É a alegria do amor – estão a ver?

A Igreja Portuguesa está ainda em período adaptação à nova doutrina do Papa Francisco sobre a família e o matrimónio. O vídeo abaixo, publicado em novembro do ano passado, tem como protagonista o sr. Pe. Carlos Carneiro SJ e tem a chancela da Arquidiocese de Braga.

Convém lembrar que, se o jornal Sol não se enganou, em 2015, o arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, era um dos principais opositores à aprovação “pastoral” do adultério. Esperemos que continue fiel ao seu ministério.

Algumas frases a respeito da Amoris Laetitia que merecem destaque:

(Estas citações não dispensam a visualização do vídeo onde estão contextualizadas)

“Quem vier ler este texto – estão a ver – apenas de um ponto de vista técnico, de facto fica pasmado e fica mais pasmado quando o próprio Papa diz que há questões, inclusive de discussão teológica e doutrinal, que não se respondem e que não se resolvem apenas por uma declaração, digamos assim, magisterial – estão a ver – dele ou dos bispos da Igreja Católica.”

“O Papa não pode sufocar a missão – estão a ver – dos outros seus irmãos bispos.”

“E porque é que é a “alegria do amor” e não aparece no título a “alegria da família”? Porque, ao contrário do que muitos têm dito, este texto não é uma exortação apostólica sobre a família, é um texto que é sobre o amor, é sobre o amor mais do que na família, mas a família é um dos lugares privilegiados onde o amor se realiza, onde o amor acontece, onde o amor, se concretiza.”

“…e quando fala nas realidades – estão a ver – que tocam situações muito delicadas e muito particulares de realidades amorosas como, por exemplo, são – estão a ver – recasamentos ou segundos casamentos pelo civil, quando fala, por exemplo, das pessoas com uma orientação homossexual e que querem ou não querem casar, ou como é que os pais católicos – imaginem – educam um filho com esta orientação e estas coisas todas [?], o que me espanta, e é muito importante saber, é a aprovação destes aspetos. Quer dizer, a mim, eu nunca pensei que estes pontos fossem tão avaliados positivamente…

“Por exemplo, imaginem os namorados que vivem juntos antes de casar, e muitas outras situações idênticas… Está ali? Está sim senhor… E então que é que se diz? Está bem ou está mal? Não é está bem ou está mal, o que se diz é que há um caminho…”

“Mas para mim, o mais grave de tudo não era poder comungar ou não poder comungar, é nunca mais poder ser absolvido [!], que a maioria das pessoas nem sabe disto.”

“…isto é uma novidade para o nosso mundo e para a nossa cultura porque – estão a ver – quer dizer, a geração que me precedeu, a geração dos meus pais, dos meus avós era uma geração para quem a regra, a norma, tinha outro peso…”

(Pe. Carlos Carneiro SJ in canal da Arquidiocese de Braga no youtube)

A realização deste tipo de tertúlias, bem como a sua publicação por parte de uma arquidiocese historicamente tão importante como é a de Braga, comprova aquilo que o cardeal D. Vicenzo Paglia, presidente do Pontifício Conselho para a Família, dizia ontem à Radio Vaticano: a Amoris Laetitia está a ser acolhida pelos fiéis com entusiasmo.

paglia
D. Vicenzo Paglia no mural que encomendou para a sua catedral

 

Há uma grandíssima recepção por parte do povo de Deus, em todos os lugares no mundo. É um texto que tem sido acolhido com entusiasmo, no qual as pessoas veem grande simpatia pelas famílias, é também um texto de grande esperança. Passado um ano, os frutos são notáveis, mas obviamente a complexidade das situações exigirá ainda aplicações mais ligadas aos vários contextos culturais.

(D. Paglia in Radio Vaticano, 18/04/2017)

Muito entusiasmo, de facto…

Basto 4/2017