Sacrilégio contra a Sagrada Eucaristia em Fortaleza, no Brasil

O grave incidente registado no vídeo abaixo aconteceu, há dias, durante a missa, alegadamente numa igreja da arquidiocese de Fortaleza, no Nordeste brasileiro.

As imagens do vídeo são chocantes, quer pelo grave sacrilégio ali cometido contra a Sagrada Eucaristia, quer pela quase indiferença de alguns dos presentes. São ainda um convite à reflexão sobre a nossa atitude individual no momento que atravessa atualmente a Igreja Católica, em que são promovidos tantos sacrilégios contra a Sagrada Eucaristia a pretexto de um novo e falso conceito de misericórdia. A indiferença é uma atitude inaceitável…

Voltando ao incidente reportado nas imagens, aquilo que mais choca nos satanistas (assumidos ou não) é o facto de acreditarem na real presença de Cristo na Eucaristia, talvez mais até do que grande parte dos católicos. O sentimento de ódio por algo ou alguém pressupõe o reconhecimento da sua existência.

Basto 5/2017

Celebração do 13 de maio com o Usus Antiquior

Numa diligência inusitada, a Pontifícia Comissão Ecclesia Dei concedeu a todos os sacerdotes do Rito Latino a faculdade de celebrar, no dia 13 de maio, dia de Nossa Senhora de Fátima, a Missa Vocativa da Festa do Imaculado Coração de Maria segundo a Forma Extraordinária do Rito Romano, portanto, ad orientem e com as leituras e orações do missal tradicional.

Ecclesia Dei
Decreto da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei de 05/04/2017 – Fonte: Rorate Caeli

Esta louvável diligência causa alguma perplexidade porque parece mais um incentivo do que propriamente uma autorização, uma vez que o Usus Antiquior, comummente denominado Missa Tridentina, para além de nunca ter sido ab-rogado, coabita hoje de modo pacífico na Igreja Católica, como Forma Extraordinária do Rito Romano, desde a publicação do Motu Proprio Summorum Pontificum de Bento XVI, em 2007.

Uma década depois da promulgação do Motu Proprio de Bento XVI, contrariamente ao que estabeleceu o Santo Padre, a Forma Extraordinária do Rito Romano continua ainda interdita à esmagadora maioria dos fiéis, como acontece em Portugal. E é uma pena, dada a riqueza e a beleza da Missa Tradicional, da qual derivou o Novus Ordo, a celebração da Missa na forma à qual estamos habituados. Entre outros grandes benefícios para a Igreja, a celebração contínua e frequente da Eucaristia na Forma Extraordinária seria a referência necessária para se evitarem os excessos e abusos a que assistimos hoje em muitas das Eucaristias celebradas de acordo com Forma Ordinária do mesmo rito.

O episódio protagonizado pela pontifícia comissão criada por João Paulo II e presidida pelo Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, ao ter lugar precisamente agora, no centenário das aparições de Fátima, tem de estar de algum modo relacionado com a aproximação do Triunfo do Imaculado Coração de Maria, profetizado em Fátima e desejado para breve nas orações do Santo Padre Bento XVI.

Possam os sete anos que nos separam do centenário das Aparições apressar o anunciado triunfo do Coração Imaculado de Maria para glória da Santíssima Trindade.

(Sua Santidade Bento XVI, em Fátima, a 13 de maio de 2010)

Seria uma magnífica celebração do centenário das Aparições de Fátima se todos os sacerdotes portugueses pudessem, nesse dia, proporcionar aos fiéis a celebração da Eucaristia na forma que os pastorinhos a conheciam. Mesmo que não simpatizem com o Usus Antiquior, poderiam sempre abrir uma exceção nesse dia especial e oferecer o sacrifício em honra de Nossa Senhora de Fátima. Talvez até acabassem por gostar…

Basto 4/2017

Quatro graves consequências da comunhão na mão

O que disse realmente o Santo Padre Paulo VI?

63. Nem devemos esquecer que antigamente os fiéis, quer se encontrassem sujeitos à violência da perseguição, quer vivessem no ermo por amor da vida monástica, costumavam alimentar-se mesmo diariamente da Eucaristia, tomando a sagrada comunhão com as próprias mãos, no caso de faltar um sacerdote ou diácono.

64. Isto não o dizemos para que se altere, seja no que for, o modo de conservar a Eucaristia ou de receber a sagrada comunhão, segundo foi estabelecido mais tarde pelas leis eclesiásticas ainda em vigor, mas somente para todos juntos nos alegrarmos por ser sempre a mesma a fé da Igreja.

(Papa Paulo VI, Carta Encíclica Mysterium Fidei, 03/09/ 1965)

O vídeo acima é um excerto de uma conversa entre D. Athanasius Schneider e o Pe. Mitch transmitida ao vivo no canal católico americano EWTN, no dia 9 de janeiro de 2013. A nossa vénia ao Tradutor Católico.

Basto 3/2017

Papa Francisco propõe novo exercício espiritual

Quando a multidão que recebera o Santo Padre em estado de histeria coletiva, na Sala Paulo VI, estava já confortavelmente sentada, Francisco propôs um “novo exercício espiritual”.

Vale a pena ver também o vídeo abaixo, apesar de não estar traduzido, porque permite captar melhor o entusiasmo, a auto-confiança e a convicção do Santo Padre à medida que avança no “novo exercício espiritual”.

