“Milagre” de São Januário realiza-se nas mãos do líder da maior Igreja Católica Oriental

https://i1.wp.com/tv.ugcc.org.ua/media/gallery/full/d/s/dsc01962_33457.jpg
In Religious Information Service of Ukraine, 21/11/2018.

Durante a visita de D. Sviatoslav Shevechuk a Nápoles, o sangue de São Januário liquefez-se completamente no momento em que o líder dos católicos ucranianos segurava o relicário. O “milagre” aconteceu no dia 18 de novembro, portanto, fora das datas em que costuma ocorrer todos os anos.

“Temos de vos anunciar uma importante mensagem: o sangue de São Januário tornou-se líquido nas mãos de Sua Beatitude D. Sviatoslav”.

(Declaração dos Guardiões das Relíquias em 18 de novembro; in RISU, 21/11/2018)

O fenómeno aconteceu no final da liturgia, quando o arcebispo ucraniano transportava a relíquia, em procissão, para o seu lugar habitual. Sviatoslav confessou que, enquanto transportava o relicário, orou a São Januário “pelo fim da guerra na Ucrânia” e pela “proteção do povo ucraniano”.

Tradicionalmente, o sangue de São Januário liquefaz-se duas vezes por ano, a 16 de maio e a 19 de setembro.

Basto 11/2018

Papa Francisco, o problema

papa.francisco.rorate.caeli.jpg

Por Kenneth J. Wolfe

Na edição impressa de hoje do USA Today, aqui disponível online, está um triste comentário de Melinda Henneberger, uma ex-correspondente do Vaticano para o New York Times, onde ela confessa a sua apostasia.

Henneberger, que é conhecida por ser de centro-esquerda (dissidente, por exemplo, da Humanae Vitae, mas simpatizante, até certo ponto, de causas pró-vida) pelos seus muitos anos de escrita, atribuiu a responsabilidade pela sua decisão de apostatar a “esses homens” e aos “homens que administram a igreja”, evitando atribuir qualquer responsabilidade ao homem que dirige a Igreja.

Quem dirige a Igreja? Quem é o Sumo Pontífice? Quem impediu, esta semana, a Conferência dos Bispos Católicos dos EUA de avançar com um plano para tratar a sério a crise dos abusos sexuais? Até mesmo Tom Reese SJ (considerado demasiado liberal para a revista America) considerou o desenvolvimento desta semana um “desastre” que resultará em “terríveis prejuízos para a imagem do Papa”.

O Papa Francisco é o líder. O Papa Francisco toma as decisões. Não basta responsabilizar “o Vaticano” ou, como o atual dissidente dos média John Gehring fez esta semana, misturar Francisco numa amálgama maior: “O Vaticano, incluindo o Papa Francisco, também não fez o suficiente.”

Um edifício, ou uma cidade-estado independente, ou uma burocracia sem rosto não são os responsáveis. O Papa Francisco é o responsável. É ele quem toma as decisões. É ele quem deve enfrentar as consequências de uma decisão como dizer aos bispos dos EUA que eles não devem tratar de medidas relativas ao abuso de menores.

Está na hora de parar de encobrir o Papa Francisco. Ele é o problema.

A edição original deste texto foi publicada no Rorate Caeli no dia 16 de novembro de 2018. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. A presente edição destina-se exclusivamente à sua divulgação, sempre que possível deve ser lido na sua edição original.

Basto 11/2018

Rússia abre fogo sobre barcos da marinha ucraniana

O perigoso incidente que teve lugar no Estreito de Kerch levou o presidente Petro Poroshenko a anunciar que vai propor ao Parlamento da Ucrânia a implementação da lei marcial.

O Estreito de Kerch separa a Rússia da Península da Crimeia, região ucraniana recentemente anexada pela Federação Russa à revelia das leis internacionais. Sendo a única ligação marítima entre o Mar Negro e o Mar de Azov, representa um espaço de elevada importância estratégica para a marinha mercante dos dois países eslavos.

Basto 11/2018

Católicos britânicos comemoram Dia Internacional da Memória Transexual

No passado dia 20 de novembro, a Igreja Católica de Inglaterra e País de Gales comemorou o Dia Internacional da Memória Transgénera através da publicação de uma mensagem no Twitter.

trans.memória
Página Twitter da Igreja da Inglaterra e País de Gales, 20/11/2018.

