Equipa olímpica da Santa Sé contrata dois atletas muçulmanos

migranti.jpg

Athletica Vaticana, equipa olímpica da Santa Sé, passou a integrar dois imigrantes muçulmanos de origem africana.

migranti.jpg
in Il Messaggero, 08/03/2018

Devem ter ficado tão surpreendidos quanto nós pelo facto de a Santa Sé possuir uma equipa olímpica.

Basto 3/2018

Vaticano publica “remake” do vídeo sacrílego de janeiro de 2016

janeiro...

Em janeiro de 2016, o Vaticano chocou alguns católicos com a publicação de um vídeo sacrílego onde a imagem do Menino Jesus aparecia equiparada a símbolos de crenças não cristãs e onde o Santo Padre explicava que “muitos […] procuram ou encontram Deus de diversas maneiras“, inclusivamente através da confiança “em Buda”.

Este vídeo dava início a uma série catequética repleta de exotismo onde, logo no mês seguinte, o Santo Padre continuava que “precisamos de uma conversão que nos una a todos“. Conversão a quê?

fevereiro...

Uma conversão universal ao cristianismo ambientalismo?

Quase dois anos depois, o Vaticano resolveu agora, neste mês de novembro, lançar uma versão light do vídeo sacrílego de janeiro de 2016. Nesta nova versão, as partes graficamente mais abusivas e ultrajantes em relação a Nosso Senhor Jesus Cristo foram retiradas e substituídas por beijinhos e abraços, mantendo-se contudo o mesmo guião pautado pela indiferença sincretista do versão anterior.

Vídeo do Papa Nº1 – 01/2016 – versão original

Vídeo do Papa Nº1 v2 – 11/2017 – nova versão light

Não se conhecem ainda as razões que terão levado a produtora a fazer uma nova versão deste vídeo. Talvez tenha sido por uma questão de respeito pelas pessoas mais sensíveis. Nesta necessidade de diálogo é necessário demonstrar algum respeito também por aqueles que ainda acreditam.

Basto 11/2017

Católicos expulsos de igreja em Paris

Mais um grupo de fiéis foi forçado a sair de uma igreja católica. Desta vez foi em França, na Igreja de Nossa Senhora dos Mantos Brancos de Paris, no passado dia 31 de outubro. Os jovens interromperam um serviço dito ecuménico através da recitação de um rosário de reparação enquanto uma sacerdotisa protestante performizava ritos estranhos em frente ao altar principal.

Basto 11/2017

Católicos expulsos de catedral em Bruxelas

No dia 28 de outubro último, a Catedral de São Miguel e Santa Gúdula, em Bruxelas (Bélgica), recebeu uma celebração “ecuménica” de comemoração da revolta protestante que há 500 anos dilacerou a Igreja. Um grupo de jovens católicos interrompeu a profanação da catedral recitando o rosário.

Foram arrastados para fora da igreja.

catedral.bélgica.jpg

catedral.bélgica3.jpg

Convém lembrar que, 500 anos depois da revolta lançada pelo herege Martinho Lutero, excomungado pelo Papa Leão X, as seitas protestantes mantêm as suas heresias, tendo até evoluído em divergência relativamente à doutrina e às práticas católicas. De facto, se existe hoje alguma aproximação entre a Igreja fundada por Cristo e as seitas inspiradas em Lutero, esse movimento verifica-se apenas do lado da Igreja Católica, uma vez que os protestantes continuam bastante fiéis às suas heresias e heterodoxias.

Basto 10/2017

Buda e Nossa Senhora da Conceição Aparecida juntos pela paz

aparecida.buda2

Neste mês em que se celebra o tricentenário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, a imagem da padroeira do Brasil foi “reverenciada” ao lado de Buda. Aconteceu no passado dia 28 de outubro, no mosteiro Fo Guang Shan, em São Paulo, contando com ilustres representantes da Igreja Católica local que concelebraram esse momento ao lado de sacerdotisas pagãs.

Em virtude dos 300 anos da Padroeira do Brasil, a imagem de Nossa Senhora Aparecida será acolhida solenemente no templo budista, por meio do reitor do Santuário Nacional, padre João Batista de Almeida, demonstrando o cuidado maternal de Maria para o diálogo entre seus filhos.

