Exortação apostólica – a incerteza continua…

google news
Alguns resultados apresentados no Google Notícias a meio da tarde de dia 8 de abril, em Portugal.

Por que razão os diferentes jornais conseguem ver coisas tão diferentes e até opostas no discurso do Santo Padre?

Um texto de 200 páginas, para quem já o leu, deveria chegar para esclarecer todas as dúvidas morais, doutrinárias e pastorais que se levantaram desde o início dos trabalhos sinodais. Todos conhecemos bons padres que o fariam bem em menos de uma página, e tenho a certeza de que, mais ou menos satisfeitos, todos sairiam esclarecidos. Aliás, relativamente às perguntas mais controversas que circulam nos jornais, um “sim” ou um “não” seriam suficientes, podendo acrescentar-se algumas referências ao catecismo ou à Sagrada Escritura, nas páginas seguintes.

À primeira vista, parece-nos que, mais do que encerrar o debate entre a Verdade e as doutrinas diabólicas que se foram introduzindo nos trabalhos sinodais, o dia de hoje deixou várias questões em aberto e a certeza de mais angústia para os próximos tempos. Por um lado, a angústia daqueles que temem a destruição da Igreja através da introdução de exotismos anti-cristãos na doutrina e na pastoral e, por outro, a angústia daqueles que, encontrando-se em situações gravemente pecaminosas, continuarão a alimentar uma vã esperança de aprovação (ou pelo menos aceitação) da sua condição irregular, sem necessitarem de mudar de vida. No caso concreto do acesso à comunhão por parte dos divorciados, não foi ainda dada uma resposta suficientemente esclarecedora e definitiva.

D. Manuel Clemente, em conferência de imprensa no Patriarcado de Lisboa, declarou que “o Papa, em termos de decisão, não quer expressamente adiantar novidades”.

Sublinhou ainda que o documento “vai exigir muita aplicação pastoral”, repetindo que “o papa não quer adiantar novidades”. Com efeito, todas as angústias daqueles que anseiam ou temem o pior terão mesmo continuar futuramente, sendo agora transferidas para o plano pastoral.

Resumindo, a exortação foi publicada, apresentada e explicada, mas o calvário da incerteza irá continuar enquanto Deus o permitir.

Ainda bem que o líder da Igreja Portuguesa, ao fim de “quatro ou cinco horas” a estudar o documento (!), compreendeu-o como uma reafirmação da doutrina de sempre, e de certeza que não terá sido o único, graças a Deus. Mas será que todos os outros bispos do mundo o entenderam dessa forma? Amanhã ou depois veremos…

 

Basto 4/2016