O Dia Internacional da Memória Transgénera foi fundado pela transexual Gwendolyn Ann Smith, uma “ex-homem” ativista militante do movimento LGBT.

trans.memória2.jpg
Gwendolyn Ann Smith, à esquerda. À direita, o Santo Padre, na Quinta-feira Santa de 2015, lava os pés à transexual Isabel Lisboa, uma “ex-homem” italiana.

A primeira resposta que apareceu na mensagem comemorativa do Twitter da Igreja Católica Britânica foi a de um sacerdote, Pe. Marcus Holden, que confessou a sua surpresa pela referida publicação, lembrando que “apesar de não devermos deixar de rezar” por todas as pessoas vulneráveis, “o Dia Internacional da Memória Transgénera faz parte de uma ‘colonização ideológica’ que não deve ser apoiada por católicos”.

Basto 11/2018

Bergoglio aplaudiu o anúncio da vinda do Anticristo

Um ano antes do conclave que elegeu Francisco, o então cardeal D. Jorge Mario Bergoglio aplaudiu o discurso do Rabino Abraham Skorka quando este anunciou, em Buenos Aires, a futura vinda de um – falso – messias e a necessidade de preparar o seu caminho. Isto aconteceu em 2012 quando a Pontifícia Universidade Católica Argentina, para celebrar os 50 anos do Concílio Vaticano II, atribuiu o título de Professor Honoris Causa a um teólogo talmudista que, obviamente, não acredita que Jesus Cristo é o Messias de Deus.

O reitor dessa universidade católica era o arcebispo D. Víctor Manuel (“Tucho”) Fernández, tendo sido nomeado por Bergoglio para o cargo. “Tucho” era, já na altura, o autor do livro erótico “Cura-me com a tua boca” e, mais tarde, viria a ser o alegado “escritor fantasma” da controversa exortação papal que admite o divórcio e o recasamento civil.

Basto 11/2018

A “proibição de viajar” do Papa Francisco – Dica: Não se aplica a muçulmanos

francis.fatima.center.jpg

Por Christopher A. Ferrara

Marco Tosatti narra a notícia perturbadora, mas não surpreendente, de que tanto o cardeal D. Raymond Burke como o bispo D. Athanasius Schneider foram submetidos pelo Vaticano a proibições que limitam a sua capacidade de atender e fortalecer os fiéis, no meio daquilo a que um destes – nomeadamente o Dr. Douglas Farrow, tema do meu último artigo – apelida de “o problemático pontificado de Bergoglio”.

Como observa Tosatti, o Vaticano obrigou o Bispo Schneider a “reduzir a frequência das suas viagens ao exterior”. Não obstante, não existe uma ordem escrita ou qualquer outra diretriz escrita “com base na qual o bispo poderia tomar alguma iniciativa legal junto da Congregação para os Bispos ou do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica…” Em vez disso, Schneider recebeu apenas uma espécie de ordem sotto voce, desprovida de qualquer papel embaraçoso que pudesse servir de prova documental daquilo que é obviamente um plano para silenciar um dos principais motivos de aborrecimento para “O Papa Ditador”.

Ninguém me livrará desse bispo inconveniente?

Quanto ao Cardeal Burke, cuja liberdade de movimento não pode ser legitimamente restringida sem nenhum motivo definido para a punição, a ação do Vaticano é ainda mais perniciosa. Tosatti refere-se ao “conselho dado aos bispos americanos – sempre por via oral e através de um núncio – de não convidar para as suas dioceses pessoas como o Cardeal Burke e, se não for possível evitar a sua presença, não ir ao evento…”

Por outras palavras, o Vaticano “sugere”, num sussurro de bastidores, que a Igreja da América evite um Príncipe da Igreja que não cometeu qualquer ofensa a não ser incomodar o atual ocupante da Cadeira de Pedro ao observar verdades tão inconvenientes como esta: “O poder [do Papa] está a serviço da doutrina da fé. E portanto o Papa não tem o poder de mudar os ensinamentos, a doutrina”.

Ninguém me livrará desse cardeal inconveniente?