O encontro que tem o objeto de ressaltar a necessidade de um esforço comum para manter a paz em beneficio da vida, vai contar com a presença da Reverenda Mestra Miao Yen, Abadessa Geral do Templo Fo Guang Shan para América do Sul, do Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, do bispo diocesano de Osasco (SP), Dom João Bosco Barbosa de Souza e do padre José Bizon, responsável pelo ecumenismo e diálogo inter-religioso na Arquidiocese de São Paulo.

(in sítio oficial do Santuário Nacional de Aparecida)

aparecida.buda.jpg

Como justificação para esta cerimónia católico-pagã que colocou a Mãe de Deus aos pés de Buda, a página do Santuário Nacional de Aparecida remete para os ensinamentos do Papa Francisco sobre a “indiferença” e sugere a visualização do sacrílego vídeo publicado pelo Vaticano em janeiro de 2016.

confio.em.buda.jpg
Intenções de oração do Papa Francisco em janeiro de 2016 – in Série “Vídeo do Papa”

Basto 10/2017

Os “frutos” do ecumenismo = protestantismo

lutero.vermelho
Estátua do herege Martinho Lutero homenageada no Vaticano no dia 13 de outubro de 2016

 

Por Christopher A. Ferrara

O importante blogue de Sandro Magister fornece-nos algumas informações relevantes acerca dos efeitos inteiramente previsíveis dos cinquenta anos de “ecumenismo” e “diálogo ecuménico”: os católicos tornaram-se protestantes de facto, enquanto os protestantes não só permaneceram exatamente onde estavam como até estão mais liberais do que nunca.

Como conta Magister: “Está a acontecer cada vez mais que as crianças protestantes do norte da Europa que visitam Roma são levadas pelos seus professores a participar numa Missa católica para verem como é e para receberem tranquilamente a comunhão”. E ninguém está disposto a detê-los porque isso não seria “ecuménico”.

Magister observa que a crescente prática de intercomunhão sacrílega é “o efeito de uma corrida crescente entre as duas religiões em direção ao fundo na mentalidade de muitos protestantes e católicos da Europa e da América…” Ele cita os dados fornecidos pelo Pew Research Center da Universidade de Georgetown, os quais fornecem confirmação empírica da protestantização virtual de católicos que, como como protestantes liberais que efetivamente se tornaram – pelo menos nas suas atitudes -, já não aceitam qualquer ensinamento da Igreja que não vá ao encontro da sua aprovação pessoal.

Assim, o Pew Center relata: “Nos Estados Unidos, 65% dos católicos e 57% dos protestantes dizem que estão convencidos de que as semelhanças superam as diferenças entre as respetivas religiões”. Esse é um estado de coisas absurdo, dado o afastamento radical da moral, mesmo básica, nas principais denominações protestantes, que toleram não só o divórcio e a contraceção, mas também o aborto, o “casamento gay” e a “ordenação” de mulheres.

Do mesmo modo, “na Europa ocidental também, mais de metade dos protestantes e católicos pensam da mesma maneira. Com picos de 78% entre os protestantes da Alemanha, de 67% entre os católicos da Holanda e de 64% entre os católicos da Áustria. Mas mesmo entre os católicos da Itália, são mais aqueles para quem as semelhanças prevalecem: 47% contra 41%.”

O que está a acontecer pode ser comparado à tendência para o equilíbrio térmico que ocorre quando um espaço quente e protegido se abre ao frio exterior. O espaço protegido assume gradualmente a temperatura externa ou, pelo menos, aproxima-se. Assim, a venerada “abertura ao mundo” no Concílio Vaticano II produziu um arrefecimento do zelo apostólico entre os fiéis, a maioria dos quais, é seguro dizê-lo, agora acredita que não há nada fortemente errado com o protestantismo nem nada fortemente urgente em ser um membro da Igreja Católica.

