Bispos portugueses debatem a Amoris Laetitia

Começou ontem, dia 7 de novembro, e estender-se-á até ao dia 10, a 190ª Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa, em Fátima. O ponto seis da ordem de trabalhos é a “reflexão sobre a Exortação Apostólica pós-sinodal do Papa Francisco sobre a família Amoris Laetitia”.

Em 2015, a Igreja Portuguesa tremeu mas resistiu e disse “não” ao Papa Francisco relativamente à questão da abertura da Sagrada Comunhão às pessoas que vivem em situação de adultério, que na linguagem atual passou a designar-se “situação irregular”.

sol1
Manchete do Semanário Sol de 21 de julho de 2015

Desta vez, é previsível que o abalo sísmico seja mais violento porque, entretanto, o próprio Papa já assume abertamente o seu apoio à conciliação entre o adultério e a comunhão e, por outro lado, depois de  três anos e meio de pressão mediática, é já notória uma certa habituação gradual perante a proposta de sacrilégio introduzida pelo Santo Padre.

radio-vaticano-carta
Vaticano divulga a carta de aprovação e apreço papal pelos critérios dos bispos argentinos que prescrevem o acesso da Sagrada Comunhão a pessoas que vivem objetivamente em situação de adultério permanente: “Não há outras interpretações.” (Papa Francisco)Radio Vaticano a 12/09/2016

No que se refere à Igreja Portuguesa, o semanário Sol informou que a luta foi renhida na assembleia plenária de abril de 2015, uma vez que os bispos estavam divididos, mas no fim prevaleceu a Verdade Cristã, graças à firmeza do patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, apoiado pelo bispo do Porto e pelo arcebispo de Braga. A proposta neomisericordiosa, de acordo com o mesmo jornal, foi defendida por D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, com apoio dos bispos das dioceses de Aveiro, Guarda, Coimbra, Viseu e Portalegre-Castelo Branco.

Um ano depois, a nova doutrina do Papa Francisco de conciliação entre a Sagrada Comunhão e o adultério contará com dois novos apoiantes de peso na assembleia dos bispos portugueses:

  1. O novo bispo D. José Ornelas, indigitado pelo Papa Francisco para a diocese de Setúbal em 2015. Este novo bispo defende abertamente o acesso à Sagrada Comunhão para pessoas em situação objetiva de adultério e já pregou a “Alegria do Amor” no Santuário Fátima.
  2. A presença, a título de convidado, do cardeal Martínez Sistach, arcebispo emérito de Barcelona, cuja contribuição se prevê que seja no sentido de desvalorizar a doutrina católica a favor da nova misericórdia de Francisco. Sistach é o especialista em direito canónico que integrou o painel de apresentação do motu proprio do Papa Francisco que veio simplificar os processos de nulidade matrimonial. Era também tido como um dos proeminentes cardeais que, durante o processo sinodal, esperava que o Santo Padre abrisse a comunhão aos divorciados recasados pelo civil, portanto em situação de adultério à luz do infalível Magistério da Igreja.

Os bispos estão reunidos na Casa de Nossa Senhora das Dores, no Santuário de Fátima, e precisam das orações de todos os fieis portugueses. Muita gente que conhece a mensagem de Fátima por esse mundo fora está à espera de ver um sinal claro da Igreja Portuguesa na conservação do “dogma da Fé” que lhes possa servir de rumo neste tempo de “desorientação diabólica”.

O nome da casa onde estão reunidos não poderia ser mais inspirador, tendo em conta o tema tratado e o seu paralelismo com a mensagem de Fátima. Outro aspeto curioso é a calendarização desta assembleia, cuja sessão de abertura coincidiu precisamente com o 99º centenário da revolução comunista de outubro de 1917 (que teve início no dia 7 de novembro de 1917, no nosso calendário gregoriano).

Basto 11/2016

Bispos portugueses disseram “não” ao Papa

Esta notícia do semanário Sol não é nova, já é do verão do ano passado, mas convém relembrá-la agora, dado que a Igreja ainda não apagou o incêndio que teima em queimar a família. Se tudo correr bem, o incêndio ficará extinto com a exortação apostólica do Papa Francisco, que deverá ser publicada a 8 de abril, com o título de Amoris Laetitia. Esperemos que, com este documento, o Santo Padre, com uma linguagem clara e objetiva, apague definitivamente a fogueira que ele próprio acendeu ao apontar a spotlight sobre o herético Cardeal Kasper.

sol1
Notícia de capa do Semanário Sol de 31 de julho de 2015

Relativamente a Portugal, apesar de não ter sido uma questão fácil, o problema estava resolvido já no ano passado. O Cardeal Patriarca de Lisboa levou ao Sínodo da Família a posição da Igreja Portuguesa favorável à defesa do tradicional conceito de matrimónio cristão e da necessidade de proteção à família. Esperemos que a cúria romana não reacenda o incêndio.