No entanto, como observa Tosatti, o ex-cardeal D. Theodore McCarrick, cuja inteira carreira eclesiástica foi marcada pela devassidão homossexual e pela predação de jovens em série, não só foi aliviado das restrições de viagem impostas sobre este criminoso durante o reinado de Bento XVI, como, ainda por cima, foi “enviado pelo Pontífice [Francisco] às Filipinas, à Arménia e atuou como elo de ligação a Cuba para preparar a visita do Papa”. Isso sem mencionar várias missões a Pequim, durante as quais, evidentemente, McCarrick ajudou na negociação da traição total de Francisco à Igreja Clandestina, que, como o Cardeal Zen adverte agora – uma advertência que Francisco naturalmente ignorará -, está em vias de extinção sob uma perseguição final. Uma perseguição na qual o próprio Francisco, efetivamente, emitiu o mandato quando reconheceu oficialmente a legitimidade da pseudoigreja do governo comunista chinês, a Associação Católica Patriótica.

Não admira que um clérigo tão importante como Mons. Nicola Bux, ex-consultor da Congregação para a Doutrina da Fé sob o Papa Bento XVI, tenha sido levado a declarar, durante uma entrevista, o seguinte: “Mais útil que uma correção fraternal [a Francisco] seria examinar a ‘validade jurídica’ da renúncia do Papa Bento XVI e ‘se é total ou parcial'”. Esta notícia aparece no blogue de Edward Pentin – curiosamente, sinalizado como “perigoso” e bloqueado pelo Google Chrome com uma banda vermelha de alerta. A reportagem de Pentin inclui a visão de Bux de que “esse estudo ‘aprofundado’ da renúncia […] poderia ajudar a ‘superar problemas que hoje parecem para nós insuperáveis’”. Querendo dizer, problemas decorrentes de um pontificado cujo programa parece ser, quase literalmente, atacar a Igreja.

Não faço comentários sobre a surpreendente sugestão de Bux exceto para notar que somente num pontificado como este – algo que a Igreja jamais conhecera – poderia um clérigo desta importância sentir-se compelido a publicar tais opiniões.

Só Deus sabe como a agudização da atual crise da Igreja representada pelo “problemático pontificado de Bergoglio” será resolvida. Uma coisa, contudo, podemos saber já com certeza: o que este Papa forjou em prejuízo da Igreja não prevalecerá. Será desfeito juntamente com todos os outros catastróficos afastamentos da Tradição a que o Cardeal D. Mario Luigi Ciappi referiu, à luz do Terceiro Segredo de Fátima, como uma apostasia que “parte do topo”.

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 15 de novembro de 2018. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. A presente edição destina-se exclusivamente à sua divulgação, sempre que possível deve ser lido na sua edição original.

Basto 11/2018

Combate aos abusos sexuais de clérigos nos EUA adiado por ordem do Vaticano

O Vaticano ordenou à Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos um adiamento na aprovação de novas medidas para combater o problema dos abusos sexuais de membros do clero. A última assembleia geral da conferência episcopal americana decorreu entre os dias 12 e 14 de novembro, em Baltimore, no Estado de Maryland.

adiamento.medidas.jpg
Revista America, 12/11/2018.

A incompreensível atitude do Vaticano não foi bem recebida por muitos católicos americanos, uma vez que o problema dos abusos sexuais por parte de elementos do clero atingiu nos EUA uma proporção escandalosa e preocupante, necessitando de uma intervenção urgente da hierarquia da Igreja.

Os bispos americanos deverão agora esperar até a conclusão do encontro especial do Papa Francisco com todos os presidentes das conferências episcopais do mundo, convocado para fevereiro de 2019, para tratar deste problema à escala global.

Basto 11/2018

James Martin SJ: O Papa Franciso nomeia bispos e cardeais pró-gay para mudar a Igreja Católica

jm.jpg

Acabaram-se as ambiguidades, os misericordistas próximos do Santo Padre falam agora de forma aberta e desinibida das estratégias políticas de Francisco para mudar a Igreja de Cristo.

Durante o seu discurso no encontro Ignatian Family Teach-in for Justice 2018, no início deste mês de novembro, em Washington DC, o Pe. James Martin SJ, editor-geral da revista America, disse aos estudantes que, com o Papa Francisco, “as coisas estão a mudar” na Igreja Católica no que concerne à homossexualidade. O sacerdote consultor do Vaticano e famoso propagandista do lobby LGBT mostrou como o Santo Padre se tem empenhado fortemente na nomeação de bispos homossexualistas na Igreja Católica.

Mas basta olhar para o que tem acontecido nos últimos cinco anos, desde que o Papa Francisco foi eleito. Antes de tudo, os comentários do Papa Francisco sobre as pessoas LGBT, como “quem sou eu para julgar”. As suas cinco palavras mais famosas foram em resposta a perguntas sobre as pessoas gay, não é verdade?

