Presidente ucraniano foi ao Santuário de Fátima rezar pela paz

poroshenko
Petro Poroshenko e a sua esposa Maryna Poroshenko no Santuário de Fátima no dia 18 de dezembro de 2017 in Página Oficial da Presidência Ucraniana, 18/12/2018.

Enquanto alguns conservadores, desiludidos com os excessos da era moderna ocidental, continuam a acreditar nas fábulas do bem-aventurado Vladimir Putin, à espera que o “grande monarca” eslavo venha salvá-los da podridão civilizacional, o presidente ucraniano, à margem da sua visita oficial a Portugal, deslocou-se discretamente a Fátima para rezar pela paz no seu país. Veio acompanhado pela esposa e por vários elementos do seu governo.

Petro Peroshenko deixou uma mensagem forte no livro de honra do Santuário:

Estou profundamente impressionado com a mensagem de Fátima, em particular sobre o aviso de uma ameaça para a humanidade por parte da Rússia, a qual, caso não se arrependa, espalhará os seus erros pelo mundo, provocando guerras e o perecimento massivo de povosescreveu o Chefe de Estado da Ucrânia lembrando que o seu país “tem sentido na própria pele a veracidade dessas profecias”.

(in Santuário de Fátima, 18/12/2017)

Para o Ocidente, em geral, as profecias de Fátima são um assunto arrumado, pertencem ao passado, a Rússia já se converteu (embora ninguém saiba dizer exatamente a quê), mas a Ucrânia continua a recordar-nos que essas profecias são hoje mais atuais do que nunca e que o pior poderá ainda estar por vir.

A península ucraniana da Crimeia está sob ocupação estrangeira desde fevereiro de 2014, ao mesmo tempo que algumas regiões do leste da Ucrânia continuam longe de alcançar a normalidade devido às interferências russas.

A presente visita de um dirigente ucraniano a Fátima não foi um ato isolado. Em junho de 2008, o Santuário recebeu o ex-presidente Victor Yushchenko e, alguns meses depois, o deputado Petro Yushchenko (irmão do presidente), acompanhado pelo Embaixador da Ucrânia em Portugal, Rostyslav Tronenko. Ainda no ano de 2008, recebeu uma nova delegação de dirigentes ucranianos.

Basto 12/2017