São necessárias mais orações pelos bispos portugueses

Os bispos portugueses continuam a necessitar das orações de todos nós. Durante esta semana, se possível ainda hoje, devemos fazer uma visita ao Santíssimo Sacramento para orar e confirmar, mais uma vez, o nosso total empenho na conservação do dogma da Fé em Portugal, o qual conduzirá o mundo ao triunfo do Imaculado Coração de Maria.

Durante esta semana, os bispos portugueses terão sido, muito provavelmente, submetidos a mais uma “suave apresentação de produtos” pastorais inovadores, durante as jornadas que decorreram em Fátima entre 19 a 21 de junho.

jornadas pastorais2.jpg
in Rádio Renascença, 19/06/2017

O tema das jornadas não podia estar mais na moda: ‘Formação da consciência e discernimento’, à luz das orientações do Papa para a família. E como toda a gente já sabe perfeitamente quais são as orientações do Papa para a família, é bastante provável que estas jornadas tenham sido orientadas no sentido da adaptação do clero português à aprovação “pastoral” do adultério e permissão de confissões e comunhões sacrílegas. As inovações radicais pretendidas para a Igreja Portuguesaestão em vigor em vários países e dioceses do mundo inteiro, ainda que se encontrem em completa contradição com a doutrina da Igreja, conforme atestou o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

jornadas pastorais
in Agência Ecclesia, 19/06/2017

A popularidade da ideologia da “nova misericórdia” é uma forte ameaça à doutrina cristã sobre o matrimónio e da família, apresentando-se, para muitos, como uma alternativa inquestionável.

As figuras de cartaz não trazem surpresas, infelizmente. Depois dos ensinamentos metodológicos de D. Lluís Sistach, no final do ano passado, os bispos portugueses tiveram agora a oportunidade de ouvir D. Carlos Osoro, o arcebispo de Madrid que foi nomeado cardeal pelo Papa Francisco I em outubro do ano passado. O outro conferencista convidado é o jesuíta argentino Humberto Miguel Yanez Molina, um académico da área da teologia moral e amigo do Santo Padre.

como aplicar amoris
Apresentação do manual “Como aplicar Amoris Laetitia do cardeal Martínez Sistach, em Madrid, in 13TV (canal da Conferência Episcopal Espanhola), 15/02/2017

Esperemos que os bispos portugueses continuem fiéis Jesus Cristo e não caiam na tentação de entrar no novo “spa” episcopal. Nossa Senhora os guarde.

Basto 6/2017

Fátima anunciada ao mundo em 1454!

Por Pedro Sinde

Trata-se de uma revelação verdadeiramente explosiva para quem se interessa pelo fenómeno de Fátima e que tem sido curiosamente ignorada em Portugal.

Documento1a_Monastero_Beata_Margherita_di Savoia_Domenicane_(Alba-Italia)
Digitalização gentilmente cedida pela autora Cristina Siccardi,
onde se refere, em 1655, descrevendo uma revelação de 1454,
que a Virgem iria aparecer em Fátima, Portugal e venceria para
sempre Satanás.

No dia 19 de Agosto de 1999, no arquivo do Mosteiro das Dominicanas de Alba são reencontrados alguns documentos do século XVII e que dizem respeito a… Fátima. Trata-se de um conjunto de documentos de diferentes proveniências em que vários testemunhos narram, por vias autónomas umas das outras e confirmando-se reciprocamente, a seguinte história:

no dia 16 de Outubro de 1454, no referido mosteiro de Alba, a Irmã Filipina de’Storgi, com fama de santidade, no leito de morte recebe a extrema-unção e a comunhão, entrando em êxtase. Durante o êxtase, a comunidade, reunida à sua volta, ouve, com espanto, a sua conversa com Nossa Senhora do Rosário, Santa Catarina de Siena, o Bem-aventurado Humberto, o Abade Guilherme de Sabóia e S. Domingos; neste colóquio são-lhe anunciados vários eventos, de uma forma muito precisa e que vieram a acontecer ao longo do tempo, tal como se nos explica no lúcido e corajoso livro de Cristina Siccardi (ver referência abaixo), estas profecias dizem respeito à família Saboia, cujo destino se cruza, em vários momentos fulcrais, com Portugal. A este assunto, tão interessante, esperamos dedicar um outro artigo.

