A “proibição de viajar” do Papa Francisco – Dica: Não se aplica a muçulmanos

francis.fatima.center.jpg

Por Christopher A. Ferrara

Marco Tosatti narra a notícia perturbadora, mas não surpreendente, de que tanto o cardeal D. Raymond Burke como o bispo D. Athanasius Schneider foram submetidos pelo Vaticano a proibições que limitam a sua capacidade de atender e fortalecer os fiéis, no meio daquilo a que um destes – nomeadamente o Dr. Douglas Farrow, tema do meu último artigo – apelida de “o problemático pontificado de Bergoglio”.

Como observa Tosatti, o Vaticano obrigou o Bispo Schneider a “reduzir a frequência das suas viagens ao exterior”. Não obstante, não existe uma ordem escrita ou qualquer outra diretriz escrita “com base na qual o bispo poderia tomar alguma iniciativa legal junto da Congregação para os Bispos ou do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica…” Em vez disso, Schneider recebeu apenas uma espécie de ordem sotto voce, desprovida de qualquer papel embaraçoso que pudesse servir de prova documental daquilo que é obviamente um plano para silenciar um dos principais motivos de aborrecimento para “O Papa Ditador”.

Ninguém me livrará desse bispo inconveniente?

Quanto ao Cardeal Burke, cuja liberdade de movimento não pode ser legitimamente restringida sem nenhum motivo definido para a punição, a ação do Vaticano é ainda mais perniciosa. Tosatti refere-se ao “conselho dado aos bispos americanos – sempre por via oral e através de um núncio – de não convidar para as suas dioceses pessoas como o Cardeal Burke e, se não for possível evitar a sua presença, não ir ao evento…”

Por outras palavras, o Vaticano “sugere”, num sussurro de bastidores, que a Igreja da América evite um Príncipe da Igreja que não cometeu qualquer ofensa a não ser incomodar o atual ocupante da Cadeira de Pedro ao observar verdades tão inconvenientes como esta: “O poder [do Papa] está a serviço da doutrina da fé. E portanto o Papa não tem o poder de mudar os ensinamentos, a doutrina”.

Ninguém me livrará desse cardeal inconveniente?

No entanto, como observa Tosatti, o ex-cardeal D. Theodore McCarrick, cuja inteira carreira eclesiástica foi marcada pela devassidão homossexual e pela predação de jovens em série, não só foi aliviado das restrições de viagem impostas sobre este criminoso durante o reinado de Bento XVI, como, ainda por cima, foi “enviado pelo Pontífice [Francisco] às Filipinas, à Arménia e atuou como elo de ligação a Cuba para preparar a visita do Papa”. Isso sem mencionar várias missões a Pequim, durante as quais, evidentemente, McCarrick ajudou na negociação da traição total de Francisco à Igreja Clandestina, que, como o Cardeal Zen adverte agora – uma advertência que Francisco naturalmente ignorará -, está em vias de extinção sob uma perseguição final. Uma perseguição na qual o próprio Francisco, efetivamente, emitiu o mandato quando reconheceu oficialmente a legitimidade da pseudoigreja do governo comunista chinês, a Associação Católica Patriótica.

Não admira que um clérigo tão importante como Mons. Nicola Bux, ex-consultor da Congregação para a Doutrina da Fé sob o Papa Bento XVI, tenha sido levado a declarar, durante uma entrevista, o seguinte: “Mais útil que uma correção fraternal [a Francisco] seria examinar a ‘validade jurídica’ da renúncia do Papa Bento XVI e ‘se é total ou parcial'”. Esta notícia aparece no blogue de Edward Pentin – curiosamente, sinalizado como “perigoso” e bloqueado pelo Google Chrome com uma banda vermelha de alerta. A reportagem de Pentin inclui a visão de Bux de que “esse estudo ‘aprofundado’ da renúncia […] poderia ajudar a ‘superar problemas que hoje parecem para nós insuperáveis’”. Querendo dizer, problemas decorrentes de um pontificado cujo programa parece ser, quase literalmente, atacar a Igreja.

Não faço comentários sobre a surpreendente sugestão de Bux exceto para notar que somente num pontificado como este – algo que a Igreja jamais conhecera – poderia um clérigo desta importância sentir-se compelido a publicar tais opiniões.

Só Deus sabe como a agudização da atual crise da Igreja representada pelo “problemático pontificado de Bergoglio” será resolvida. Uma coisa, contudo, podemos saber já com certeza: o que este Papa forjou em prejuízo da Igreja não prevalecerá. Será desfeito juntamente com todos os outros catastróficos afastamentos da Tradição a que o Cardeal D. Mario Luigi Ciappi referiu, à luz do Terceiro Segredo de Fátima, como uma apostasia que “parte do topo”.

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 15 de novembro de 2018. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. A presente edição destina-se exclusivamente à sua divulgação, sempre que possível deve ser lido na sua edição original.

