Santa Margaret Clitherow, a “Pérola de York”

Margaret Clitherow.jpg

Eu creio como a Igreja Católica crê e me ensina … e nisso viverei e morrerei.”

Santa Margaret Clitherow (frase traduzida de uma pagela local de oração pela intercessão de Santa Margaret Clitherow e dos Santos Mártires de York)

Margaret Clitherow, a “Pérola de York”, foi uma mãe de família, ex-anglicana convertida ao catolicismo, tendo sido responsável por muitas outras conversões de ingleses à Fé Católica. Fez de sua casa um lugar onde os fiéis católicos se reuniam para a celebração de missas na clandestinidade, a qual servia também de abrigo a padres católicos, numa época em que o catolicismo era proibido e perseguido em Inglaterra.

Margaret Clitherow.housejpg.jpg
Casa de Santa Margaret Clitherow, Rua The Shambles, York, Inglaterra

No dia 25 de março de 1586, Sexta-feira Santa, foi executada por esmagamento. A sua beatificação teve lugar em 1929, pelo Papa Pio XI, e a canonização em 1970, pelo Papa Paulo VI.

As suas virtudes parecem algo estranhas neste tempo de radicalismo “ecuménico”.

Basto 3/2018

Verdadeiro discernimento com São João Fisher

João Fisher (John Fisher), o bispo de Rochester, em Inglaterra, opôs-se, em 1527, à intenção do rei Henrique VIII de divorciar-se de Catarina de Aragão, de quem era confessor. Em 1534, tal como São Tomás Moro, recusou jurar obediência no “Ato de Supremacia” do monarca sobre Igreja em Inglaterra, pelo que seriam ambos presos na Torre de Londres.

Já em cativeiro, foi criado cardeal pelo Papa Paulo III, a 17 de Maio de 1535.

Foi julgado, acusado de traição e condenado à morte por decapitação, tendo sido executado no dia 22 de junho de 1535. Foi beatificado em 1886 pelo Papa Leão XIII e canonizado em 1935 pelo Papa Pio XI.

Henrique VIII fundou a sua própria igreja, a Igreja Anglicana, em 1534, a qual continua ainda hoje separada de Roma.

Basto 1/2018