Papa Francisco: Amoris Laetitia é a moral de São Tomás de Aquino

tomás.aquino
Imagem de Catholic Conclave, via En.news

Durante um encontro com jesuítas na Colômbia, o Papa Francisco afirmou que a controversa exortação Amoris Laetitia é “a moral do grande [São] Tomás [de Aquino]”. As declarações de Francisco foram publicadas no Catholic Herald e reproduzidas na La Civiltà Cattolica, revista jesuíta dirigida pelo insuspeito Pe. Antonio Sapadaro.

Para aqueles que sustentam que a moral subjacente ao documento não é “uma moral católica” ou uma moral que pode ser certa ou segura: “Quero repetir claramente que a moral da Amoris Laetitia é tomista”, ou seja, construída a partir da filosofia moral de Santo Tomás de Aquino, afirmou.

[…]

“Eu quero dizer isto para que possam ajudar aqueles que acreditam que a moral é puramente casuística”, afirmou, referindo-se a uma moral que muda de acordo com casos e circunstâncias particulares, em vez de uma que determina uma abordagem geral que guie a atividade pastoral da igreja .

Um dos melhores e “mais maduros” teólogos de hoje que pode explicar o documento é o cardeal austríaco Christoph Schönborn de Viena, disse ele.

(Papa Francisco, in Catholic Herald, 29/09/2017 – tradução livre)

A Gloria TV News relembra que, desde 2016, ano em que foi publicada a controversa exortação apostólica, vários académicos, entre eles Michael Pakaluk da Universidade Católica da América, têm mostrado como Tomás de Aquino (1225 – 1274) é mal citado e desinterpretado no texto da Amoris Laetitia.

Um exemplo é o número 301. Insinua que [São] Tomás apoia a ideia de que as pessoas possam tornar-se santas e, ao mesmo tempo, contrariar algumas virtudes. Na realidade, Tomás fala sobre pessoas que se arrependeram dos pecados passados e mantêm a lei moral, mas fazem isso com alguma dificuldade.

(in Gloria TV News, 29/09/2017 – tradução livre)

Quando Francisco recomenda o cardeal Christoph Schönborn para explicar a moral da Amoris Laetitia, dá vontade de responder ao Santo Padre, à boa maneira portuguesa: quem não o conhecer que o compre! O relativista cardeal de Viena é mais conhecido pela sua pastoral pro-gay, pro-aceitação do adultério e pró-balões e hard rock na Missa do que propriamente por sólidas competências nos campo da moral cristã. É portanto alguém que o Santo Padre deveria recomendar como aprendiz e não como mestre.

Basto 9/2017

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s