Uma destas profecias, referida por Cristina Siccardi, prestigiada autora, menciona um certo “monstro” do oriente (que tem sido identificado, no contexto de Fátima, com o comunismo e os ‘erros da Rússia’ que se espalharam pelo mundo) que será a causa de tribulações para a humanidade, mas «que será vencido por Nossa Senhora do Rosário de Phatima» [sic!], em Portugal, «se todos os homens a invocarem com um espírito intenso de penitência» (manuscrito de 1640). Num outro manuscrito, de 1655, que resume o acontecimento de 1454, diz-se que «na Lusitânia, há uma igreja numa aldeia chamada Fatima […] e que uma estátua da Santíssima Virgem Maria preveniu sobre acontecimentos futuros extremamente graves pois Satanás fará uma guerra terrível mas perderá, porque a Santíssima Virgem Maria de Fatima, Mãe de Deus e do santíssimo rosário, ‘mais forte do que um exército formado para a batalha’ o vencerá para SEMPRE.» [ver a reprodução do manuscrito]. Esta referência à estátua leva-nos a duas sucintas considerações: uma das razões por que se realizam os Cinco Primeiros Sábados é desagravar o Coração Imaculado da Virgem por causa dos ataques às suas imagens sagradas; lembremo-nos ainda do significado mundial que teve e ainda tem a peregrinação da Virgem por todo o mundo. Este “para SEMPRE” deve-nos apontar ainda para a mensagem de Fátima, e a prometida vitória final do seu Imaculado Coração: “No final, o meu Imaculado Coração triunfará”; esta promessa incondicional conjugada com o sinal tremendo que foi o milagre do sol e este anúncio profético (à distância de 453 anos!), descoberto por Cristina Siccardi no mosteiro de Alba, aponta-nos com clareza para a ideia de que as aparições de Fátima se ligam directamente à luta apocalíptica entre a Virgem e o anjo caído que a odeia.

O que era Fátima no século XV? Sabemos que lá existia uma igreja com um convento, na zona da actual igreja paroquial; este conjunto terá sido edificado pelos monges de Alcobaça e com o apoio particular da rainha D. Mafalda, a mulher de D. Afonso Henriques. Sobre o significado desta rainha, teremos de deixar para outro artigo, dado o conjunto complexo (e maravilhoso) de relações que ligam profundamente Portugal e a casa de Sabóia. Esta igreja foi visitada no século XV por um familiar Saboia da primeira rainha de Portugal, ela mesma Saboia.

Cristina Siccardi, Fatima et la Passion de l’Église. Éditions Le Drapeau blanc, 2017.

[tradução de Fatima e la Passione della Chiesa. Milão: Sugarco, 2012]

Este texto foi publicado no jornal Diário do Minho no dia 17 de maio de 2017.

Nota da edição: o artigo acima faz parte da série “Fulgores de Fátima”, uma rubrica assinada pelo filósofo português Pedro Sinde no jornal Diário do Minho.

Basto 6/2017

Dia nacional de oração pela conservação do dogma da Fé em Portugal

castelo-de-silves
Castelo de Silves

Este miserável blogue tem registado um volume de visualizações anormalmente elevado desde a publicação do último artigo onde se noticiava que os bispos portugueses, durante esta semana, refletem sobre a exortação apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia do Papa Francisco. Este facto irrelevante ajuda a comprovar a importância que a posição da Igreja portuguesa terá neste momento de crise.

Partindo da ideia de um amigo, este blogue pede a todos os seus leitores, colaboradores e amigos, em Portugal, no Brasil e no mundo em geral para rezarem hoje o terço a Nossa Senhora do Rosário de Fátima com a intenção de que o dogma da fé sempre se conserve em Portugal. E se possível façamos uma visita ao Santíssimo Sacramento para oferecer essa intenção.

sacrario-da-se-do-porto
Sacrário da Sé do Porto

Mais cedo ou mais tarde, o Imaculado Coração de Maria acabará por triunfar. Se for mais cedo, melhor será para todos nós.

Basto 11/2016