Pe. Vasco Pinto Magalhães, brincando com o fogo

sbc2.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Pedro Sinde

Numa entrevista à Agência Ecclesia, o Pe. Jesuíta Vasco Pinto de Magalhães fala sobre o seu mais recente livro: O Mal e o Demónio (Edições Tenacitas, 2017). Este breve texto não é uma recensão do livro, mas antes um comentário sobre alguns pontos da referida entrevista.

Nos seus Pequenos Poemas em Prosa, Baudelaire dá voz a um pregador que diz o seguinte:

“Meus caros irmãos, não esqueçais nunca, quando escuteis glorificar o progresso das luzes, que a maior artimanha do diabo é de vos persuadir que ele não existe!”

Esta artimanha é tão bem engendrada que atingiu mesmo sacerdotes e bispos…

Vejamos algumas das citações da entrevista, colocadas lado a lado com as palavras do Catecismo, de alguns Papas e do Evangelho.

*

Pe. Vasco: “O demónio não é uma entidade pessoal que entra. O demónio é uma desordem, uma força desordenadora”

Catecismo: “o Mal [na petição do Pai Nosso “mas livrai-nos do Mal”] não é uma abstracção, mas designa uma pessoa, Satanás, o Maligno, o anjo que se opõe a Deus.” (§2851)

Papa Paulo VI: O mal não é apenas uma deficiência, mas uma eficiência, um ser vivo, espiritual, pervertido e perversor. Terrível realidade. Misteriosa e pavorosa. Sai do quadro do ensino bíblico e eclesiástico quem se recusa a reconhecer a sua existência (…) ou quem a explica como uma pseudo-realidade, uma personificação conceptual e fantástica das causas desconhecidas das nossas desgraças. (Audiência Geral, 16 de Novembro de 1972)

Papa Francisco: “E pensar que nos queriam fazer crer que o diabo era um mito, uma figura, uma ideia do mal! Ao contrário, o diabo existe e nós devemos lutar contra ele. São Paulo recorda: é a palavra de Deus que no-lo diz! Mas parece que não estamos convencidos desta realidade”. (30 de Outubro de 2014)

Pe. Vasco: “Mas cada vez mais a Igreja sabe que é um problema psíquico.”

Pe. Gabriele Amorth: “Mas eu não faço exorcismo ao primeiro que passa! Antes vejo as fichas clínicas, os resultados de análises e as idas ao psiquiatra. Intervenho com as orações de libertação apenas quando a medicina não fez efeito”.

Catecismo: “O exorcismo tem por fim expulsar os demónios ou libertar do poder diabólico, e isto em virtude da autoridade espiritual que Jesus confiou à sua Igreja. Muito diferente é o caso das doenças, sobretudo psíquicas, cujo tratamento depende da ciência médica. Por isso, antes de se proceder ao exorcismo, é importante ter a certeza de que se trata duma presença diabólica e não duma doença.”

Pe. Vasco: “Os grandes exorcistas, no fundo, nunca encontraram verdadeiramente um espírito, encontraram uma espiritualidade perturbada que precisa de ser reorganizada pelo amor.” “Os exorcismos de Jesus Cristo foi curar psicopatologias.”

Evangelho: «“Mestre, eu trouxe-te o meu filho que está possesso de um espírito mudo, que, onde quer que se apodere dele, o lança por terra, e o menino espuma, range com os dentes, e fica rígido. Pedi aos Teus discípulos que o expulsassem e não puderam.”

Jesus respondeu-lhes: “Ó geração incrédula! Até quando hei-de estar convosco? Até quando vos hei-de suportar? Trazei-Mo cá”. Trouxeram-Lho. Tendo visto Jesus, imediatamente o espírito o agitou com violência e, caído por terra, revolvia-se espumando. Jesus perguntou ao pai dele: “Há quanto tempo lhe sucede isto?”. Ele respondeu: “Desde a infância. O demónio tem-no lançado muitas vezes ao fogo e à água, para o matar; porém Tu, se podes alguma coisa, ajuda-nos, tem compaixão de nós”. Jesus disse-lhe: “Se podes…! Tudo é possível a quem crê”. Imediatamente o pai do menino exclamou: “Eu creio! Auxilia a minha falta de fé”. Jesus, vendo aumentar a multidão, ameaçou o espírito imundo, dizendo-lhe: “Espírito mudo e surdo, Eu te mando, sai desse menino e não voltes a entrar nele!”. Então, dando gritos e agitando-se com violência, saiu dele, e o menino ficou como morto, tanto que muitos diziam: “Está morto”. Porém, Jesus, tomando-o pela mão, levantou-o, e ele pôs-se em pé. Depois de ter entrado em casa, os Seus discípulos perguntaram-Lhe em particular: “Porque o não pudemos nós expulsar?”. Respondeu-lhes: “Esta casta de demónios não se pode expulsar senão mediante a oração e jejum”. (Mc 9, 17-29)

Pe. Vasco: “O exorcismo não tira nada lá de dentro, o exorcismo comunica paz, equilíbrio, ordem, porque não há nada a tirar – um espírito não está dentro de outro espírito (…) O espírito não tem dentro nem fora. Portanto, é uma fantasia nossa para explicar um bocadinho essa realidade”

Evangelho, de novo: “Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele.”

