Travesti Conchita Wurst regressa à Catedral de Viena, na Áustria

conchita.jpgD. Cristoph Schönborn, grande adepto das novas doutrinas do Papa Francisco relativas ao adultério e ao homossexualismo, voltou a ceder a sua Catedral de Santo Estêvão, em Viena (Áustria), aos militantes e simpatizantes do movimento LGBT, no passado dia 1 de dezembro, para a celebração do Dia Mundial de Luta Contra a SIDA.

A estrela de cartaz voltou a ser o famoso travesti austríaco Thomas Neuwirth (mais conhecido por Conchita Wurst ou “a mulher barbuda”), vencedor do Festival Eurovisão da Canção em 2014. Desta vez não foi o pregador, mas o solista que cantou ao som do órgão de tubos da catedral.

Basto 12/2019

Travesti Conchita Wurst prega na catedral de Viena em cerimónia presidida pelo cardeal Schönborn

sch3.jpg

O ultra-misericordista cardeal D. Cristoph Schönborn, apresentador oficial da exortação apostólica Amoris Letitia, celebrou uma cerimónia sacrílega intitulada Mozart Requiem na sua Catedral de Santo Estêvão, em Viena (Áustria), para assinalar o Dia Mundial de Luta contra a SIDA (1 de dezembro). Um dos “pregadores” foi o travesti Thomas Neuwirth (mundialmente conhecido por Conchita Wurst ou “a mulher de barba”), vencedor do Festival Eurovisão da Canção de 2014, e outro foi Gery Keszler, o famoso organizador da gala anual gayLife Ball” de angariação de fundos para supostamente combater a SIDA.

sch
D. Cristoph Schönborn canta e bate palmas, ao lado de Gery Keszler, na sua catedral em Viena (Áustria) in ORF2.

 

sch5.jpg
Gery Keszler discursa a partir do ambão da catedral de Santo Estêvão, in ORF2.

 

sch2.jpg
Travesti “Conchita Wurst” discursa a partir do ambão da catedral de Santo Estêvão, in ORF2.

 

sch4
Decoração da Catedral de Santo Estêvão, em Viena, Áustria, in ORF2.

A promoção da cultura gay no combate epidemiológico da SIDA é um fenómeno bastante difícil de entender…

Basto 12/2017