Cardeal Pell condenado por abuso sexual de rapazes menores de idade

O cardeal australiano D. George Pell, ex-membro do restrito grupo de colaboradores do Papa Francisco para a reforma da cúria, foi condenado por abuso de menores do sexo masculino.

Basto 02/2019

Mais um ultra-misericordista para um alto cargo da Cúria Romana

O Papa Francisco nomeou o misericordista radical D. Charles Jude Scicluna, arcebispo de Malta, para Secretário Adjunto da Congregação para a Doutrina da Fé.

D. Charles Jude Scicluna, Arcebispo de Malta, ao lado de D. Mario Grech, Bispo de Gozo (Gozo é uma diocese sufragânea de Malta)

Scicluna foi um dos primeiros bispos do mundo a aderir à nova doutrina do Papa Francisco que tolera o divórcio e o recasamento. Neste sentido, logo em janeiro de 2017, publicou, em conjunto o bispo de Gozo, os critérios que autorizam a abertura da Sagrada Comunhão a praticantes habituais de adultério, nos termos do controverso documento Amoris Laetitia.

bispos.de.malta2
Catholic Herald, 13 de janeiro de 2017.

O novo elemento da Congregação para a Doutrina da Fé é conhecido por tolerar e participar em cerimónias de apoio ao movimento LGBT nas igrejas de Malta.

bispos.de.malta3.jpg
Malta Today, 18 de maio de 2014.

A página oficial da Arquidiocese de Malta faz questão de mostrar que D. Charles Scicluna teve muito gosto em receber de presente um livro de propaganda LGBT, intitulado “Os Nossos Filhos”, oferecido por elementos da comunidade gay Drachma.

O novo elemento do antigo Santo Ofício defende que o Estado deve criar legislação que proteja as uniões homossexuais, uma vez que tais uniões, segundo o arcebispo, “não deixam de ser um serviço à dignidade destas pessoas“, apesar de achar que a palavra “casamento” não é a mais adequada para estes casos…

bispos.de.malta4
Página oficial da Arquidiocese de Malta, 01/07/2016.

Este homem foi convidado pelo Santo Padre para desempenhar um alto cargo no organismo da Igreja responsável por difundir a doutrina católica e defender a tradição da nossa fé.

Basto 11/2018

As misteriosas contas do todo-poderoso Cardeal D. Óscar Maradiaga

maradiaga2

No final do ano passado, o semanário italiano L’Espresso acusava D. Óscar Rodríguez Maradiaga, homem muito próximo do Santo Padre, de ter recebido uns escandalosos 35 000 euros mensais da Universidade Católica de Tegucigalpa, nas Honduras. A mesma publicação divulgaria, posteriormente, documentos que alegadamente comprovam os referidos pagamentos ao influente cardeal hondurenho.

maradiaga
Documentos publicados pelo L’Espresso em 05/02/2018.

Maradiaga classificou a notícia como “um ataque ao Santo Padre, lançado por quem não quer que a Cúria seja reformada“, justificando que aqueles valores eram destinados a “usos pastorais”. Consequentemente, a publicação italiana, que nunca havia referido que tais pagamentos se destinariam a usos pessoais do cardeal, estranhou a resposta do prelado hondurenho, voltando a questionar a razão pela qual “os pagamentos mensais dos primeiros nove meses do ano foram feitos diretamente em seu nome e não no da diocese de Tegucigalpa“.

A investigação do L’Espresso foi mais longe e constatou que os pagamentos em causa não se enquadravam no balanço financeiro da diocese de Tegucigalpa apresentado pelos bispos hondurenhos à Santa Sé, em setembro de 2017, durante a sua visita ad limina.

O interesse deste caso aumenta na medida em que D. Óscar Maradiaga fora escolhido pelo Papa Francisco para integrar e presidir ao Conselho de Cardeais, por si criado, para o coadjuvar na governo da Igreja e na reforma da Cúria Romana. Entre outras prioridades, este organismo propôs-se a “promover a transparência” na contabilidade financeira da Igreja Católica.

O Santo Padre terá já ordenado, entretanto, uma investigação às contas da diocese do cardeal hondurenho, que continua ainda como Coordenador do chamado “G9“. No entanto, a determinação do Santo Padre, neste caso, não parece tão evidente como, por exemplo, no caso caso dos Franciscanos da Imaculada, ou na vontade de agilizar os processos de nulidade matrimonial, ou ainda na urgência em fazer chegar a Sagrada Comunhão a quem mantém relações sexuais fora do matrimónio. Não parece tão evidente, o que não quer dizer que não seja…

Bato 10/2018