O jornal refere que os representantes da Igreja portuguesa estavam divididos, o que de resto não surpreende quando nem mesmo Roma tem mostrado muita certeza. Uma grande parte dos bispos, maioritariamente da Região Centro, liderados curiosamente pelo bispo de Leiria-Fátima, pretendiam introduzir as heréticas inovações kasperianas na pastoral familiar. Um solução inviável pois, com muitos teólogos têm explicado, a pastoral da Igreja não pode ser contrária à sua doutrina, mas antes o reflexo da mesma.

Na hora de decidir qual o parecer que a Igreja portuguesa ia enviar para o Vaticano sobre este assunto, o bispo António Marto apresentou um documento que subscrevia a polémica visão do cardeal Walter Kasper sobre o acesso dos divorciados recasados à comunhão. Segundo esta proposta, os recasados poderiam voltar a comungar na missa após um percurso penitencial. Haveria uma análise caso a caso e uma decisão final que caberia ao bispo da diocese.

O bispo de Leiria-Fátima, que é também o vice-presidente da CEP,apresentou esta proposta detalhadamente, recebendo olhares de entusiasmo de uns e sinais de reprovação de outros. “Demorámos muito tempo com este assunto. Havia muitos a abanar a cabeça”, contou ao SOL um dos bispos presentes na reunião.

[…]

Para o cardeal [Patriarca, D. Manuel Clemente], e ao contrário do colega de Leiria-Fátima, não deve alterar-se a doutrina católica, que defende queo casamento é indissolúvel e que os divorciados que voltam a casar vivem uma situação de adultério, estando por isso impedidos de comungar a hóstia na missa. Manuel Clemente defendeu então um caminho alternativo: o da simplificação dos processos de nulidade do matrimónio. Um procedimento que já está previsto na Igreja e consiste na avaliação das condições em que foi realizado o casamento. Se ele for considerado inválido, os casais ficam livres para uma segunda união, podendo nesse caso comungar.

(in Sol, 31/07/2015)

Felizmente, a Verdade acabaria por prevalecer naquela reunião da Conferência Episcopal do verão passado. O Cardeal Patriarca, D. Manuel Clemente, esteve à altura do cargo que desempenha, defendendo a santidade e a indissolubilidade do Matrimónio.

sol2
Recorte da versão impressa do jornal Sol de 31 de julho de 2015 (D. Manuel Clemente na foto)

Quando saiu, no ano passado, esta notícia trouxe à memória de muita gente aquela meia frase enigmática que já fez correr muita tinta e não deixa que o Segredo de Fátima seja definitivamente enterrado, como muitos desejam.

Fotof-tr
Meia frase adicionada pela Ir. Lúcia, na sua 4ª Memória, de 1941, à já então conhecida mensagem de Fátima (início do 3º Segredo)

Existe ainda uma outra informação recente que deve ser considerada. Numa entrevista concedida a La voce di Padre Pio em março de 2015, o cardeal Carlo Caffarra explicou que um dia escrevera uma carta à Ir. Lúcia para lhe pedir orações. O Papa João Paulo II tinha-lhe confiado a importante tarefa de fundar o Instituto Pontifício para os Estudos sobre Matrimónio e Família. Lúcia respondeu-lhe e, nessa carta, fez algumas revelações muito esclarecedoras e interessantes que ajudam a interpretar o momento que vivemos atualmente.

O confronto final entre Deus e Satanás será sobre a família e a vida.”

“Não tenha medo, acrescentava, porque quem trabalha pela santidade do casamento e da família será sempre combatido e odiado de todas as formas, porque este é o ponto decisivo.”

“Advertia-se também, falando com João Paulo II, que este era o ponto central, porque se tocava a coluna que sustenta a Criação, a verdade sobre a relação entre o homem e a mulher, e entre as gerações. Quando se toca a coluna central, todo o edifício cai, e é isso que estamos a ver agora, neste momento, e já sabemos.”

(Revelações da Ir. Lúcia ao Cardeal Caffarra in Aleteia, 18/06/2015)

Fazendo um triangulação destes três dados, nomeadamente, a recente posição do clero português, a meia frase enigmática de Fátima e a carta do Cardeal Caffarra, podemos deduzir parte do que poderá estar encerrado dentro do famoso “etc”. Mas há-de haver, com certeza, muito mais. Esperemos que o Santo Padre se tenha deixado também inspirar por estes três detalhes antes de redigir a importante exortação apostólica.

Basto 4/2016