Bispos belgas autorizam a prática de Amoris Laetitia no seu país

A partir de agora, também na Bélgica, as pessoas divorciadas recasadas poderão aceder à Sagrada Comunhão mesmo mantendo-se em situação de adultério. A Conferência Episcopal Belga emitiu uma carta pastoral que dá seguimento à controversa exortação apostólica Amoris Laetitia na mesma linha de interpretação pretendida pelo Santo Padre Francisco I.

igreja belga2
in CathoBel, 24/05/2017

A carta pastoral foi apresentada pelo cardeal D. Jozef De Kesel, na última quarta-feira, em Malinas, onde explicou que esta se destina a todos os sacerdotes, diáconos e agentes pastorais. D. Jozef De Kesel é conhecido pelo seu exotismo doutrinal, sendo cardeal apenas desde novembro do ano passado.

igreja belga
in La Libre, 26/05/2017

 

Basto 5/2017

Perfil do novo cardeal D. Jozef De Kesel

Jozef De Kesel, Arcebispo de Malines-Bruxelas (Bélgica)

Sobre o celibato sacerdotal:

“As pessoas para quem o celibato é humanamente impossível deveriam ter também a possibilidade de se tornarem sacerdotes.”

 

Sobre os homossexuais ativos:

“Tenho muito respeito pelos gays, [incluindo] o modo como vivem a sua sexualidade.”

 

Sobre a possibilidade de os divorciados “recasados” receberem os sacramentos:

“O Sínodo pode não ter trazido os resultados  concretos que nós esperávamos, tais como permitir aos divorciados “recasados” católicos receber a comunhão. Mas é inacreditável o quanto foi um sinal de uma Igreja que mudou. A mentalidade já não é realmente a mesma.”

(in Crux Now, 10/11/2016)

É considerado um “protegido” do progressista Cardeal Godfried Danneels, cujo nome está confessamente associado ao caso da “mafia” do Grupo Sankt-Gallen, que esteve alegadamente envolvida num complô que visava provocar a resignação de Bento XVI e eleger o Cardeal Jorge Mario Bergóglio.

A 9 de outubro de 2016, o Papa Francisco anunciou que D. Jozef De Kezel será criado cardeal no próximo consistório de 19 de novembro de 2016.

Basto 10/2016