Curiosamente, no entanto, os dados mostram também uma espécie de mistura de efeitos “térmicos” numa bolsa atitudinal dos espaços católico e protestante. Como observa Magister, “naquilo que foi durante séculos um dos fatores mais fortes da divisão, a convicção protestante de que a salvação é obtida sola fide [somente pela fé], enquanto que para a fé católica deve ser acompanhada de obras, o pêndulo balançou a favor da última. Quase em todo o lado, ou seja, mesmo entre os protestantes, a maioria pensa que a fé e as obras são ambas necessárias”.

Então, escreve Magister, depois de meio século de diálogo “ecuménico”, “o sola fide luterano encontra também um significativo número de apoiantes entre os católicos: na Itália e na Alemanha, um quarto dos católicos defendem-no, enquanto no Reino Unido, na França e na Suíça são um terço.” Por outras palavras, se os dados são precisos, um número substancial de católicos são agora mais protestantes na sua crença quanto à necessidade de boas obras para a salvação do que a maioria dos protestantes.

Este desenvolvimento foi certamente encorajado pelo Papa Francisco que, durante uma das suas descomprometidas conferências de imprensa aeronáuticas, opinou que “hoje luteranos e católicos, protestantes e todos, estamos de acordo sobre a doutrina da justificação. Sobre este ponto, que é muito importante, ele [Lutero] não errou.” Mas é claro que Lutero errou e sua heresia sola fide foi anatematizada pelo Concílio de Trento. E é claro que a Igreja Católica não “concorda” com Lutero sobre a justificação apenas pela fé, mesmo que muitas pessoas católicas o façam graças aos efeitos negativos do “ecumenismo”.

Mais uma vez, vemos precisamente porque Pio XI proibiu qualquer participação católica no “movimento ecuménico” que surgiu das seitas protestantes na década de 1920. Ele previu, naquela altura, o que hoje vemos diante de nós: que o “ecumenismo” é apenas um “afago” enganoso que esconde um plano segundo o qual a Igreja Católica seria induzida a aceitar os protestantes, tal como são, ao mesmo tempo que suaviza e até suprime a sua própria doutrina durante o “diálogo ecuménico” para não ofender os “parceiros de diálogo” protestantes, incluindo os apatetados anglicanos que agora ordenam mulheres “sacerdotisas” e “bispas” e celebram “casamentos gay”.

Tal é o estado de coisas do qual Nossa Senhora de Fátima irá inevitavelmente livrar a Igreja, logo que os seus líderes obedeçam aos seus pedidos, desencadeando um milagre de graça divina pelo qual a Igreja será restaurada, tal como foi restaurada depois de cada uma das crises na sua história.

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 6 de outubro de 2017. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. Sempre que possível, deve ser lido na sua edição original. A imagem foi adicionada na presente edição, não fazendo parte da publicação original.

Basto 10/2017

O resultado do ecumenismo: apostasia

serviço dde homenagem a lutero
Bispos e bispas no serviço religioso luterano-católico de homenagem ao herege excomungado Martinho Lutero, em Lund (Suécia) a 31 de outubro de 2016, in ELCA, 31/10/2016

 

Por Christopher A. Ferrara

Como foi noticiado pela Gloria TV (citando a orf.at), o arquimodernista cardeal Walter Kasper, cuja falsa noção de “misericórdia” animou todo o projeto da Sagrada Comunhão para adúlteros públicos, acaba de declarar que “hoje em dia não há mais diferenças significativas entre cristãos protestantes e católicos…”

Compreensivelmente, essa observação provocou indignação entre os católicos ortodoxos, porém, após uma reflexão, reconhecer-se-á que é meramente uma afirmação do óbvio. Ou seja, hoje em dia, como mostram consistentemente os estudos de opinião, a generalidade dos católicos são efetivamente protestantes em termos de adesão ao ensino da Igreja sobre fé e moral, particularmente em questões relativas à moral sexual, incluindo a aceitação do aborto em “alguns casos“. Pior ainda, no que diz respeito ao casamento e à homossexualidade, hoje, o católico comum é ainda mais liberal do que os protestantes evangélicos mais conservadores, cuja Declaração de Nashville, que discuti no meu último artigo, certamente não receberia aprovação da maioria dos católicos. Por exemplo, como o Life Site News informa, “dois em cada três católicos – uns extraordinários 67% – responderam à Pew Poll Surveyors que agora apoiam o “casamento gay”.

