Bispo suíço assina a declaração que chama “estranha” à fé católica a leitura que o Papa Francisco faz da sua exortação Amoris Laetitia

marian eleganti

Apenas três dias depois de D. Athanasius Schneider ter feito um apelo público a todos os prelados católicos para que subscrevam a Profissão das Verdades Imutáveis em relação ao Matrimónio Sacramental, surge a assinatura de mais um bispo, nomeadamente, D. Marian Eleganti OSB. Tem 62 anos de idade e é bispo auxiliar da diocese de Chur, na Suiça.

Além de reconhecido teólogo, D. Marian Elegantiu é um frade da abadia dos Missionários Beneditinos de St. Otmarsberg, em Uznach, no cantão suíço de St. Gallen, tendo sido ordenado sacerdote em junho de 1995. Em dezembro de 2009, foi apontado por Bento XVI para bispo titular de Lamdia e auxiliar de Chur, a sua ordenação episcopal aconteceria no mês seguinte.

Com a sua subscrição da “Profissão das Verdades Imutáveis em relação ao Matrimónio Sacramental” publicada pelos bispos do Cazaquistão, são agora nove os bispos signatários, um dos quais é cardeal.

A declaração dos bispos do Cazaquistão surgiu como resposta à interpretação dada pelo Papa Francisco e por alguns bispos à exortação Amoris Laetitia, a qual permite que alguns divorciados “recasados” (que não obtiveram nulidade matrimonial e não vivem em continência sexual) tenham acesso aos Sacramentos da Penitência e da Sagrada Comunhão. Nessa declaração, os bispos afirmam que a leitura em causa está a causar “crescente confusão”, fará alastrar a “chaga do divórcio” e é “estranha” a toda a tradição e fé católicas.

Basto 2/2018