Cá vamos nós outra vez: O próximo Sínodo da “Juventude”, em outubro, será um fórum para ainda mais subversão eclesial

Pope Francis - Pre-Synodal Meeting on Young People 2018-03-19.jpg
Jovem “profética” diz à Igreja o que ela tem de fazer – in Vatican News, 19/03/2018

 

Por Christopher A. Ferrara

A reunião “pré-sinodal” de “jovens”, que incluiu não-crentes e vários tipos de críticos da Igreja, presidida pelo Papa e pela mesma equipa de manipuladores sinodais que manobrou os Sínodos de 2014-2015, é uma amostra prévia do avanço na subversão eclesial que terá lugar na sala sinodal no próximo mês de outubro.

No seu discurso aos presentes, o Papa Francisco declarou que “os jovens” são a voz de Deus a falar à Igreja de hoje, confundindo a generalidade da juventude de hoje com verdadeiros profetas bíblicos como David, Samuel e Daniel, os quais, segundo Francisco, guiaram um “povo desorientado” em tempos de confusão. Por outras palavras, de acordo com Francisco, a Igreja “desorientada” deve ser guiada pela sabedoria profética dos jovens, em vez de serem os jovens guiados pelo ensinamento constante da Igreja. De acordo com esta inversão absurda da realidade, prosseguiu Francisco, “toda agente tem o direito de ser escutada”, incluindo os não-crentes convidados a participar neste encontro e no próprio Sínodo que se aproxima.

Os procedimentos incluíam uma sessão de perguntas e respostas durante a qual uma mulher nigeriana indignada, que havia sido forçada à prostituição, teve direito ao pódio para ler um texto em italiano, que mal conseguia pronunciar, em que exigia ao Papa que explicasse como uma Igreja que é “ainda muito chauvinista” (maschilista, que também significa “sexista”) pode, com credibilidade, “propor aos jovens formas de relação entre homens e mulheres que sejam livres e libertadoras” – como se a Igreja estivesse de algum modo implicada no tráfico sexual ao qual ela tinha sido submetida.

A questão era, ainda por cima, bastante manhosa, uma vez que o Papa Francisco dera já luz verde para que a Sagrada Comunhão seja administrada a adúlteros públicos que estão divorciados e fingem estar “recasados”, consentindo assim o que o Papa Leão XIII havia denunciado como “concubinato legalizado em vez do casamento”. O divórcio é pouco mais do que um arranjo libertador para as mulheres, para aquelas que são abandonadas pelos maridos ou as que são exploradas por homens que se propõem a “casar “com elas em cerimónias civis prontamente revogáveis ​​que resultam em nada para além de adultério público .

A questão seria melhor colocada desta forma: Como pode Francisco credivelmente propor relações livres e libertadoras entre homens e mulheres quando ele próprio subverteu o respeito pela indissolubilidade do Santo Matrimónio, no qual o casal vive a verdade sobre o casamento que os torna livres [?] – livres da escravidão do pecado que resulta de uma vida baseada no mal intrínseco das relações sexuais fora do casamento.

Depois de abraçar a mulher sobre o estrado, o Papa elogiou a sua provocação arrogante que considerandou “uma pergunta sem anestesia”, arrancando risos da plateia de jovens e confirmando assim a impressão de que a exploração das mulheres pelos homens é, de algum modo, culpa da Igreja “sexista”. Depois prosseguiu observando que parece que a maioria dos clientes de prostitutas em Itália são católicos – como se isso fosse culpa da Igreja e não culpa dos católicos que desobedecem ao seu ensinamento sobre a natureza mortalmente pecaminosa das relações sexuais exteriores ao casamento, ensinamento este que o próprio Papa Francisco está a subverter. Citando o infame ¶ 301 da Amoris Laetitia:

Por isso, já não é possível dizer que todos os que estão numa situação chamada «irregular» vivem em estado de pecado mortal, privados da graça santificante. Os limites não dependem simplesmente dum eventual desconhecimento da norma. Uma pessoa, mesmo conhecendo bem a norma, pode ter grande dificuldade em compreender «os valores inerentes à norma» ou pode encontrar-se em condições concretas que não lhe permitem agir de maneira diferente e tomar outras decisões sem uma nova culpa.”

– como se alguém não tivesse escolha a não ser continuar a cometer o pecado do adultério para evitar algum outro pecado! Nunca na história da Igreja um Papa propôs tal absurdo moral.

Durante uma divagação, uma discussão informal sobre os males do tráfico sexual e da prostituição, Francisco, à sua maneira habitual, colocou uma questão a si próprio: “«Mas, padre, não se pode fazer amor?» Isso não é fazer amor, isso é torturar uma mulher. Não confundamos os termos. Isso é crime.” O que implica que relações sexuais fora do casamento sob o disfarce de “amor” possam ​​ser consideradas positivas, em comparação com o recurso a prostitutas, quando se sabe que ambas as situações são mortalmente pecaminosas e absolutamente proibidas em qualquer circunstância.

Francisco concluiu afirmando: “Quero aproveitar este momento, uma vez que falou sobre os cristãos batizados, e pedir-lhe perdão pela sociedade e por todos os católicos que praticam este ato criminoso”. Mais uma sugestão de que a Igreja é de algum modo culpada pelos pecados daqueles que se recusam a seguir o que ela ensina a respeito do mal intrínseco das relações sexuais extraconjugais. E no entanto, é precisamente esse ensinamento que, incrivelmente, o próprio Papa Francisco descreve como uma mera “regra” nem sempre vinculante.