Essa “conversão” de católicos, na prática, ao protestantismo liberal era eminentemente previsível. Foi, de facto, predita pelo Papa Pio XI na sua condenação ao “movimento ecuménico” de origem protestante na década de 1920. Ao proibir qualquer participação católica nesse movimento subversivo, Pio XI lançou este aviso na sua histórica encíclica Mortalium animos (1928):

Esta iniciativa é promovida de modo tão ativo que, de muitos modos, consegue para si a adesão dos cidadão e arrebata e alicia os espíritos, mesmo de muitos católicos, pela esperança de realizar uma união que parecia de acordo com os desejos da Santa Mãe, a Igreja, para Quem, realmente, nada é tão antigo quanto o reconvocar e o reconduzir os filhos desviados para o seu grémio.

Na verdade, sob os atrativos e os afagos destas palavras oculta-se um gravíssimo erro pelo qual são totalmente destruídos os fundamentos da fé.

O erro em questão é o de reduzir as diferenças entre católicos e protestantes a questões meramente discutíveis, que são postas de lado em favor do “diálogo ecuménico” baseado em verdades supostamente mais fundamentais. Como Pio XI explicou:

Assim, dizem, é necessários colocar de lado e afastar as controvérsias e as antiquíssimas variedade de sentenças que até hoje impedem a unidade do nome cristão e, quanto às outras doutrinas, elaborar e propor uma certa lei comum de crer, em cuja profissão de fé todos se conheçam e se sintam como irmãos, pois, se as múltiplas igrejas e comunidades forem unidas por um certo pacto, existiria já a condição para que os progressos da impiedade fossem futuramente impedidos de modo sólido e frutuoso.

Por outras palavras, o “movimento ecuménico” levaria inexoravelmente à aceitação católica de uma forma de cristianismo de menor denominador comum, sendo o denominador determinado pelo implacável declínio moral e espiritual das seitas protestantes cujos adeptos não estão minimamente interessados em submeter-se à autoridade do Papa e do Magistério.

No entanto, ignorando o alerta previdente de Pio XI, as forças progressistas no Concílio Vaticano II conseguiram obter o aval do Concílio precisamente em relação ao “movimento ecuménico” por meio do documento conciliar Unitatis redintegratio, que aprova abruptamente a participação católica no próprio movimento que Pio XI tinha condenado apenas 25 anos antes. O que se seguiu foi a pletora de encontros “ecuménicos”, liturgias e outros gestos que colocaram a Igreja Católica em pé de igualdade com as seitas protestantes que surgiram para negar não só verdades reveladas mas até mesmo os preceitos da lei natural a respeito do casamento, da procriação e da santidade da vida humana em todas as suas fases.

E agora vemos o resultado final desse desastroso erro de julgamento prudencial, tal como foi previsto por Pio XI:

Assim sendo, é manifestamente claro que a Santa Sé, não pode, de modo algum, participar de suas assembleias e que, aos católicos, de nenhum modo é lícito aprovar ou contribuir para estas iniciativas: se o fizerem concederão autoridade a uma falsa religião cristã, sobremaneira alheia à única Igreja de Cristo.

Ironia das ironias, hoje, os protestantes mais conservadores (como os do Sínodo Luterano do Missouri) não querem nada com a busca louca do “ecumenismo católico” do Vaticano com denominações protestantes de orientações completamente degeneradas, incluindo os apatetados anglicanos, precisamente porque esses protestantes mais conservadores rejeitam o indiferentismo religioso que o “ecumenismo” implica.

O resultado final do “ecumenismo” – e de facto toda a “abertura ao mundo” que se seguiu ao Vaticano II – foi descrita por João Paulo II na sua exortação apostólica sobre o estado da Fé na Europa, ainda ele nunca tenha admitido a culpa da própria liderança da Igreja na ruinosa adoção daquilo que Pio XI havia condenado. Citando João Paulo II: “A cultura europeia dá a impressão de uma «apostasia silenciosa» por parte do homem saciado, que vive como se Deus não existisse.” Mas poderia João Paulo II não ter conseguido reparar no papel dos próprios líderes da Igreja na renúncia programática à função divinamente designada da Igreja como única arca da salvação, encorajando os membros do seu próprio bando a abandonar o navio?

