A intervenção de Weinandy: o que significa

 Weinandy .jpg

 

Por Christopher A. Ferrara

Os críticos daqueles que tornaram públicas as suas objeções ao caos que este pontificado está a engendrar afirmam que só as “petições privadas” a um Papa rebelde é que são permitidas e que qualquer recurso à publicação é “escandaloso”.

Absurdo. Como o direito canónico reconhece, os fiéis “têm o direito e mesmo por vezes o dever, de manifestar aos sagrados Pastores a sua opinião acerca das coisas atinentes ao bem da Igreja, e de a exporem aos restantes fiéis, salva a integridade da fé e dos costumes, a reverência devida aos Pastores…” Não há nenhuma exceção que isente os Papas das críticas públicas. Pelo contrário, ninguém está mais sujeito às necessidades e preocupações dos fiéis do que ele.

Além disso, este Papa demonstrou que é imune a súplicas privadas, e que nem sequer irá ter a cortesia de manifestar a sua receção. Francisco simplesmente ignorou as petições privadas de 800 mil fiéis, de 45 teólogos, dos quatro “cardeais dos dubia” e os 60 assinantes da Correctio filialis, para não mencionar numerosas outras petições privadas, todas elas implorando para reafirmar o ensinamento constante da Igreja sobre a inadmissibilidade de pessoas divorciadas “recasadas” aos sacramentos e o carácter sem exceção dos preceitos negativos da lei natural – ensinamentos que Francisco está evidentemente empenhado em subverter através de ambiguidades e piscadelas de olho e acenos de cabeça subministeriais.

Agora, o teólogo talvez mais relevante até à data sentiu-se na obrigação de divulgar a sua própria súplica privada ao Papa que se recusa a responder. Sandro Magister publicou uma carta privada, enviada ao Papa no verão passado, por Thomas G. Weinandy, que foi nomeado membro da Comissão Teológica Internacional pelo próprio Papa Francisco. Ele foi também chefe do secretariado teológico da conferência episcopal dos EUA e ensinou em Oxford e na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. É portanto uma figura inequivocamente “convencional”[*].

Seguindo um sinal claro do Céu, aqui descrito, o Pe. Weinandy decidiu divulgar o conteúdo da sua carta ao Papa Francisco, onde lemos esta acusação a um Pontífice Romano assinada por um sujeito cuja lealdade ao ofício petrino é incontestável:

Sua Santidade, uma confusão crónica parece marcar o seu pontificado. A luz da fé, da esperança e do amor não está ausente, mas muitas vezes é obscurecida pela ambiguidade das suas palavras e ações. Isso promove entre os fiéis um crescente desconforto…

Em Amoris Laetitia, as suas indicações parecem às vezes intencionalmente ambíguas, convidando tanto a uma interpretação tradicional do ensinamento católico sobre o matrimónio e o divórcio, como também a uma interpretação que pode implicar uma mudança nesse ensinamento… Ensinar com uma tal falta de clareza aparentemente intencional incorre inevitavelmente no risco de pecar contra o Espírito Santo, o Espírito da verdade. O Espírito Santo é dado à Igreja, e particularmente a si mesmo, para dissipar o erro e não para promovê-lo.

[Sua Santidade] parece censurar e até mesmo zombar daqueles que interpretam o Capítulo 8 da Amoris Laetitia de acordo com a tradição da Igreja, como se fossem fariseus que atiram pedras e que encarnam um rigorismo vazio de misericórdia. Esse tipo de calúnia é estranho à natureza do ministério petrino… Esse comportamento dá a impressão de que os seus pontos de vista não podem sobreviver ao escrutínio teológico e, portanto, devem ser sustentados pelos argumentos ad hominem.

[M]uitas vezes a suas formas parecem menosprezar a importância da doutrina da Igreja. Uma e outra vez, retrata a doutrina como uma coisa morta e livresca, longe das preocupações pastorais da vida quotidiana. Os seus críticos foram acusados – utilizando as suas próprias palavras – de fazer da doutrina uma ideologia. Mas é precisamente a doutrina cristã… que liberta as pessoas das ideologias mundanas e assegura que eles estão efetivamente a pregar e a ensinar o Evangelho autêntico e vivo. Aqueles que desvalorizam as doutrinas da Igreja separam-se de Jesus, o autor da verdade… O que eles possuem, sendo que só isso podem possuir, é uma ideologia – que se conforma com o mundo do pecado e da morte.