Em 1916, na Loca do Cabeço, em Fátima, os pastorinhos aprenderam com o Anjo um exercício espiritual radicalmente diferente ao nível do nosso posicionamento perante Deus.

Ao chegar junto de nós, disse:
– Não temais! Sou o Anjo da Paz. Orai comigo.
E ajoelhando em terra, curvou a fronte até ao chão e fez-nos repetir três vezes estas palavras:
Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.
Depois, erguendo-se, disse:

– Orai assim. Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas.

As suas palavras gravaram-se de tal forma na nossa mente, que jamais nos esqueceram. E, desde aí, passávamos largo tempo assim prostrados repetindo-as, às vezes, até cair cansados.

(Ir. Lúcia do Imaculado Coração de Maria, IV Memória, 1941)

Que Deus nos ama já nós sabemos, a questão fundamental, aqui, é como corresponder ao Seu amor. Optar por permanecer amarrados ao pecado porque Ele nos ama de qualquer modo, ou porque achamos que Ele é só Misericórdia, seria equivalente chamar injusto a Deus. Temos portanto de tentar corresponder a esse grande amor com Fé, com orações e com ações. Através da verdadeira reconciliação com Ele.

A nossa posição perante o amor de Deus é aqui fundamental, até mesmo em termos físicos. Ajoelhar-se perante Deus para O adorar, quando Ele está fisicamente presente na Sagrada Eucaristia, é uma postura de humildade verdadeira e de veneração. É uma pena que o Santo Padre tenha grandes dificuldades em fazê-lo porque, desse modo, daria uma grande lição sobre o amor de Deus a toda a humanidade.

Basto 2/2017

O fim das palhaçadas litúrgicas

Esta é uma boa notícia em tempo de crise. O diretor do Secretariado Nacional da Liturgia, o Pe. Lourenço Ferreira, declarou, na sua intervenção de encerramento do 42º Encontro Nacional de Pastoral Litúrgica, que as celebrações interessadas no espetáculo são contrárias ao espírito da liturgia e concretizou.

(…) “As celebrações de bonecos e palhaços em movimento têm os dias contados, porque não procedem nem conduzem a Cristo crucificado” e os cânticos que servem para “divertir o pessoal” acabam “por espantar os fiéis”.

(…) “A mensagem de Fátima resume o espírito da liturgia: penitência e oração. Ambas devem andar juntas. Os problemas e as dificuldades da prática litúrgica podem resumir-se à difícil convivência entre a penitência e a oração”.

(in Ecclesia, 29/07/2016)

A notícia não explica, contudo, como poderá proceder a hierarquia da Igreja Portuguesa para impedir que aconteçam essas palhaçadas. Esperemos o discurso não seja uma mera intenção académica porque, infelizmente, a tendência para se fazer do Santo Sacrifício da Missa um espetáculo divertido e atrativo ganhou contornos de epidemia, e não é só em Portugal.

As palhaçadas e outros abusos, com diferentes graus de gravidade, encontram-se um pouco por todo o lado, passando pelos vários níveis da hierarquia eclesiástica.

Às vezes é mesmo assim, ao cair, precisamos de bater bem no fundo para percebermos a gravidade da nossa queda, mas estamos sempre a tempo de nos levantarmos.

E já agora podemos colocar uma questão: para quando é que o Motu Proprio “Summorum Pontificum” de Bento XVI será finalmente aplicado em Portugal? Não terão os fieis portugueses também o direito de escolher o rito através do qual desejam participar na Santa Missa? Parece que esta questão vai continuar ainda sem resposta.

 

Basto 8/2016

Ad Orientem

ad orientem
Carreño de Miranda, séc. XVII (vista parcial)

 

O Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Cardeal Robert Sarah, voltou ontem a incitar todos os padres católicos a celebrarem as Missas Ad Orientem, ou seja, de costas para o povo e olhos postos no altar. Desta vez foi mais longe, pedindo que houvesse uma preparação de modo a que essa alteração possa entrar em vigor já nas Missas celebradas a partir de 27 de novembro, primeiro Domingo do Advento.

Cardinal_Robert_Sarah
Cardeal Robert Sarah (Foto de Salefran)

Pode parecer um pedido estranho, mas está a sugerir apenas que os padres voltem a adotar a mesma prática de sempre na celebração da Santa Missa. É a ordem natural das coisas. O Cordeiro de Deus é imolado no altar e nós prostramo-nos perante a Sua presença, em reverência, primeiro o padre e depois o seu povo. É do “oriente litúrgico” que vem a Luz.

Trata-se de olhar todos juntos para a abside que simboliza o oriente onde está o trono da cruz do Senhor ressuscitado.

Com esta maneira de celebrar, experimentaremos, também com o corpo, a primazia de Deus e da adoração. Compreenderemos que a liturgia se trata em princípio de nossa participação no sacrifício perfeito da cruz.

[…]
Com frequência, o sacerdote já não celebra o amor de Cristo através do seu sacrifício, mas um encontro entre amigos, uma partilha, um momento fraterno. Ao procurar inventar liturgias criativas ou festivas, corremos o risco de um culto muito humano, à altura de nossos desejos e das modas do momento.

(Cardeal Sarah a 23/05/2016)

Esta exortação do Cardeal Sarah refere-se, evidentemente, à celebração da Missa na sua  Forma Ordinária do Rito Romano, uma vez que a Forma Extraordinária, a Missa Tridentina, é sempre celebrada Ad Orientem.

– Ganhem coragem senhores Padres, aceitem este desafio!

 

Basto 7/2016