Quando é que os líderes da Igreja irão admitir que o último meio século de experimentação na novidade tem sido um desastre total, produzindo a pior crise na história da Igreja? Apenas quando o Imaculado Coração de Maria triunfar depois da Consagração da Rússia em obediência à ordem divina.

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 15 de setembro de 2017. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. Sempre que possível, deve ser lido na sua edição original. As citações incluídas neste artigo estão apresentadas na tradução oficial do Vaticano. A imagem foi adicionada na presente edição, não fazendo parte da publicação original.

Basto 9/2017

A nova pastoral do críquete

Há dias, meio a brincar, admitimos aqui a possibilidade de tentar aprender a jogar críquete, mas, neste dias, a realidade ultrapassa os nossos próprios devaneios… A Santa Sé já possui uma equipa masculina de críquete para “enfrentar muçulmanos, hindus e também anglicanos” e pretende atrair ainda freiras para esta missão.

críquete.vaticano
“Equipa de São Pedro” (clube de críquete da Santa Sé) – AFP 2013

O objetivo destes padres e seminaristas de Roma, uma espécie de missionários modernos, não é bem levar a Boa Nova aos gentios, mas antes proporcionar o “encontro” com eles, mais concretamente, encontros de críquete. Nestes encontros, Jesus Cristo, o nosso Deus, é tão respeitado como todas as outras divindades pagãs ali representadas, acabando por funcionar como mero fator de diferenciação emblemática entre todos os que adoram o críquete.

diversas maneiras
Intenções de oração do Santo Padre em janeiro de 2016 – Vídeo do Papa

Como estamos na celebração do Centenário das Aparições, esta gente, movida por uma espiritualidade moderníssima, resolveu associar-se às celebrações de Fátima através da realização de um torneio de críquete inter-religioso…

críquete.renascença
Rádio Renascença, 19/04/2016

Já tivemos outras iniciativas pastorais semelhantes e, honestamente, isto até podia ter sido bem pior…

críquete.tvi24
TVI24, 22/04/2017

Talvez estes padres e seminaristas, amantes do críquete, não tenham reparado que a mensagem de Fátima é, na verdade, um apelo urgente à conversão. Mas conversão a quê? O “encontrismo”, ao desvalorizar Jesus Cristo, o único caminho de salvação, não pode ser um fé muito fiável.

Basto 4/2017

“São” Martinho Lutero aparece no Vaticano

Ferrara02

Por Christopher A. Ferrara

A Irmã Lúcia de Fátima não estava a ser melodramática quando falou de “desorientação diabólica” na Igreja, à luz do Terceiro Segredo. Se essa frase não descreve os quase quatro anos do atual pontificado até agora, então as palavras perderam o seu significado.

Na sua totalidade, o mundo católico sabe agora que no dia 13 de outubro de 2016, no aniversário do Milagre do Sol em Fátima, o Papa Francisco ignorou Nossa Senhora e, em alternativa, comemorou Martinho Lutero perante uma audiência de luteranos numa “peregrinação ecuménica” na Sala de Audiências Paulo VI.

O grupo luterano, oriundo da Alemanha, era liderado por falsos clérigos luteranos, incluindo uma mulher de luterana em vestes clericais que parecia pensar que era uma bispa. Francisco parece pensar assim também, ao cumprimenta-la calorosamente com os outros falsos bispos luteranos, a quem ele se referiu explicitamente como bispos. Durante o evento, uma estátua do arco-herege partilhou o palco com Francisco – acrescentando mais um escândalo sem precedentes aos anais da tumultuada época pós-conciliar.