O Sínodo da “juventude” é mais uma iminente catástrofe para a Igreja e isso tornou-se bastante claro, durante este desastre, quando uma tal Angela Markas, da Autrália, que também teve direito ao pódio, “disse a Francisco que os jovens querem discussão na Igreja sobre sexualidade, atração homossexual e o papel das mulheres”.

Loucura é a única palavra que descreve o rumo, cada vez pior, deste pontificado. Com uma boa razão, o Pe. John Hunwicke questiona, aludindo à sugestão do conceituado teólogo Pe. Aidan Nichols, se existem “justificações para a situação em que o homem que foi anteriormente Papa promoveu heresia [referindo-se à anatematização póstuma de Honório I por promover a heresia monotelista], então, porque não para um Papa que, prima facie, está a propagar heresia?” A Igreja militante, diz o Padre, “precisa de seguir esse conselho. A sua sobrevivência está, na verdade, divinamente garantida, mas toda a economia da fé assenta no conceito de um Deus que trabalha com e através da sinergia humana”.

Quando uma proposta como esta é sugerida por sacerdotes tão lúcidos quanto o Pe. Hunwicke e o Pe. Nichols, isso deve ser sinal da incomparável gravidade da nossa situação.

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 21 de março de 2018. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. Sempre que possível, deve ser lido na sua edição original.

Basto 3/2018

2 thoughts on “Cá vamos nós outra vez: O próximo Sínodo da “Juventude”, em outubro, será um fórum para ainda mais subversão eclesial

  1. Jovem “profética” diz à Igreja o que ela tem de fazer E AS PROPRIAS VESTES DELA COMPROVAM A QUE iGREJA PERTENCE e o grau de dons proféticos de que é possuidora, como de uma revolucionarista RCCista ou de idem protestante pentecostalista!
    Dados os fatos que por ora sucedem na Igreja de adesão ao relativismo, doravante tudo é possível, com o papa Francisco que os estaria capitaneando, recorrentemente, em sucessão constante, cada qual mais ousado e escandaloso que outro e os pressagios para o Sínodo da “Juventude” seriam os piores possiveis, recordando o “hagan lío”!…!
    Recentemente, o eminente cardeal D Burke volta á carga: *Que um ateu pretenda anunciar uma revolução no ensino da Igreja católica, afirme falar em nome do Papa, e negue a imortalidade da alma humana e a existência do inferno, suscitou um escândalo tremendo, não só para muitos católicos, mas também para numerosos não crentes que respeitam a Igreja Católica e seus ensinamentos, embora não compartilhe deles”, declarou o cardeal norte-americano, um dos quatro signatários dos dubia de 2016″.
    Porém…
    Os cardeais, esses mais próximos do papa, assim como os bispos, já há muito tempo deveriam ter abarcado como grave dever para si agirem, insistindo, imitando o eminente bispo **D Athanasius Schneider, e mais alguns muito poucos que, á verdade, têm conclamado de forma bastante ostensiva a esses para interpelarem o necessario para o que o papa Francisco ou se explique e retroceda de certos seus procedimentos que considerariam de inimigos da Igreja, apesar de dentro dela!
    Assim, seriam até mesmo advertencias, pois numa situação dessa tem-se de agir com firmeza para, se ele se recusar a se explicar e se mantiver silente – estaria espalhando ambiguidades, confusão ou até mesmo heresias, ter de assumir as consequencias!
    Dessa forma, o papa Francisco vem mantendo deploraveis e escandalosos contatos com declarados revolucionarios de todas as matizes, desafetos da Igreja, tratando-os como adjuntos, casos do material-ateísta Scalfari et alii- e, se não der as devidas explicações justificando-se, como até ao presente estaria, passarem a novos métodos cada vez mais contundentes!
    Assim persistindo, em último e extremo caso, partirem às denuncias públicas, já que os supostos desprocedimentos são ostensivos, saindo da apatia e irem até ao extremo de o desafiar, e encararem com fortaleza e determinação o que vier, recordando o tempo do arianismo, com S Atanasio disposto a defender a doutrina da Igreja com intrepidez e galhardia, preferindo a obediencia à doutrina de Nosso Senhor a novas doutrinas, ideologias e/ou meras invencionices humanas!
    **A própria base da unidade da Igreja, disse Schneider, é a verdade – a verdade do Evangelho. Infelizmente, hoje quem se atreve a falar a verdade “é classificado como um inimigo da unidade” – como aconteceu com São Paulo.
    Aqueles que têm medo de enfraquecer a unidade da Igreja criticando os ensinamentos do Papa Francis devem lembrar que o Papa é servo da Igreja, disse Schneider. “Ele é o primeiro que tem que obedecer de forma exemplar a todas as verdades do Mistério imutável e constante, porque ele é apenas um administrador e não um dono das verdades católicas …” O Papa deve “se ligar constantemente e Igreja a obediência à palavra de Deus “, acrescentou.
    Schneider disse também que quando um papa tolera erros e abusos generalizados, os bispos não devem se comportar como os “funcionários servos” do papa”…
    *adelantelafe
    **https://www.lifesitenews.com/news/bishop-encourages-church-leaders-to-stand-firm-against-erroneous-teaching

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s