Os fiéis católicos só podem estar desconcertados pela sua escolha de alguns bispos, homens que parecem não apenas abertos a quem tem opiniões contrárias à fé cristã, mas que até os apoiam e defendem. O que escandaliza os crentes e até alguns bispos não é apenas que designe tais homens para serem pastores da Igreja, mas que permaneça em silêncio perante o seu ensinamento e pratica pastoral… Como resultado, muitos dos fiéis que incorporam o sensus fidelium estão a perder confiança no seu Pastor Supremo.

[A] Igreja é um corpo, o corpo místico de Cristo, e o Senhor encarregou-lhe a si a missão de promover e fortalecer a sua unidade. Mas as suas ações e palavras muitas vezes parecem motivadas a fazer o contrário….

O senhor fala muitas vezes da necessidade de transparência dentro da Igreja. Encorajou frequentemente… todas as pessoas, especialmente os bispos, a falarem abertamente e sem medo do que o Papa possa pensar. Mas… o que muitos [bispos] aprenderam durante o seu pontificado não é que o senhor está aberto a críticas, mas que fica ressentido… Muitos temem que se falarem abertamente serão marginalizados ou pior.

Muitas vezes me perguntei: “Porque deixou Jesus tudo isto acontecer?” A única resposta que vem à mente é que Jesus quer manifestar quão fraca é a fé de muitos dentro da Igreja, mesmo entre muitos dos seus bispos. Ironicamente, o seu pontificado deu a liberdade e a confiança àqueles que detêm visões teológicas e pastorais prejudiciais para que viessem à luz e mostrassem a sua escuridão anteriormente escondida…

Quando um teólogo “convencional” com esta relevância autoriza a publicação de acusações tão graves contra um Romano Pontífice, isso deve afastar, pelo menos para o observador razoável, a alegação de que a oposição ao que o Papa Francisco diz e faz está confinada a uma parte marginal da Igreja de mentalidade “cismática”. A intervenção de Weinandy, motivada por um sinal do céu, é nada menos que um marco na história da Igreja. Representa uma confirmação objetiva, se ainda fosse necessária, de que este pontificado representa um perigo claro e presente para a Fé e que os fiéis têm o dever de se opor às suas tendências absolutamente inéditas.

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

ATUALIZAÇÃO: Imediatamente depois da publicação da carta, o Pe. Weinandy foi convidado a renunciar à sua atual posição como consultor para a Conferência de Bispos dos EUA [USCCB]. Ele assim o fez. Como o Catholic World Report, outra voz convencional de preocupação em relação a este pontificado, observou: “Ao fazer tal pedido, a USCCB, como parece, reforça precisamente o argumento de Weinandy sobre o medo e a falta de transparência.” Parece que, para o Papa Francisco, “misericórdia” significa a supressão imediata e implacável de qualquer relevante crítico ao seu assalto ao ensinamento dos seus predecessores, incluindo o próprio Papa que ele canonizou.

*O termo “convencional” foi traduzido de “mainstream”, que foi utilizado pelo autor deste artigo para exprimir a ideia de não associado a qualquer grupo ou tendência na Igreja.

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 2 de novembro de 2017. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. Sempre que possível, deve ser lido na sua edição original. A imagem foi adicionada na presente edição, não fazendo parte da publicação original.

A tradução integral da carta do Pe. ThomasWeinandy pode ser lida no blogue Fratres in Unum.

Basto 11/2017

2 thoughts on “A intervenção de Weinandy: o que significa

  1. “Lembrai, lembrai… De um julgamento injusto, do flagelo rasgando a carne, da coroa de espinhos, dos espancamentos, das humilhações, da pesada cruz, dos cravos de ferro atravessando os pulsos e pés, do cheiro de sangue, da agonia, da morte e da ressurreição.”

