Agora em inglês, “Cura-me com a tua boca”, do arcebispo D. “Tucho”

d.tucho

O mais famoso livro do arcebispo de Tiburnia (Argentina) está agora disponível online em inglês na plataforma Medium.

Dada a função de destaque desempenhada no chamado Sínodo da Família e após ter ganhado fama de “escritor fantasma” da exortação apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia, é natural que aumente o interesse geral pela obra do reitor da Pontifícia Universidade Católica Argentina.

the.art.of.kissing
Livro: “CURA-ME COM A TUA BOCA: A ARTE DE BEIJAR” do teólogo e arcebispo D. Víctor Manuel Fernández in Medium, 04/09/2017

“Um verdadeiro beijo mostra que o outro é sagrado para mim. Mas quando o sexo está fora de controlo, e queremos mais – mais prazer, mais intensidade – o outro é transformado numa esponja que queremos espremer totalmente, até a última gota.”

[…]

“Como foi Deus tão cruel
para te dar essa boca …
Não há quem me resista,
xxxx, esconde-a.”

(Mons. Víctor Manuel Fernández in Medium, 04/09/2017 – tradução livre)

Não é um livro muito recomendável para pessoas sensíveis, dada a natureza do seu conteúdo, todavia convém relembrar que o próprio arcebispo já assegurou que “não foi escrito tanto pela” sua “própria experiência mas antes a partir da vida das pessoas que se beijam”. Ainda assim, como pode alguém que escreve um livro destes ter qualquer influência na redação de uma exortação papal?

dimensão erótica.jpg
in Agência Ecclesia, 08/04/2016

Não sabemos de facto se a sua influência na Amoris Laetitia foi tão grande quanto se diz, não obstante, foi ele quem, até agora, melhor explicou aquilo que o Papa Francisco pretende que seja compreendido.

Basto 9/2017

Magistério do Papa Francisco sobrepõe-se gradualmente ao Magistério da Igreja

O Vaticano tem reagido positivamente ao silêncio comprometedor e outorgante da maioria dos católicos espalhados pelo mundo, continuando, assim, a promover a nova pastoral do adultério nos órgãos de comunicação semioficiais da Santa Sé.

revista celam
in Radio Vaticano, 28/08/2017

Depois de um curto período de estranheza inicial face ao exotismo da nova doutrina da misericórdia, altura em que se exigia uma certa subtileza de linguagem para não chocar os fiéis, hoje, os novos ensinamentos de Francisco I são já pregados de forma aberta nos meios de comunicação social da Igreja Católica, sem qualquer tipo de rodeios ou inibições. É o novo “magistério do Papa Francisco” sobre a “comunhão eucarística por parte dos divorciados que se encontram em uma nova união”, um magistério que “implica uma mudança da disciplina vigente” ao sabor das “decisões dos sujeitos”…

revista celam2.jpg
in Radio Vaticano, 28/08/2017

Assim prega o arcebispo argentino Víctor Manuel Fernández, homem muito próximo do Santo Padre Francisco, com quem partilha a crença na nova misericórdia, e alegado “escritor fantasma” da Amoris Laetitia.

revista celam3.jpg
Livro: “CURA-ME COM A TUA BOCA: A ARTE DE BEIJAR” do teólogo Víctor Manuel Fernández – “Nestas páginas, o autor enfatiza a importância do beijo como o suporte nas relações tanto amorosas como afetivas, enquanto ensina o leitor a beijar melhor.” (in página da editora LUMEN – tradução)

O “magistério do Papa Francisco”, pregado pelo Mons. Víctor Manuel Fernández, propõe-se assim a substituir, ainda que de forma não assumida, o ensinamento de sempre da Igreja. Algo que não preocupa minimamente uma grande maioria de católicos, que, posicionados num espectro que pode ir desde uma histeria papolátrica invulgar até a um indiferente silêncio comprometedor, já aprovaram a nova religião que se pretende implantar sobre as estruturas da antiga. Estaremos a entrar numa nova era pós-cristianismo?

revista celam4.jpg
São João Batista e Mons.Victor Manuel Fernández, dois pregadores com orientações pastorais completamente diferentes.

Quando dois profetas ensinam doutrinas contraditórias, um deles tem de ser falso.

Basto 8/2017

Faz lembrar o “Tucho”

O “autor fantasma” da Amoris Laetitia

O vaticanista italiano Sandro Magister, no seu último trabalho de investigação jornalística publicado no Chiesa Espresso Repubblica (pode ser lido em português no blogue Fratres In Unum), concluiu que a exortação apostólica Amoris Laetitia se inspirou nas visões controversas do arcebispo Víctor Manuel Fernández, em particular nos parágrafos-chave “mais deliberadamente ambíguos” que se prestaram a interpretações e aplicações práticas muito divergentes.

São os parágrafos do oitavo capítulo que de facto dão sinal verde à comunhão para divorciados recasados.

Que é isso que o Papa Francisco queria, agora ficou claro para todos. E além disso, era o que ele já fazia quando era arcebispo em Buenos Aires.

Mas agora descobre-se que algumas formulações-chave da “Amoris laetitia” têm uma pré-história argentina, modeladas a partir de artigos de 2005 e 2006 escritos por Víctor Manuel Fernández, desde então e ainda hoje, o pensador de referência do Papa Francisco e escritor fantasma dos seus maiores textos.

(Sandro Magister, in Chiesa Espresso Repubblica, 25/05/2016)

Víctor Manuel Fernández, “Tucho” para os amigos, é o reitor da Pontifícia Universidade Católica Argentina, proposto em 2009 pelo então Cardeal Bergoglio. Mais tarde, em 2013, seria ordenado arcebispo de Tiburnia, pelo Papa Francisco. É uma figura polémica dentro da Igreja Católica devido ao exotismo teológico de algumas das suas ideias publicadas.

Entre vários artigos e livros que assinou, a sua obra mais famosa é provavelmente um livro cujo título, traduzido, é “Cura-me com a tua boca: a arte de beijar”.

el arte de besar
Editora Lumen

Influência ou mera coincidência, este arcebispo argentino, especialista em artes osculatórias, é um dos homens mais próximos do Papa Francisco dentro do clero argentino. Foi por isso que ele desempenhou funções de destaque no Sínodo da Família, depois de ter sido indigitado pelo Santo Padre para membro da equipa responsável pela elaboração da Relação Final.

Convém acrescentar que, se tudo isto já estava planeado antes da convocação do Sínodo da Família, todo o processo sinodal foi uma grande perda de tempo. Todo o dinheiro gasto na logística do processo sinodal, desde a mais pequena paróquia até à Santa Sé, poderia ter sido distribuído pelos pobres. Para não falar também no que ganharia a natureza, a nossa “casa comum”, com a poupança de papel e energia.

Basto 5/2016