“Momentos de espiritualidade amazónica” em igreja próxima do Vaticano

Enquanto dura o Sínodo da Amazónia, a Igreja de Santa Maria em Traspontina, em Roma, junto à entrada da Praça de São Pedro, celebra diariamente rituais tribais em honra da deusa Pachamama, num evento denominado Momentos de Espiritualidade Amazónica.

O evento pastoral, que inclui dança, rituais mágicos, idolatria e aparente loucura, é dinamizado pela “Amazónia Casa Comum”, um espaço da Rede Eclesial Pan-amazónica (REPAM) estabelecido temporariamente nesta paróquia administrada por carmelitas.

conversão.ecológica
Conversão ecológica integral, na Igreja de Santa Maria em Traspontina, Via della Conciliazione, outubro de 2019.

Basto 10/2019

Bispos prestam culto a Pachamama na Basílica de São Pedro

No passado dia 7 de outubro, dia de Nossa Senhora do Rosário, alguns bispos presentes na Basílica de São Pedro, em Roma, juntaram-se à dança pagã em honra da Mãe Terra, transportando depois a estatueta da divindade pagã, em procissão, até à sala onde decorrem os trabalhos do Sínodo da Amazónia.

Basto 10/2019

Indigenistas profanam Basílica de São Pedro durante a Missa de abertura do Sínodo da Amazónia

Durante a eucaristia de abertura do Sínodo da Amazónia, em Roma, um grupo de ativistas dos ideais marxistas indigenistas irrompeu da assembleia, com um ruidoso protesto organizado que partiu dos lugares VIP localizados logo depois dos bispos. Cantavam músicas estranhas e transportavam uma grande faixa que incitava à “escuta do grito da Mãe”, não da Mãe de Nosso Senhor, mas da “Mãe Terra”, da deusa Gaia ou Pachamama.

Os protestantes possuíam, na sua maioria, vestuário e calçado ocidental contemporâneo, apesar de se verem algumas caras pintadas e adereços indígenas.

Basto 10/2019

Papa Francisco participa em ritual pagão celebrado nos jardins do Vaticano

O Santo Padre consagrou o Sínodo da Amazónia a São Francisco de Assis, nos jardins do Vaticano, numa cerimónia sincretista que incluiu um ritual pagão de fertilidade, danças ecuménicas, onde algumas pessoas dançaram com clérigos católicos e bruxos em torno de estatuetas indígenas, discursos vazios e uma árvore plantada ao som do Cântico das Criaturas, de São Francisco de Assis.

Pachamama ou Mãe Terra, a deusa indígena da fertilidade, foi sacrilegamente apresentada como “Nossa Senhora da Amazónia”, grávida, ao lado de outra semelhante que, numa aproximação à tradição cristã, só poderia ser Santa Isabel. Mas então quem seriam as divindades masculinas ali representadas, uma das quais ostentando uma ereção?

paganismo.vaticano.jpg

E o mais assustador é que, enquanto estas coisas se vão sucedendo, a maioria dos católicos continua a assobiar para o lado.

Basto 10/2019

Documento Preparatório do Sínodo Amazónico impregnado de Teologia da Libertação

Declara a Eucaristia “simbólica”, elogia a “teologia feminista e ecológica”.

church-militant

Por Stephen Wynne

BOGOTÁ, Colômbia (ChurchMilitant.com) – O impacto da teologia da libertação no próximo Sínodo da Amazónia está a tornar-se cada vez mais evidente.

As preocupações em torno do Instrumentum Laboris do Sínodo da Amazónia agravam-se por causa de um documento preparatório anterior intitulado “Rumo ao Sínodo Pan-Amazónico: Desafios e Contribuições da América Latina e das Caraíbas“.

Revelado durante uma recente investigação do LifeSiteNews, o trabalho de 136 páginas é fruto de uma reunião realizada em abril, em Bogotá, Colômbia, coorganizada pela REPAM (Rede Eclesial Pan-Amazónica) e pela Ameríndia, duas grandes promotoras da teologia da libertação.

O Instrumentum Laboris confirma o significado da reunião, referindo-se a esta como parte importante do processo preparatório do Sínodo.

Com declarações heréticas, o documento de Bogotá saúda o ex-sacerdote Leonardo Boff, um importante defensor da teologia da libertação censurado pelo Vaticano por causa dos seus ataques à doutrina católica.

O documento despreza a missão salvífica da Igreja Católica, afirmando que não há uma fé verdadeira, que todas as religiões são capazes de trazer salvação aos seus seguidores.

“Não é justo afirmar que só uma religião é verdadeira e que as outras são decadência, porque todas elas revelam o mistério de Deus e revelam os muitos caminhos pelos quais caminhamos na fidelidade e no amor a Deus”, diz o documento.

E acrescenta que a Igreja Católica deve passar “de um exclusivismo intolerante a uma atitude de respeito que aceite que o cristianismo não tem um monopólio histórico sobre a salvação” e que “o pluralismo e a diversidade das religiões são expressões de uma sábia vontade divina”.

A obra não menciona a Eucaristia como corpo, sangue, alma e divindade de Jesus Cristo. Pelo contrário, reduz a Eucaristia a uma expressão “simbólica” da experiência “comunitária” – uma flagrante heresia modernista condenada pelo Papa Pio X na sua encíclica Pascendi Dominici Gregis, de 1907.

