Nova “Bíblia da Amizade”

Com o prefácio do Papa Francisco e do rabino talmudista – que espera a chegada do Anticristo – Abraham Skorka.

bíblia.da.amizade.jpg

Um obra que surge numa época em que Jesus Cristo, infelizmente, é reduzido à condição de mero elemento de diversidade cultural na grande fraternidade humana universal.

O objetivo não é chegar a uma leitura unificada da Bíblia em que as diversidades se diluam a ponto de anular, mas conhecer melhor suas respectivas interpretações e leituras, aceitando que sejam diferentes.

(In Gruppo Editoriale San Paolo, 17/01/2019 – tradução livre)

Nestas coisas de diálogo inter-religioso, o Pentateuco é sempre mais consensual do que o Novo Testamento, mas é interessante notar como os judeus adoram Francisco apesar de não gostarem muito de Jesus Cristo…

Basto 01/2019

Bergoglio aplaudiu o anúncio da vinda do Anticristo

Um ano antes do conclave que elegeu Francisco, o então cardeal D. Jorge Mario Bergoglio aplaudiu o discurso do Rabino Abraham Skorka quando este anunciou, em Buenos Aires, a futura vinda de um – falso – messias e a necessidade de preparar o seu caminho. Isto aconteceu em 2012 quando a Pontifícia Universidade Católica Argentina, para celebrar os 50 anos do Concílio Vaticano II, atribuiu o título de Professor Honoris Causa a um teólogo talmudista que, obviamente, não acredita que Jesus Cristo é o Messias de Deus.

O reitor dessa universidade católica era o arcebispo D. Víctor Manuel (“Tucho”) Fernández, tendo sido nomeado por Bergoglio para o cargo. “Tucho” era, já na altura, o autor do livro erótico “Cura-me com a tua boca” e, mais tarde, viria a ser o alegado “escritor fantasma” da controversa exortação papal que admite o divórcio e o recasamento civil.

Basto 11/2018