    Lembrai ó povo católico de onde vem vossa força, hoje quase esquecida.
    Lembrai-vos de vossa herança.
    Lembrai-vos do Verbo Encarnado, nascido da Santíssima Virgem.
    Lembrai-vos de um homem pobre que calava os poderosos, andava sobre as águas, aplacava as tempestades, dava visão aos cegos, fazia os aleijados andarem, curava os doentes e ressuscitava os mortos.
    Lembrai-vos d’Ele, que prometia o Reino dos Céus a quem o seguisse, mostrou que o mais humilde seria o primeiro.
    Lembrai-vos d’Aquele que disse simplesmente “Venha a mim”, “Siga-me”, “Obedeça-me”.
    Lembrai-vos d’Aquele que deixou claro que sua principal missão era perdoar os pecados, algo que somente Deus poderia fazer.

    Lembrai-vos d’Aquele que disse “Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai a não ser por Mim”, “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;” “Eu sou o pão da Vida, quem come deste Pão, mesmo que morra viverá”.

    Lembrai-vos de Jesus Cristo, o Filho de Deus.
    Lembrai-vos da Santa Ceia, onde nos deu Seu Corpo e Sangue.
    Lembrai-vos de seu Sacrifício na Cruz, onde verdadeiramente tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores; e os seus o reputavam por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
    Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

    Lembrai-vos de um pequeno bando de covardes derrotados, num sótão, em um dia e, poucos dias depois, transformados numa companhia que nenhuma perseguição podia silenciar.
    Lembrai-vos de 12 homens que testemunharam que viram Jesus levantado de entre os mortos, ascendendo aos Céus e depois proclamaram essa verdade durante 40 anos, nunca a negando. Todos eles foram espancados, torturados, apedrejados, colocados na prisão e sofreram mortes horríveis. Teriam suportado isso, caso não fosse verdade?
    Lembrai-vos das perseguições, quando éramos crucificados, apedrejados, flagelados, presos, queimados vivos e jogados às feras.
    Lembrai-vos dos tempos em que nos escondíamos nas catacumbas.
    Lembrai-vos do tempo que o Evangelho conquistou os bárbaros.
    Lembrai-vos do tempo que as nações eram irmãs em Jesus Cristo.
    Lembrai-vos dos cavaleiros, os monges guerreiros que defendiam os fracos.
    Lembrai-vos das glórias da cristandade, suas catedrais e universidades.

    Lembrai-vos dos santos, servos humildes de Nosso Senhor, que conquistaram multidões não com espadas, como os maometanos, mas com Rosários.
    Lembrai-vos de São Domingos Gusmão, São Francisco de Assis, Santo Antônio de Lisboa e Santo Tomás de Aquino.
    Lembrai-vos da batalha de Lepanto, quando as orações do Rosário derrotaram os turcos maometanos.
    Lembrai-vos dos missionários, que foram aos confins da terra pregar o Evangelho.
    Lembrai-vos do tempo em que os padres falavam da vida eterna, da indispensabilidade de salvar a própria alma fugindo do pecado e vivendo na graça de Deus.

    Lembrai-vos de quando não havia altares-mesa no estilo luterano em nossas igrejas, mas somente altares-mores voltados para Deus, cuja própria aparência despertava o sentido de temor respeitoso e reverência nas pessoas.
    Lembrai, lembrai… de quando não havia tradicionalistas, porque não havia necessidade de descrever qualquer católico com essa expressão. Todos os católicos aceitavam instintivamente o que uma série de papas havia prescrito como parte da própria profissão de nossa fé: “Admito firmemente e abraço as tradições apostólicas e eclesiásticas e outras observâncias e constituições da Igreja.”.