“Na liturgia, a Igreja expressa a sua fé de maneira simbólica e comunitária”, diz o documento de Bogotá.

Referindo-se ao ensinamento de que a Eucaristia é fonte e ápice da vida cristã, declara:

A liturgia é o “cume”, porque ao pé da mesa se apresenta a experiência das pessoas, o caminho da comunidade e o contexto sócio-cultural em que se insere. “Fonte”, porque da memória viva do amor de Cristo e do encontro com irmãs e irmãos nasce o desejo e a capacidade de um discipulado mais coerente e de um testemunho mais eficaz.

O documento de Bogotá, ainda que fale de fidelidade ao Magistério, descreve o sacerdócio masculino não como um dogma de base, mas como uma “posição” maleável e favorável ao espírito da época:

Recomendamos […] que os teólogos, respeitando de modo reverente os dados da fé e em profunda comunhão com o Magistério, continuem com total liberdade a reflexão sobre a ordenação sacerdotal das mulheres, enriquecendo a sua análise com recursos provenientes da psicologia, sociologia, antropologia, história, filosofia e hermenêutica, para poder discernir a presença do Espírito naquele sinal dos tempos que é […] a presença da mulher na vida pública.

Apelando ao fim da “perspetiva patriarcal” da Igreja, o documento de Bogotá defende uma “teologia feminista e ecológica” completa com sacerdotisas.

Elogia também as tradições indígenas pagãs, apelando à compreensão e ao reconhecimento “das virtudes, conhecimentos e cosmovisões existentes entre os grupos étnicos ancestrais, que ainda conservam a capacidade de ler e conceber a natureza como a verdadeira mãe”.

Continuando a elogiar as tradições indígenas, o documento descreve Deus como um “Criador-Criadora” masculino-feminino:

Eles têm as suas histórias sagradas, línguas, conhecimentos, tradições, espiritualidades e teologias. Todos procuram construir um “bom viver” e a comunhão das pessoas entre si, com o mundo, com os seres vivos e com o Criador-Criadora. Sentem que estão a viver bem na “casa” que o Criador-Criadora lhes deu na Terra.

Dos 28 colaboradores do documento de Bogotá, quatro desempenharam papéis fundamentais na construção do sínodo e dois são os principais autores do Instrumentum Laboris.

Como confirma o conteúdo de ambas as obras, estes arquitetos do Sínodo da Amazónia, de 6 a 27 de outubro são portadores de tochas da teologia da libertação. Através da oração e do jejum, os fiéis católicos estão a preparar-se para o seu impacto sobre a Igreja.

A edição original deste texto foi publicada em Church Militant a 26 de setembro de 2019. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. A presente edição destina-se exclusivamente à sua divulgação, sempre que possível deve ser lido na sua edição original.

Basto 09/2019

Frases que nos fazem pensar: Pe. Justino Sarmento

pe.justino.sarmento
“Participem do Sínodo. Não tenham medo. Façam propostas corajosas, audaciosas”.

 

(Pe. Justino Sarmento SDB, especialista em espiritualidade indígena e pastoral inculturada participante no Conselho Pré-Sinodal que prepara o Sínodo da Amazónia)

Contexto da frase:

Apelo do sacerdote salesiano brasileiro à participação no Sínodo da Amazónia; in Inspetoria São Domingos Sávio – ISDS, 04/11/2018.

Basto 08/2019

Freira missionária espera que o sínodo de outubro traga uma maior abertura ao homossexualismo na Amazónia

Ir. Jane Dwyer, uma religiosa da congregação das Irmãs de Nossa Senhora de Namur, em missão na Amazónia, espera que o sínodo de outubro promova a agenda gay.

sister.jane.dwyer.jpg

A freira americana não percebeu que as doutrinas gay são uma moda importada das subculturas urbanas da sociedade moderna que põe em causa a preservação da identidade cultural dos indígenas.

Basto 07/2019

Bispos germânicos preparam secretamente estratégia progressista para o Sínodo da Amazónia

A informação partiu do vaticanista Edward Pentin. Um grupo de personalidades católicas de língua alemã, que inclui altos prelados e académicos progressistas, ter-se-á reunido secretamente num mosteiro de Roma para discutir a estratégia de implementação da sua agenda no Sínodo da Amazónia.

pentin.jpg
In página twitter de Edward Pentin, 25/06/2019.

Vários dos participantes nesta reunião secreta, apesar do estatuto que possuem dentro da Igreja Católica, são mundialmente conhecidos por posições progressistas e heréticas em temas como o celibato sacerdotal, a ordenação de sacerdotisas e diaconisas, aceitação pastoral do divórcio e recasamento civil, assim como das práticas homossexuais, etc. As referidas movimentações políticas pré-sinodais fazem temer por uma possível manipulação do sínodo semelhante à que acontecera no recente Sínodo da Família, que culminaram na iníqua abertura da Sagrada Comunhão a adúlteros, hoje aceite quase universalmente na Igreja Católica.

yes.we.can

Aguardemos atentamente pelo desenrolar dos acontecimentos…

Basto 06/2019