso ou verão essas pessoas acabadas… Não há um momento para isso. O momento é agora ou nunca.”

(Cardeal John Ribat, in CNA, 17/02/2017)

D. John Ribat, arcebispo de Port Moresby, na Papua Nova-Guiné, foi criado cardeal pelo Papa Francisco no consistório de 19 de novembro de 2016.

Basto 2/2017

Pedidos de nulidade matrimonial disparam na diocese da Guarda

A diocese da Guarda registou um aumento exponencial nos pedidos de nulidade matrimonial durante o ano passado, de acordo o sr. Pe. Carlos Helena, atual vigário judicial. O número de pedidos aumentou de uma média de 2 a 3 por ano para um total de 13 no ano passado. Os números agora apresentados durante Jornadas de Formação do Clero da Diocese da Guarda, que decorreram no Seminário da Guarda a 2 e 3 de fevereiro, corroboram os dados publicados pelo jornal Público quando ainda faltava mais de um mês para o final do ano.

diocese-da-guarda
Diocese da Guarda

[O Pe. Carlos Helena] acrescentou que “há mais processos com possibilidades de serem aceites, inclusive como processos breves”. O padre Carlos Manuel Helena explicou que “temos bastante gente a recorrer ao Tribunal Eclesiástico”, dizendo que “a publicidade que a televisão fez”, sobre a facilidade na introdução dos processos “produziu efeitos”.

(in sítio oficial da Diocese da Guarda)

diocese-da-guarda2
Agência Ecclesia, 10/02/2017

O motu proprio do Papa Francisco Mitis Iudex Dominus Iesus, que simplificou os processos e universalizou o acesso aos pedidos de nulidade matrimonial, entrou em vigor a 8 de dezembro de 2015, no dia da Imaculada Conceição de Maria. Desde então, disparou o número de católicos que procuram esta solução pastoral para os seus casamentos.

Basto 2/2017

Papa Francisco propõe novo exercício espiritual

Quando a multidão que recebera o Santo Padre em estado de histeria coletiva, na Sala Paulo VI, estava já confortavelmente sentada, Francisco propôs um “novo exercício espiritual”.

Vale a pena ver também o vídeo abaixo, apesar de não estar traduzido, porque permite captar melhor o entusiasmo, a auto-confiança e a convicção do Santo Padre à medida que avança no “novo exercício espiritual”.

Em 1916, na Loca do Cabeço, em Fátima, os pastorinhos aprenderam com o Anjo um exercício espiritual radicalmente diferente ao nível do nosso posicionamento perante Deus.

Ao chegar junto de nós, disse:
– Não temais! Sou o Anjo da Paz. Orai comigo.
E ajoelhando em terra, curvou a fronte até ao chão e fez-nos repetir três vezes estas palavras:
Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.
Depois, erguendo-se, disse:

– Orai assim. Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas.

As suas palavras gravaram-se de tal forma na nossa mente, que jamais nos esqueceram. E, desde aí, passávamos largo tempo assim prostrados repetindo-as, às vezes, até cair cansados.

(Ir. Lúcia do Imaculado Coração de Maria, IV Memória, 1941)

Que Deus nos ama já nós sabemos, a questão fundamental, aqui, é como corresponder ao Seu amor. Optar por permanecer amarrados ao pecado porque Ele nos ama de qualquer modo, ou porque achamos que Ele é só Misericórdia, seria equivalente chamar injusto a Deus. Temos portanto de tentar corresponder a esse grande amor com Fé, com orações e com ações. Através da verdadeira reconciliação com Ele.

A nossa posição perante o amor de Deus é aqui fundamental, até mesmo em termos físicos. Ajoelhar-se perante Deus para O adorar, quando Ele está fisicamente presente na Sagrada Eucaristia, é uma postura de humildade verdadeira e de veneração. É uma pena que o Santo Padre tenha grandes dificuldades em fazê-lo porque, desse modo, daria uma grande lição sobre o amor de Deus a toda a humanidade.

Basto 2/2017

Continua a profanação de igrejas em Espanha por causa da nova pastoral

igreja.san.antón.jpg
Igreja de San Antón, Madrid – Mensajeros de la Paz

O sr. Pe Ángel, fundador da associação Mensajeros de la Paz, tem sido uma fonte de inspiração para muitos. Depois da profanação da igreja de San Antón, em Madrid, agora é a igreja de Santa Anna, em Barcelona, que passa a estar aberta 24 horas por dia para a nova pastoral.