    Lembrai-vos de quando não havia leitores leigos, “ministros da Eucaristia” leigos ou meninas no presbitério, mas somente padres, diáconos a caminho do sacerdócio e os acólitos, que eram a fonte primária de geração após geração das vocações sacerdotais, que enchiam os seminários.
    Lembrai-vos de quando não havia música profana durante a Missa, mas somente canto gregoriano ou polifonia, despertando a alma para a contemplação do divino, ao invés batidas de pés, palmas ou puro tédio.
    Lembrai-vos de quando os padres rezavam em latim, e a missa era contemplativa e meditativa. Todos podiam rezar o terço durante o silêncio e as igrejas eram cheias.
    Lembrai, lembrai… do tempo em todos católicos carregavam um terço no bolso, e o rezavam todos os dias.
    Lembrai-vos de quando não havia seminários vazios, conventos vazios, paróquias abandonadas e escolas católicas fechadas. Havia somente seminários, conventos, paróquias e escolas repletas de católicos fiéis provenientes de famílias numerosas.

    Lembrai-vos de quando não havia “ecumenismo.” Havia somente a convicção de que a Igreja Católica é a Igreja única e verdadeira, fora da qual não há salvação. Os católicos seguiam o ensinamento da Igreja que “[diz] que os fiéis não podem de maneira alguma assistir ativamente ou participar de qualquer culto de acatólicos,” e eles compreendiam mesmo se apenas de maneira implícita.
    Lembrai-vos de quando não havia “diálogo.” Havia somente evangelização pelo clero e apologistas leigos com o objetivo de converter as pessoas à verdadeira religião. E havia os convertidos, que entravam para a Igreja em números tão grandes que parecia mesmo que os Estados Unidos estavam se tornando uma nação católica, uma vez que 30 milhões de americanos ouviam o programa de rádio de Dom Fulton Sheen todo domingo.

    Lembrai-vos de quando não havia defecções em massa do sacerdócio, das ordens religiosas, e de leigos, levando à “apostasia silenciosa” na Europa e em todo o Ocidente. Em vez disso, havia aquilo que um Padre do Concílio Vaticano Segundo descreveu no início do Concílio: “a Igreja, não obstante as calamidades que grassam no mundo, está experimentando uma era gloriosa, se vocês considerarem a vida cristã do clero e dos fiéis, a propagação da fé, e a influência universal salutar que a Igreja possuía no mundo de hoje.”
    Lembrai-vos de quando não havia “Católicos Carismáticos,” “Neo-Catecumenais,” ou outros “movimentos eclesiais” promovendo novos modos estranhos de culto inventados por seus fundadores. Havia somente católicos, que praticavam o culto da mesma maneira que seus antepassados com continuidade inquebrável durante séculos.

    Lembrai-vos do tempo em que a Igreja não precisava imitar seitas protestantes para ficar pop.
    Lembrai, lembrai, do tempo em que a palavra divórcio não fazia sentido. Homens e mulheres casavam-se para toda a vida.
    Lembrai-vos do tempo em que ter filhos não era considerado fardo, mas sim a coisa mais importante para as famílias.
    Lembrai-vos do tempo em que os padres catequizavam seu rebanho. De quando o sim era sim e o não era não.
    Lembrai-vos do tempo em que os padres atendiam confissões todos os dias, e ninguém precisava marcar hora para se confessar.

    Lembrai-vos do tempo em que os todos católicos tinham horror ao pecado. Ao contrário de hoje.
    Lembrai-vos de quando tudo mudou, quando o espirito mundano invadiu a Igreja. No Concílio Vaticano II.
    Lembrai-vos do que pediu a Santa Virgem em Fátima.
    Lembrai-vos que ela disse que seu Imaculado Coração triunfará.

    “Salve Rainha, Mãe de Misericórdia,
    Vida, doçura e esperança nossa, salve!
    A Vós bradamos, os degredados filhos de Eva.
    A Vós suspiramos, gemendo e chorando
    neste vale de lágrimas.
    Eia, pois, advogada nossa,
    Esses Vossos olhos misericordiosos
    A nós volvei,
    E, depois desse desterro,
    Mostrai-nos Jesus, bendito fruto do Vosso Ventre.
    Ó Clemente, Ó Piedosa, Ó Doce Virgem Maria.

    Rogai por nós Santa Mãe de Deus,
    Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém”.

    Acompanhai o Rosário, eis a oração que nos diz como devemos rezar pelo Reino de Maria. Como tratá-la, quem somos, o que é este mundo, quem Ela é para nós, e o que devemos lhe pedir.
    Salve Mãe Rainha
    Deste seu escravo inútil.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s