Basto 11/2018

12 thoughts on “A “proibição de viajar” do Papa Francisco – Dica: Não se aplica a muçulmanos

  1. Sem estes Bispos e outros Sacerdotes a elucidar-nos, o que faremos?! Um dia uma Irmã Religiosa me falou desta forma: “Há-de chegar o tempo em que só teremos o Divino Espírito Santo…e nos rotularão de hereges, a nós que, permanecermos na Verdadeira Fé!”
    Penso que está para breve, ou já chegou de facto?!
    Entende-se bem os reais motivos de conservar-se em local secreto, de D. Carlo Viganò!! Pelo jeito outros terão de seguir o exemplo. Que Deus nos dê o verdadeiro entendimento…e o Dom da Fortaleza…

    • “O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus.” Isto dá-nos a entender que viria um tempo muito perigoso para fé, um tempo em que as pessoas precisariam de se abrigar em algum refúgio espiritual seguro.

  2. É verdade Basto. Tudo isto provoca alguma ansiedade. Daí, eu ter pedido o Dom da Fortaleza, não apenas, a fim de não perder a Fé Verdadeira, mas também para conservar a serenidade necessária e a sanidade mental que o momento eclesial e mundial exige.
    O que é certo é que, orientação espiritual e pastoral não há. Cada um diz e ensina uma coisa diferente, a ponto de muitas vezes sair da Santa Missa pior do que entrei, pelas barbaridades que se ouve. Parece que todos estão hipnotizados, demasiado preocupados com a obediência…
    Com efeito, a maioria dos católicos não se apercebe de nada porque, uns fazem parte daquele grupo de “católicos não praticantes”, outros porque não ficam atentos aos sinais dos tempos…
    Tenho escrito para muitos Bispos e Sacerdotes com questões pertinentes, enviando notícias desta categoria. Mas apenas um me responde (quando pode), com palavras de encorajamento e aconselhamento. Nosso Senhor, com isto quer aumentar, em nós a Confiança, NELE, só.
    Estas “proibições”, mais o “adiamento”, do trabalho dos Bispos da US (comparando com o procedimento com o Chile, parece desconcertante), mais a colocação de pro-Gays, em altos cargos, é de facto preocupante…
    Os homens e mulheres de Fé, vão ter muito que sofrer…

  3. Este pontificado é realmente especialista em confundir, baralhar, manipular e relativizar tudo!
    Então, a Igreja que o Papa Francisco apregoa não deve ser MISSIONÁRIA, DINÂMICA e voltada para FORA?! Ir ao encontro dos outros!…
    Pelos vistos, isso é, somente, para os que estão empenhados em fazer proliferar a sua” nova doutrina”…. porque os SANTOS, esses são amordaçados e aprisionados !

    É preciso ser-se muito demagogo!

    • Esse é um problema que não se coloca em Portugal porque, 11 anos depois da publicação da carta apostólica de Bento XVI, a Summorum Pontificum continua a aguardar pela sua aplicação no nosso país. No entanto, os bispos portugueses foram muito rápidos na implementação da Amoris Laetitia já vigor em várias dioceses.

      • Basto, não há nem mesmo uma igreja ou uma catedral que celebre a Missa Tridentina em Portugal???

        Aqui no Brasil, a situação não é menos desanimadora. É claro que existem cidades e regiões onde é possível assistir à Missa Tridentina, mas, diante das dimensões continentais do Brasil, são bem poucas.

        Na diocese onde moro, por exemplo, não tem missa tridentina nem esperança de que ela seja celebrada na diocese.

      • Tanto quanto sei, o “usus antiquior” em Portugal é utilizado apenas pela FSSPX, cuja expressão é exígua no nosso país e limitada praticamente à capital. Talvez também em alguma representação do ICRSS em Portugal?… Cheguei a ver também referências a uma capela em Fátima pouco conhecida… Enfim, pode dizer-se que não existe oficialmente em Portugal.

  4. Por isso é que nós portugueses perdemos a sensibilidade da importância do Rito que durou mais de um milénio. Nunca ninguém se questionou. O povo aceitou, sem qualquer resistência.
    Nunca foi abolido nem pode ser, pelo que refere a Bula Quo Primmum Tempore (penso que é assim que se escreve).
    O Papa João Paulo II autorizou inclusive as Comunidades Ecclesia Dei, através de um Documento com o mesmo nome para que elas pudessem continuar a celebrar no Rito de Pio V, com as Leituras em vernáculo. Muitas pessoas, incluindo Sacerdotes pensam que o Rito Tridentino começou no Concílio da Trento. Não! Ele é muito mais amplo no tempo e nos vários concílios. Apenas, no Concílio de Trento houve a compilação do mesmo, com carácter de Lei.
    Com o CVII tentaram revogar, porém não foi possível. Houve muita confusão, nessa época com o tal “espírito do concílio” que nunca ninguém soube o que é. Mons. Lefebvre nunca o aceitou. Por isso se formou a FSSPX de onde resultaram várias Comunidades Tradicionais obedientes a Roma com o Tal Documento Ecclesia Dei.
    Mais tarde com o Motu Próprio Summorum Pontificum, Bento XVI autorizou o Rito de sempre, em toda a Igreja, como “Rito Extraordinário”. Portanto dizer que Bento XVI cometeu um erro com esta autorização é o mesmo que dizer que o Papa Francisco também os comete.
    Isto para dizer que o Rito Tridentino tem muito mais importância que nós portugueses lhe concedemos. É uma pena e uma perda enorme para a Igreja. Cada vez mais me parece credível a teoria de que Bento XVI foi forçado a se retirar “voluntariamente” pressionado, por muitas razões, incluindo a Santa Missa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s