A audiência com luteranos fazia parte da preparação para a espantosa viagem de Francisco à Suécia, de 30 a 31 de outubro, onde irá “comemorar” a “Reforma” que destruiu a unidade da cristandade. Francisco vai participar num “serviço de oração” ecuménico com alguns dos falsos clérigos luteranos que aparentemente presidem a “Igrejas Luteranas” dentro da Federação Luterana Mundial. Estes órgãos, como é claro, são as organizações meramente humanas que devem a sua origem a um maníaco inimigo da Igreja e do papado que violou os seus votos sacerdotais, casou-se com uma freira, era um bêbado insolente, e foi excomungado depois de despejar uma corrente de erros infalivelmente anatematizados pelo Concílio de Trento.

É inconcebível que um Pontífice Romano pudesse, de algum modo, honrar a memória e o “legado” ruinoso daquele que foi o maior herege na história da Igreja Católica. Pior ainda, no entanto, é a aparente indiferença de Francisco perante a condição espiritual dos luteranos, que se encontram sem sacerdócio válido e, portanto, sem o sacramento da confissão ou a Sagrada Eucaristia.

A esse respeito, a audiência de 13 de outubro, sobre a qual escrevi extensivamente noutro sítio, é notável por esta declaração de Francisco à sua audiência luterana, referindo-se à correta abordagem perante as pessoas que não professam qualquer religião:

O que devemos dizer para convencê-los? Ouçam! A última coisa que devemos fazer é dizer: Você deve viver como um cristão – escolhido, perdoado e crescendo em virtude [in cammino, fig.]. Não é correto [lecito] convencer alguém com a sua fé. Proselitismo é o grande veneno contra o caminho do ecumenismo [aplausos].

A denúncia do “proselitismo” que, no claro entendimento de Francisco, significa qualquer tentativa de persuadir os outros com as verdades do cristianismo, significaria, na prática, o abandono da atividade missionária da Igreja em favor de um vago “testemunho” sob a forma de boas obras. Se os Apóstolos, bem como os grandes santos e corajosos missionários que os seguiram geração após geração, tivessem adotado a visão de Francisco sobre a missão da Igreja, a Igreja nunca teria convertido o mundo e talvez tivesse morrido em Jerusalém.

Pois, como ensina São Paulo: “Portanto, a fé surge da pregação, e a pregação surge pela palavra de Cristo (Rm 10:17).” Neste sentido, no seu Juramento contra o Modernismo – abandonado após o Concílio Vaticano II – o Papa São Pio X exigia a todos os clérigos católicos e teólogos que afirmassem que a fé é o verdadeiro assentimento do intelecto a uma verdade recebida de fora ex auditum [pela pregação], pelo qual, confiantes na sua autoridade supremamente verdadeira, nós cremos em tudo aquilo que, pessoalmente, Deus, criador e senhor nosso, disse, atestou e revelou.

É portanto um absurdo exigir aos católicos que se abstenham de qualquer esforço para convencer os outros na Fé. Mas deixando de lado esse disparate, como podemos compreender a noção de que os luteranos sentados diante de Francisco na sala de audiências, privados dos sacramentos da Confissão e da Santa Comunhão, são todavia “escolhidos, perdoados e crescendo em virtude”? Como podem eles ser escolhidos, perdoados e crescendo em virtude sobrenatural sem os sacramentos que Cristo instituiu para a salvação das almas? E se eles podem ser, então que utilidade terão os sacramentos para alguém? Eles seriam simplesmente supérfluos.

Como o Concílio de Trento declarou infalivelmente:

CÂNONE IV – Se alguém disser que os sacramentos da Nova Lei não são necessários para a salvação, mas supérfluos; e que sem eles ou sem o desejo deles, só pela fé os homens alcançam de Deus a graça da justificação — ainda que nem todos [os sacramentos] sejam necessários para cada um — seja anátema.

Mas parece que, para Francisco, os sacramentos são supérfluos e que os luteranos estão corretos na sua crença herética “uma vez salvo, salvo para sempre” – apenas pela fé. Ou então Francisco pensa que os luteranos, de alguma forma, possuem os sacramentos da Confissão e da Sagrada Comunhão sem um sacerdócio válido para os ministrar.