Evangelho, mais uma vez: “Para isto é que o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do Diabo” (1Jo 3, 9)

Breve comentário

A posição do Pe. Vasco é de uma assustadora ingenuidade, de grande irresponsabilidade e com consequências devastadoras. Representa, na verdade, uma certa tendência teológica presente há muito na Igreja; assim, este artigo aproveita o pretexto desta entrevista, mas visa essa corrente ‘modernista’, que está convencida que a doutrina ‘evolui’, que passámos por uma idade das trevas na Igreja e agora vamos chegando à ‘idade das luzes’.

O Pe. Vasco, com a sua ‘hermenêutica’ muito pessoal, contradiz directamente as palavras de Cristo, a doutrina da Igreja e as palavras, reiteradas sucessivamente, do próprio Papa Francisco (bem como, naturalmente, a de todos os Papas anteriores).

Terminemos, lembrando as palavras do Papa São João Paulo II, pouco tempo antes de se tornar Papa:

“Hoje, estamos diante do maior combate a que a humanidade já assistiu. Não penso que a comunidade cristã o tenha compreendido totalmente. Hoje, estamos diante da luta final entre a Igreja e a Anti-Igreja, entre o Evangelho e o Anti-Evangelho”.

As palavras de um sacerdote que vai ser ouvido e lido devem ser pesadas e pensadas; a sua responsabilidade é a de subir acima de si mesmo e dos seus particulares pensamentos, para transmitir fielmente a doutrina da Igreja. Aos crentes enquanto tal não lhes interessa saber as opiniões pessoais, as ‘hermenêuticas’ superficiais de um sacerdote. Aos crentes, enquanto tal, interessa-lhes ouvir a doutrina de forma corajosa e clara, sobretudo num tempo que a Irmã Lúcia recorrentemente caracterizava, justamente, como de “desorientação diabólica”.

Um interessante extratexto

O grande exorcista do Vaticano, Padre Gabriele Amorth, revela-nos que a “invocação de João Paulo II tem um efeito devastador sobre o diabo” e diz ainda que “Satanás teme muitíssimo Bento XVI; as suas missas, as suas bênçãos, as suas palavras são como poderosos exorcismos”.

Este texto foi publicado na plataforma Academia.edu no dia 23 de julho de 2017.

Nota da edição: o artigo acima é da inteira responsabilidade do seu autor, neste caso o filósofo português Pedro Sinde, a presente edição visa apenas a sua divulgação.

 

Basto 7/2017

13 thoughts on “Pe. Vasco Pinto Magalhães, brincando com o fogo

  1. A negação do diabo implica a negação da Bíblia Católica na sua quase totalidade : o pecado original, a luta entre bem e o mal, o inferno, a vinda de Jesus ao mundo para nos salvar, grande parte dos milagres de Jesus… Não se pode aceitar que este sacerdote – contradizendo a essência do catolicismo – continue a exercer como tal. Se não crê nem respeita a doutrina da Igreja, só há 2 caminhos ou se demite ele da Igreja ou que os responsáveis da Igreja o demitam!
    Enfim … mais um profeta do fim dos tempos|

  2. O Pe. Vasco revela uma infantilidade espiritual assustadora. Está bem lá para o grupo de tias que o segue, mas para quem quer viver o cristianismo com profundidade não serve. A sua hermenêutica reduz tudo ao psíquico. Não sei como ainda não afirmou que o Espírito Santo não existe. E na mesma linha de interpretação pode-se também afirmar que quando Jesus dizia que Ele e o Pai são um e outras coisas semelhantes era tudo imaginação, a sua psique. Enfim…

    • Concordo plenamente consigo Dionísio. Esta linha de interpretação é confusa e estranha à doutrina católica… Será que estas pessoas entendem o Espírito Santo como uma mera condição de saúde psíquica ou de bem-estar intelectual?

  3. POSSESSÃO – CRISE
    Perante um Possesso temos sempre o envolvimento de algo “Consciencial” que dificulta e impede a Lucidez de Espírito da Vítima.
    Nesta situação é fundamental a intervenção externa para limpeza energética da Situação e encaminhamento adequado se for necessário.
    Recomenda-se o hábito frequente de Parar, Tranquilizar – MEDITAR.
    MEDITAÇÃO É ENCONTRO COM NOSSA ESSÊNCIA CÓSMICA.


  4. Vaticano, 14 Dez. 17 / 06:00 am (ACI).- Durante a recente edição do programa de televisão “Padre Nostro”, o Papa Francisco fez uma nova advertência sobre Satanás, que “não é uma coisa difusa”, mas “uma pessoa” com quem não se deve dialogar.

    Satanás “é o mal, não é uma coisa difusa. É uma pessoa. E com isso, eu gostaria de dizer uma coisa que eu tenho certeza: com Satanás não se pode dialogar. Porque se você começa a dialogar com Satanás, está perdido. Ele é mais inteligente do que nós. Ele te dá muitas voltas, ele dá voltas no teu pensamento e você está perdido. Não, vá embora!”, essa foi a advertência do Santo Padre.

    Francisco também assinalou que Satanás “sempre finge ser educado conosco, sacerdotes, bispos; mas educado”. “Começa assim”, advertiu, e “você acaba mal se não percebe a tempo”.

    O programa “Padre Nostro” é transmitido pela TV2000 e dirigido pelo Pe. Marco Pozza, capelão da prisão de Pádua (Itália).
    http://www.acidigital.com/noticias/papa-francisco-faz-nova-advertencia-sobre-satanas-31034/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s