Vaticano lança moeda comemorativa dedicada à falsa deusa Pachamama

No dia 13 de outubro, no aniversário da última aparição de Nossa Senhora de Fátima, o Vaticano de Francisco lançou uma moeda de homenagem a Pachamama, a falsa divindade panteísta, também designada por Gaia ou Mãe Terra.

A moeda, com um valor facial de 10€, ostenta uma moderna e irreverente representação da divindade pagã, onde se destaca o atrevido decote e um look aparentemente inspirado na extremista climática Greta Thunberg. Foi lançada juntamente com mais uma moeda que apela para outra das grandes causas da moderna Esquerda Globalista, nomeadamente, as migrações em massa.

O verso da moeda, naturalmente, apela ao pontificado de Francisco, que se destaca, quer pelo impulso dado ao culto contemporâneo da Pachamama, quer pelo forte incentivo ao incremento dos fluxos migratórios internacionais.

O lançamento destas moedas assinala precisamente um ano após as grandes celebrações em honra da boneca andina, realizadas em Roma, na Santa Sé. Num ato de idolatria sem precedentes, a divindade pagã recebera então o culto de muitos bispos católicos e do próprio Papa, em várias celebrações que se estenderam desde os jardins do Vaticano até à Basílica de São Pedro.

Basto 10/2020

Concerto de Natal do Vaticano com momento de catequese sobre a deusa Pachamama

O concerto de Natal do Vaticano, um evento de caridade patrocinado pela Congregação para a Educação Católica, que se realizou na Sala Paulo VI, no dia 14 de dezembro, para uma audiência de 5000 pessoas e dois milhões de telespectadores, incluiu, este ano, um momento de catequese sobre a divindade pagã Pachamama. Uma mulher latino-americana deu a catequese e orientou um exercício espiritual, no qual participaram bispos e cardeais presentes na assistência, invocando o demónio Pachamama.

Basto 12/2019

Via sacrílega em Roma

Grupo de neocatólicos reza “via-sacra” amazónica em Roma, misturando as estações do Caminho da Cruz com feitiçaria tribal, cultos pagãos e cartazes de ativistas dos movimentos marxistas indigenistas. O ritual sincretista termina no interior da Igreja de Santa Maria em Traspontina, mesmo à porta do Vaticano, onde, por estes dias, se celebram diariamente exóticos “momentos de espiritualidade amazónica“.

Basto 10/2019

Bispos prestam culto a Pachamama na Basílica de São Pedro

No passado dia 7 de outubro, dia de Nossa Senhora do Rosário, alguns bispos presentes na Basílica de São Pedro, em Roma, juntaram-se à dança pagã em honra da Mãe Terra, transportando depois a estatueta da divindade pagã, em procissão, até à sala onde decorrem os trabalhos do Sínodo da Amazónia.

Basto 10/2019

Indigenistas profanam Basílica de São Pedro durante a Missa de abertura do Sínodo da Amazónia

Durante a eucaristia de abertura do Sínodo da Amazónia, em Roma, um grupo de ativistas dos ideais marxistas indigenistas irrompeu da assembleia, com um ruidoso protesto organizado que partiu dos lugares VIP localizados logo depois dos bispos. Cantavam músicas estranhas e transportavam uma grande faixa que incitava à “escuta do grito da Mãe”, não da Mãe de Nosso Senhor, mas da “Mãe Terra”, da deusa Gaia ou Pachamama.

Os protestantes possuíam, na sua maioria, vestuário e calçado ocidental contemporâneo, apesar de se verem algumas caras pintadas e adereços indígenas.

Basto 10/2019