Em qualquer dos casos, temos um Papa que parece pensar que a adesão à Santa Igreja Católica não é verdadeiramente importante para a salvação das almas e que os luteranos são salvos em “igrejas” que toleram, não só o divórcio, a contraceção e o aborto em casos “complicados”, mas também a “ordenação” de mulheres e o “casamento” de homossexuais.

O que se pode dizer de um Papa que homenageia Lutero em vez de Nossa Senhora precisamente no aniversário do Milagre do Sol, e que diz a uma audiência de luteranos que eles podem ser “escolhidos” e “perdoados” sem a ajuda da mesma Igreja da qual Lutero foi assumidamente um inimigo? Podemos dizer que testemunhamos agora aquela crise que Nossa Senhora profetizou no Terceiro Segredo de Fátima, aquela preciosa mensagem-advertência ao mundo, a qual foi por Ela autenticada, de forma inquestionável, através do Milagre do Sol. Agora é o tempo que Ela previu.

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 19 de outubro de 2016. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do artigo acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. Sempre que possível, deve ser lido na sua edição original.

Basto 10/2016

Francisco proclama novo pecado: o “pecado contra o ecumenismo”

Ferrara02

Por Christopher A. Ferrara

Durante a sua viagem à Geórgia, um seminarista perguntou ao Papa Francisco “como podem católicos da Geórgia promover melhores relações com os ortodoxos.” A sua resposta ilustra como a novidade do “ecumenismo” tem debilitado, quase totalmente, a Igreja Militante:

Deixemos as coisas que são abstratas para os teólogos estudarem. O que devo eu fazer com um amigo que é ortodoxo?… Esteja aberto, seja um amigo… Nunca deve fazer proselitismo aos ortodoxos. Eles são nossos irmãos e irmãs, discípulos de Jesus Cristo, porém situações históricas complexas fizeram-nos assim… Amizade. Caminhar juntos, orar uns pelos outros, e fazer obras de caridade juntos quando se pode. Isto é o ecumenismo.

Portanto, o ecumenismo significa “ser amigo” e fazer boas obras juntamente com não-católicos, incluindo os ortodoxos cismáticos. Tudo o resto é apenas doutrina “abstrata” que os teólogos podem contornar enquanto o “ecumenismo” continua a sua marcha inexorável para lugar nenhum.

Contudo, a primazia do Papa como chefe da Igreja universal, que os ortodoxos rejeitam, não é uma abstração. É a vontade do próprio Deus que fundou a Igreja sobre a rocha de Pedro.

O dogma católico da absoluta indissolubilidade do casamento, para o qual os ortodoxos criaram exceções farisaicas convenientes, permitindo segundos e até terceiros “casamentos”, não é uma abstração. É a vontade de Cristo sobre uma realidade ontológica resultante de uma união sacramental.

A doutrina católica sobre o Purgatório, que os ortodoxos rejeitam, não é uma abstração. É uma verdade revelada sobre uma etapa da existência após a morte, que a Igreja Católica tem ensinado infalivelmente ao longo dos séculos.

O dogma católico do pecado original como consequência da culpa herdada de Adão, que os ortodoxos rejeitam, sustentando que somente a pena de morte é herdada, não é uma abstração. É uma verdade sobre a condição de queda do homem e sua necessidade de redenção.

O dogma católico da Imaculada Conceição, que os ortodoxos rejeitam porque também rejeitam a doutrina católica sobre o pecado original, não é uma abstração. É uma verdade revelada sobre a condição única da Virgem Maria entre toda a humanidade.

Finalmente, o mal do cisma e a necessidade, para a salvação, de “retorno à única e verdadeira Igreja de Cristo dos que dela estão separados” não é uma abstração. É uma verdade de Fé da qual depende o destino eterno das almas.

