“Fulgores de Fátima”, agora em livro

Pedro Sinde acabou de publicar o livro “Fulgores de Fátima, pensando a mensagem”. “Fulgores de Fátima” é o nome da rubrica assinada pelo filósofo no jornal Diário do Minho da qual resultou este livro. Vários dos seus excelentes artigos têm sido aqui regularmente divulgados, portanto recomendamos vivamente esta obra.

fulgores

Mais informações sobre a obra na página da “Nova Águia”.

O livro pode ser encomendado no seguinte endereço eletrónico: info@movimentolusofono.org

Basto 12/2017

Fátima anunciada ao mundo em 1454!

Por Pedro Sinde

Trata-se de uma revelação verdadeiramente explosiva para quem se interessa pelo fenómeno de Fátima e que tem sido curiosamente ignorada em Portugal.

Documento1a_Monastero_Beata_Margherita_di Savoia_Domenicane_(Alba-Italia)
Digitalização gentilmente cedida pela autora Cristina Siccardi,
onde se refere, em 1655, descrevendo uma revelação de 1454,
que a Virgem iria aparecer em Fátima, Portugal e venceria para
sempre Satanás.

No dia 19 de Agosto de 1999, no arquivo do Mosteiro das Dominicanas de Alba são reencontrados alguns documentos do século XVII e que dizem respeito a… Fátima. Trata-se de um conjunto de documentos de diferentes proveniências em que vários testemunhos narram, por vias autónomas umas das outras e confirmando-se reciprocamente, a seguinte história:

no dia 16 de Outubro de 1454, no referido mosteiro de Alba, a Irmã Filipina de’Storgi, com fama de santidade, no leito de morte recebe a extrema-unção e a comunhão, entrando em êxtase. Durante o êxtase, a comunidade, reunida à sua volta, ouve, com espanto, a sua conversa com Nossa Senhora do Rosário, Santa Catarina de Siena, o Bem-aventurado Humberto, o Abade Guilherme de Sabóia e S. Domingos; neste colóquio são-lhe anunciados vários eventos, de uma forma muito precisa e que vieram a acontecer ao longo do tempo, tal como se nos explica no lúcido e corajoso livro de Cristina Siccardi (ver referência abaixo), estas profecias dizem respeito à família Saboia, cujo destino se cruza, em vários momentos fulcrais, com Portugal. A este assunto, tão interessante, esperamos dedicar um outro artigo.

Uma destas profecias, referida por Cristina Siccardi, prestigiada autora, menciona um certo “monstro” do oriente (que tem sido identificado, no contexto de Fátima, com o comunismo e os ‘erros da Rússia’ que se espalharam pelo mundo) que será a causa de tribulações para a humanidade, mas «que será vencido por Nossa Senhora do Rosário de Phatima» [sic!], em Portugal, «se todos os homens a invocarem com um espírito intenso de penitência» (manuscrito de 1640). Num outro manuscrito, de 1655, que resume o acontecimento de 1454, diz-se que «na Lusitânia, há uma igreja numa aldeia chamada Fatima […] e que uma estátua da Santíssima Virgem Maria preveniu sobre acontecimentos futuros extremamente graves pois Satanás fará uma guerra terrível mas perderá, porque a Santíssima Virgem Maria de Fatima, Mãe de Deus e do santíssimo rosário, ‘mais forte do que um exército formado para a batalha’ o vencerá para SEMPRE.» [ver a reprodução do manuscrito]. Esta referência à estátua leva-nos a duas sucintas considerações: uma das razões por que se realizam os Cinco Primeiros Sábados é desagravar o Coração Imaculado da Virgem por causa dos ataques às suas imagens sagradas; lembremo-nos ainda do significado mundial que teve e ainda tem a peregrinação da Virgem por todo o mundo. Este “para SEMPRE” deve-nos apontar ainda para a mensagem de Fátima, e a prometida vitória final do seu Imaculado Coração: “No final, o meu Imaculado Coração triunfará”; esta promessa incondicional conjugada com o sinal tremendo que foi o milagre do sol e este anúncio profético (à distância de 453 anos!), descoberto por Cristina Siccardi no mosteiro de Alba, aponta-nos com clareza para a ideia de que as aparições de Fátima se ligam directamente à luta apocalíptica entre a Virgem e o anjo caído que a odeia.

O que era Fátima no século XV? Sabemos que lá existia uma igreja com um convento, na zona da actual igreja paroquial; este conjunto terá sido edificado pelos monges de Alcobaça e com o apoio particular da rainha D. Mafalda, a mulher de D. Afonso Henriques. Sobre o significado desta rainha, teremos de deixar para outro artigo, dado o conjunto complexo (e maravilhoso) de relações que ligam profundamente Portugal e a casa de Sabóia. Esta igreja foi visitada no século XV por um familiar Saboia da primeira rainha de Portugal, ela mesma Saboia.

Cristina Siccardi, Fatima et la Passion de l’Église. Éditions Le Drapeau blanc, 2017.

[tradução de Fatima e la Passione della Chiesa. Milão: Sugarco, 2012]

Este texto foi publicado no jornal Diário do Minho no dia 17 de maio de 2017.

Nota da edição: o artigo acima faz parte da série “Fulgores de Fátima”, uma rubrica assinada pelo filósofo português Pedro Sinde no jornal Diário do Minho, a presente edição visa apenas a sua divulgação.

Basto 6/2017