Bento XVI: “…o Papa vem sempre visitar-me.”

No novo livro biográfico, escrito a partir de uma entrevista ao Papa Emérito e prefaciado por Francisco, o Santo Padre Bento XVI fala sobre o seu sucessor.

cover Guerriero
Servidor de Deus e da Humanidade

A obediência ao meu sucessor foi sempre inquestionável. Existe também um sentido de profunda comunhão e amizade. No momento em que foi eleito, senti, como muitos outros, um espontâneo sentido de gratidão para com a Providência. Depois de dois Pontífices da Europa Central, o Senhor como que pôs os olhos na Igreja universal e convidou-nos para uma comunhão mais ampla, mais Católica. Eu, pessoalmente, senti-me profundamente tocado, desde o início, pelo calor humano do Papa Francisco em relação mim. Tentou contactar-me por telefone logo após a sua eleição. Não consegui contactar-me, por isso tentou novamente, logo após o encontro com a Igreja universal a partir da varanda da Praça de São Pedro, e falou-me de um modo muito cordial. Desde então, proporcionou-me um relacionamento maravilhosamente paternofraternal. Recebo frequentemente pequenos presentes e cartas pessoais. Antes de fazer alguma grande viagem, o Papa vem sempre visitar-me. A bondade humana que ele me mostrou é, para mim, uma graça especial nesta fase final da minha vida, pela qual só posso sentir gratidão. O que diz sobre a abertura a outras pessoas não são só palavras. Ele põe-nas em prática comigo. Que ele possa sentir, em retorno, todos os dias, a bondade do Senhor. Por isso eu rezo todos os dias por ele ao Senhor.

(in La Stampa)

Tendo em conta o vendaval que assolou a Igreja Católica Romana nos últimos anos, parece ser uma leitura interessante.

 

Basto 8/2016