O próprio Nosso Senhor declarou: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” É a verdade que nos salva. Não o ecumenismo, a amizade ou mesmo as boas obras. Pois é por ouvir a verdade e pelo assentimento a essa mesma verdade que alguém recebe a graça da justificação. Assim fez o Papa São Pio X ao exigir dos seminaristas católicos, padres e teólogos o Juramento contra o Modernismo, que declara:

Estou absolutamente convicto e declaro sinceramente que a fé não é um cego sentimento religioso que emerge da obscuridade do subconsciente por impulso do coração e inclinação da vontade moralmente educada, mas o verdadeiro assentimento do intelecto a uma verdade recebida de fora “ex auditum” [pela pregação], pelo qual, confiantes na sua autoridade supremamente verdadeira, nós cremos em tudo aquilo que, pessoalmente, Deus, criador e senhor nosso, disse, atestou e revelou.

 

Mas o Juramento contra o Modernismo foi abandonado após o Concílio Vaticano II, juntamente com a oposição da Igreja ao próprio modernismo.

Hoje, em nome do ecumenismo – um neologismo desprovido de significado concreto – as verdades da nossa religião foram substituídas por sentimentos enquanto a doutrina é posta de lado, até mesmo pelo Papa, como uma mera abstração para os teólogos para debaterem no seu lazer.

Como Francisco declarou na Geórgia: “Existe um pecado muito grave contra o ecumenismo: o proselitismo. Nunca devemos fazer proselitismo aos ortodoxos! “Um pecado contra o “ecumenismo“? Como pode uma novidade completamente desconhecida na vida da Igreja, antes de 1962, que emergiu de um movimento protestante condenado por Pio XI em 1928, ser tratado agora como se fosse um princípio de fé divina e católica? Tal é a crise que a Igreja agora enfrenta, nunca testemunhou nada semelhante anteriormente.

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center no dia 5 de outubro de 2016. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do artigo acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. Sempre que possível, deve ser lido na sua edição original.

Basto 10/2016

A União Europeia das religiões – um projeto sem pernas para andar

IpE_it
Movimento “Juntos pela Europa” – Cartaz do encontro deste ano na Baviera (Alemanha)

“500 anos de divisão bastam – A unidade é possível!”

Nem que para isso tenhamos de renunciar à nossa Fé?

A unidade é possível somente através da conversão e do retorno à Fé verdadeira. A unidade na aceitação mútua do erro está condenada ao fracasso. Aceitar que cada denominação cristã cismática tem uma perspetiva e um carisma tão válidos como a doutrina católica, baseada na Revelação e na Tradição, é uma heresia inaceitável para um verdadeiro cristão. Os católicos deviam demarcar-se claramente destas coisas, a unidade autêntica é aquela que se integra dentro da Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Tudo o que vai para além disso, tem mais a ver com ideais maçónicos do que propriamente com a doutrina católica.

ideais da revolução francesa
Ideais da Revolução Francesa

“Juntos pela Europa” – “Quem somos?”

[…]

Apesar das grandes diferenças de proveniência e de História, agora somos amigos e estamos ligados por uma colaboração fraterna.

[…]

A Europa, unida numa diversidade reconciliada, concretiza a civilização da convivência, de que o mundo precisa.

[…]

Hoje, decididamente, queremos afirmar que a nossa fraternidade está ao serviço da unidade e da paz da Europa e de toda a família humana.

[…]

Que o nosso viver juntos entre europeus, seja sinal de liberdade, justiça e solidariedade.

[…]

(in juntospelaeuropa.pt)

Aqueles que defendem que este é o caminho, o qual, mais do que a unidade, valoriza a aceitação da separação, enaltecendo-a, estão enganados. Só há uma Igreja verdadeira, aquela que foi fundada pelo Próprio Cristo e que manteve a sua integridade através da sucessão apostólica.

Como se o motivo da festa não fosse, em si, suficientemente indigesto para os fieis católicos, olhamos depois também para a elucidativa lista de “piedosos” convidados. Entre outros, lá estão sempre os cromos do costume, aqueles que se acham mais misericordiosos do que o próprio Cristo e que têm um projeto para a Igreja alternativo ao do próprio Deus.

cromos do costume
in together4europe.org

Isto é quase como ver Jean Monnet, Jacques Delors, Robert Schuman, e outros que tais, usarem hábito religioso. O papel da religiões é central na idealização da Nova Ordem Mundial, um projeto que nunca poderá chegar muito longe.

Basto 7/2016

Guardar

Guardar