Travesti Conchita Wurst regressa à Catedral de Viena, na Áustria

conchita.jpgD. Cristoph Schönborn, grande adepto das novas doutrinas do Papa Francisco relativas ao adultério e ao homossexualismo, voltou a ceder a sua Catedral de Santo Estêvão, em Viena (Áustria), aos militantes e simpatizantes do movimento LGBT, no passado dia 1 de dezembro, para a celebração do Dia Mundial de Luta Contra a SIDA.

A estrela de cartaz voltou a ser o famoso travesti austríaco Thomas Neuwirth (mais conhecido por Conchita Wurst ou “a mulher barbuda”), vencedor do Festival Eurovisão da Canção em 2014. Desta vez não foi o pregador, mas o solista que cantou ao som do órgão de tubos da catedral.

Basto 12/2019

 

Giovanni.Bellini
Giovanni Bellini, 1475-1479.

Ao vê-lo, caí como morto, a seus pés. Mas Ele colocou a mão direita sobre mim, dizendo: «Não tenhas medo! Eu sou o Primeiro e o Último; aquele que vive. Estive morto; mas, como vês, estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da Morte e do Abismo! (Ap 1, 17-18)

Basto 04/2019

Papa Francisco: “testemunhar é romper um costume”

E isso – explica o Santo Padre – “atrai” pessoas “e faz a Igreja crescer”…

Talvez seja essa a razão pela qual o Santo Padre tanto se esforça por romper os costumes da Igreja Católica. É que, de facto, isso tem agradado às pessoas, dentro e fora da Igreja.

Basto 11/2018

Oremos juntos.

Neste dia de aniversário do Milagre do Sol, pedimos aqui a Nosso Senhor Jesus Cristo que tenha compaixão por esta família neste momento de profunda dor e, por intermédio de Nossa Senhora de Fátima, conceda o milagre que tanto necessitam.

Luke.jpg

Quem viaja pela internet à procura de respostas para determinadas questões acaba sempre por se cruzar com outras pessoas que andam à procura do mesmo, estabelecendo sempre algum tipo de relação. Na sua grande maioria, as relações que estabelecemos no mundo virtual acabam por ser efémeras, fruto das circunstâncias, mas há sempre uma ou outra que perduram e até crescem. Foi exatamente isso que me aconteceu na relação com o Luke, um neozelandês com quem me cruzei virtualmente pela primeira vez, há cerca de cinco anos, na caixa de comentários de um blogue cristão e com quem, mais tarde, passei a trocar alguma correspondência via email.

Eu nunca lhe tinha visto o rosto, mas sempre percebi que do outro lado do mundo estava um homem bom e com uma fé extraordinária. Na verdade, a primeira vez que lhe vi o rosto foi na foto acima, que foi retirada de um pedido de ajuda recentemente lançado online por uma cunhada sua.

Luke vive na Nova Zelândia, a cerca de 20 000 km de Portugal, mas conhece melhor a mensagem de Fátima do que eu e do que a esmagadora maioria dos portugueses, praticando-a de uma forma fiel e apaixonada. Esteve em Fátima apenas uma vez em toda a sua vida, durante uma peregrinação da Fraternidade Sacerdotal São Pio X (FSSPX), da qual guarda a recordação como um tesouro.

A sua família vive a doutrina católica de uma forma pura, dedicada e cada vez mais rara entre os cristãos. No ano passado, por exemplo, fez um grande esforço financeiro para proporcionar à sua filha mais velha e à sua esposa a participação na Peregrinação Internacional da FSSPX a Fátima durante o Centenário das Aparições. Para vergonha minha enquanto português, foram recebidas no parque de estacionamento do Santuário.

Luke descobriu em setembro que tem um cancro pancreático em fase terminal, não sabendo se durará mais alguns meses, semanas ou apenas dias. Diz que se sente como um velhote e não tem força física para mais do que ir à missa diária. Já recebeu a extrema-unção e sente-se em paz, junto da sua família, como só alguém com uma fé extraordinária conseguiria estar neste momento. Preparado para deixar a sua bela esposa, as suas oito magníficas filhas e o filho bebé que nasceu em março deste ano. Desenganado pelos médicos, as suas orações orientam-se agora mais no sentido de obter uma hora feliz do que uma cura, mas diz que ficaria muito contente com um milagre porque lhe custa muito deixar a sua jovem família.

O pedido de ajuda lançado pela cunhada era inicialmente destinado a financiar eventuais despesas de tratamentos médicos, no entanto, se estes não se realizarem, o montante será para patrocinar as despesas da não cura e o restante será para acabar as obras iniciadas na casa da família antes de surgir esta provação.

Daqui faço um apelo à generosidade de cada um para que façam um donativo, por mais pequeno que seja, para ajudar a levantar o ânimo desta família e para que unam as vossas orações às nossas por um milagre para o nosso irmão Luke.

https://givealittle.co.nz/cause/luke-and-josephine-nyssen

For my friend and brother in Christ Luke.

Basto 10/2018