Celebração do 13 de maio com o Usus Antiquior

Numa diligência inusitada, a Pontifícia Comissão Ecclesia Dei concedeu a todos os sacerdotes do Rito Latino a faculdade de celebrar, no dia 13 de maio, dia de Nossa Senhora de Fátima, a Missa Vocativa da Festa do Imaculado Coração de Maria segundo a Forma Extraordinária do Rito Romano, portanto, ad orientem e com as leituras e orações do missal tradicional.

Ecclesia Dei
Decreto da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei de 05/04/2017 – Fonte: Rorate Caeli

Esta louvável diligência causa alguma perplexidade porque parece mais um incentivo do que propriamente uma autorização, uma vez que o Usus Antiquior, comummente denominado Missa Tridentina, para além de nunca ter sido ab-rogado, coabita hoje de modo pacífico na Igreja Católica, como Forma Extraordinária do Rito Romano, desde a publicação do Motu Proprio Summorum Pontificum de Bento XVI, em 2007.

Uma década depois da promulgação do Motu Proprio de Bento XVI, contrariamente ao que estabeleceu o Santo Padre, a Forma Extraordinária do Rito Romano continua ainda interdita à esmagadora maioria dos fiéis, como acontece em Portugal. E é uma pena, dada a riqueza e a beleza da Missa Tradicional, da qual derivou o Novus Ordo, a celebração da Missa na forma à qual estamos habituados. Entre outros grandes benefícios para a Igreja, a celebração contínua e frequente da Eucaristia na Forma Extraordinária seria a referência necessária para se evitarem os excessos e abusos a que assistimos hoje em muitas das Eucaristias celebradas de acordo com Forma Ordinária do mesmo rito.

O episódio protagonizado pela pontifícia comissão criada por João Paulo II e presidida pelo Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, ao ter lugar precisamente agora, no centenário das aparições de Fátima, tem de estar de algum modo relacionado com a aproximação do Triunfo do Imaculado Coração de Maria, profetizado em Fátima e desejado para breve nas orações do Santo Padre Bento XVI.

Possam os sete anos que nos separam do centenário das Aparições apressar o anunciado triunfo do Coração Imaculado de Maria para glória da Santíssima Trindade.

(Sua Santidade Bento XVI, em Fátima, a 13 de maio de 2010)

Seria uma magnífica celebração do centenário das Aparições de Fátima se todos os sacerdotes portugueses pudessem, nesse dia, proporcionar aos fiéis a celebração da Eucaristia na forma que os pastorinhos a conheciam. Mesmo que não simpatizem com o Usus Antiquior, poderiam sempre abrir uma exceção nesse dia especial e oferecer o sacrifício em honra de Nossa Senhora de Fátima. Talvez até acabassem por gostar…

Basto 4/2017