Ele é o primeiro Papa a empregar a palavra “gay”, digamos, numa frase. Ele tem amigos gay. Ele tem dito que quer que os gay se sintam bem-vindos na Igreja. Isto é um grande avanço.

Ele também nomeou bispos, arcebispos e cardeais pró-gay, como o Cardeal Tobin, arcebispo de Newark que, por exemplo, realizou uma missa de boas-vindas para pessoas LGBT na sua catedral. Precisamente no verão passado, ele celebrou uma missa de boas-vindas para todas as pessoas LGBT na sua arquidiocese.

Portanto isto é uma direção, o que o Papa Francisco diz e faz, não é? O que ele diz sobre as pessoas LGBT e o que ele faz em termos de quem nomeia.

(Pe. James Martin SJ, America – The Jesuit Review, 03/11/2018 – tradução livre)

Já para não falar de si próprio e das razões pelas quais terá sido nomeado pelo Papa como Consultor do Dicastério para as Comunicações e do convite para fazer a sua propaganda LGBT no Encontro Mundial de Famílias 2018.

As palavras do ativista gay da Companhia de Jesus são importantes na medida em que corroboram as acusações referidas no “Testemunho” de D. Carlo Maria Viganò, as quais pressupõem a existência de um lobby homossexualista na Igreja com influência até na nomeação de bispos.

Basto 11/2018

Nova pastoral em Braga: Minori Takada na Capela Imaculada

A Cidade dos Arcebispos continua a diversificar a sua oferta pastoral de modo a tornar-se competitiva perante os novos mercados espirituais emergentes.

midori.takada2.jpg
Capela Imaculada, Braga, novembro de 2018; in Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura da Conferência Episcopal Portuguesa

Decorreu no passado dia 13 de novembro, na famosa Capela Imaculada, em Braga.

Foi esta passada terça-feira que a compositora e percussionista japonesa de culto, Midori Takada, brindou o público com um espetáculo no Seminário de Nossa Senhora da Conceição, fazendo desta a sua primeira atuação em Portugal. A artista não desiludiu e proporcionou ao público um concerto de mestria, ao colocar as emoções dos espectadores à flor da pele, permitindo-os viajar num plano espiritual.

(In ComUM, 15/11/2018)

A artista nipónica Midori Takada proporcionou um exótico momento espiritual através de um espetáculo musical que consistiu na interpretação do seu álbum “Through The Looking Glass” reeditado em 2017.

midori.takada

 

E, claro, a “Senhora” lá estava também presente…

Basto 11/2018

Mais um ultra-misericordista para um alto cargo da Cúria Romana

O Papa Francisco nomeou o misericordista radical D. Charles Jude Scicluna, arcebispo de Malta, para Secretário Adjunto da Congregação para a Doutrina da Fé.

D. Charles Jude Scicluna, Arcebispo de Malta, ao lado de D. Mario Grech, Bispo de Gozo (Gozo é uma diocese sufragânea de Malta)

Scicluna foi um dos primeiros bispos do mundo a aderir à nova doutrina do Papa Francisco que tolera o divórcio e o recasamento. Neste sentido, logo em janeiro de 2017, publicou, em conjunto o bispo de Gozo, os critérios que autorizam a abertura da Sagrada Comunhão a praticantes habituais de adultério, nos termos do controverso documento Amoris Laetitia.

bispos.de.malta2
Catholic Herald, 13 de janeiro de 2017.

O novo elemento da Congregação para a Doutrina da Fé é conhecido por tolerar e participar em cerimónias de apoio ao movimento LGBT nas igrejas de Malta.

bispos.de.malta3.jpg
Malta Today, 18 de maio de 2014.

A página oficial da Arquidiocese de Malta faz questão de mostrar que D. Charles Scicluna teve muito gosto em receber de presente um livro de propaganda LGBT, intitulado “Os Nossos Filhos”, oferecido por elementos da comunidade gay Drachma.

O novo elemento do antigo Santo Ofício defende que o Estado deve criar legislação que proteja as uniões homossexuais, uma vez que tais uniões, segundo o arcebispo, “não deixam de ser um serviço à dignidade destas pessoas“, apesar de achar que a palavra “casamento” não é a mais adequada para estes casos…

bispos.de.malta4
Página oficial da Arquidiocese de Malta, 01/07/2016.

Este homem foi convidado pelo Santo Padre para desempenhar um alto cargo no organismo da Igreja responsável por difundir a doutrina católica e defender a tradição da nossa fé.

Basto 11/2018