Bergoglio aplaudiu o anúncio da vinda do Anticristo

Um ano antes do conclave que elegeu Francisco, o então cardeal D. Jorge Mario Bergoglio aplaudiu o discurso do Rabino Abraham Skorka quando este anunciou, em Buenos Aires, a futura vinda de um – falso – messias e a necessidade de preparar o seu caminho. Isto aconteceu em 2012 quando a Pontifícia Universidade Católica Argentina, para celebrar os 50 anos do Concílio Vaticano II, atribuiu o título de Professor Honoris Causa a um teólogo talmudista que, obviamente, não acredita que Jesus Cristo é o Messias de Deus.

O reitor dessa universidade católica era o arcebispo D. Víctor Manuel (“Tucho”) Fernández, tendo sido nomeado por Bergoglio para o cargo. “Tucho” era, já na altura, o autor do livro erótico “Cura-me com a tua boca” e, mais tarde, viria a ser o alegado “escritor fantasma” da controversa exortação papal que admite o divórcio e o recasamento civil.

Basto 11/2018

O problema da “pedra”

No perturbante discurso proferido perante a Fraternidade Ecuménica Argentina, em 2009, o então cardeal Jorge Mario Bergoglio convida os presentes não se preocuparem com o problema da “pedra”.

Por qué cuernos buscáis entre los muertos al que esta vivo?

(Cardeal Bergoglio, CRECES, 2009)

Essa pedra, essa “dor”, essa “taça de café escuro” que “nos fomenta a capacidade de controlar” e de “ser senhores da situação”. A pedra que nos impede de “ver mais além” e de dar um “salto impossível de controlar”.

creces
Cardeal Bergoglio, de joelhos, recebe a bênção dos pastores protestantes durante uma festa ecuménica da CRECES

CRECES – Comunhão Renovada de Evangélicos e Católicos nos Espírito Santo

Basto 7/2016