O sr. Pe. Ángel, para além do empenho nas causas sociais, é também reconhecido pela sua pastoral pro-gay em Espanha e conhecido de Diego Lejárraga, a tal que ela era mas é ele, prafraseando o Santo Padre.

O Papa disse: “abri as portas das igrejas para que Deus possa sair também para fora”.

(Pe. Ángel in Mensajeros de la Paz, 21/07/2015)

Temos a certeza de que existem outros espaços em Barcelona, pertencentes à Igreja e à sociedade civil, com melhores condições do que aquela igreja para acolher os mais desfavorecidos. Isto que estamos a ver é um enorme desrespeito pelos templos de Deus e pela Presença Eucarística.

Basto 2/2017

Papa Francisco denuncia ordens “restauracionistas” cheias de jovens

lifesitenews-09-02-2017

Por Pete Baklinski

ROMA, 9 de fevereiro, 2017 (LifeSiteNews) – O Papa Francisco afirmou que o surgimento de novos institutos religiosos que atraem muitas vocações religiosas o “preocupam” porque muitas vezes promovem “rigidez”. Francisco acusou as novas ordens religiosas tradicionais de serem “pelagianas”, que desejam regressar ao ascetismo e à penitência.

Numa referência óbvia aos Legionários de Cristo, apelidou os jovens das ordens tradicionais de “soldados que parecem prontos para fazer qualquer coisa pela defesa da e da moralidade, e logo aparece algum escândalo envolvendo o fundador [masculino ou feminino].”

“Então não ponham esperanças no aparecimento massivo e repentino desses institutos,” acrescentou.

Quando me dizem que uma congregação que atrai tantas vocações, confesso que me preocupa,” disse ele durante a reunião à porta fechada com 140 superiores gerais de ordens e congregações religiosas masculinas que teve lugar no dia 25 de novembro. O texto da não programada sessão de perguntas e respostas foi publicado esta semana pelo importante jornal italiano Corriere della Cera.

Questionado sobre como lançar os corações dos jovens para a causa do Evangelho, o Papa focou-se na formação dos “seminaristas e futuros sacerdotes.”

Francisco afirmou que, na formação dos sacerdotes, a “lógica do preto e branco” que “pode conduzir à casuística abstrata” deve ser evitada.

“Discernimento, por sua vez, significa avançar através do cinzento da vida segundo a vontade de Deus. E a vontade de Deus deve ser encontrada de acordo com a verdadeira doutrina do Evangelho e não na rigidez de uma doutrina abstrata,” disse ele.

Questionado acerca do que deveria ser feito em relação ao decrescente número de vocações para sacerdócio, o Papa respondeu que, assim como o declínio o “preocupa, também está preocupado com o surgimento de novas ordens religiosas tradicionais.

“Algumas são, diria, restauracionistas: parecem oferecer segurança mas, em vez disso, oferecem apenas rigidez,” afirmou.

“Quando me dizem que há uma congregação que atrai tantas vocações, devo confessar que me preocupo. O Espírito não segue a lógica do sucesso humano: funciona de outra maneira. Mas eles dizem-me que há tantos jovens preparados para fazer qualquer coisa, que rezam muito, que são verdadeiramente fiéis. E eu digo para comigo: Maravilhoso: veremos se é o Senhor!.”

As ordens tradicionais não apenas preocupam o Papa Francisco. Logo nos primeiros meses depois de se tornar Papa em março de 2013, Francisco agiu rapidamente para desmantelar completamente a florescente congregação dos Frades Franciscanos da Imaculada. A ordem que promoveu a missa em latim foi uma das mais fiéis de todas as novas ordens religiosas católicas, especialmente no que se refere à sua dedicação pró-vida. A atitude papal surpreendeu os fiéis católicos.

Em 2015, o Papa advertiu os bispos contra a ordenação de seminaristas “tradicionalistas“, afirmando que isso era como a colocar uma “hipoteca sobre a Igreja.”

Em 2012, sob Bento XVI, o Vaticano estava em processo de reforma do grupo ativista de freiras e irmãs americanas por causa da sua “mentalidade secularista [e] espírito feminista“. Depois de Francisco assumir as rédeas da Igreja, o processo concluiu-se com o envio de uma “mensagem positiva” a esse grupo de freiras.

Durante a sessão de perguntas e respostas de novembro, Francisco admitiu também que há “corrupção no Vaticano“, mas ele está contudo “em paz” pela “graça de Deus”.

A edição original deste texto foi publicada pelo LifeSiteNews a 9 de fevereiro de 2017. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do artigo acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. Sempre que possível, deve ser lido na sua edição original.

Basto 2/2017