Entrevistador favorito do Papa afirma que Francisco nega divindade de Cristo

scalfari.jpg

Por Martin M. Barillas

ROMA, 9 de outubro de 2019 (LifeSiteNews) – O jornalista italiano ateu Eugenio Scalfari afirmou que o Papa Francisco não acredita que Jesus Cristo é verdadeiramente Deus e homem.

O Papa concedeu a Scalfari numerosas entrevistas ao longo do seu pontificado, apesar das repetidas afirmações do gabinete de imprensa do Vaticano de que as suas transcrições não são fiáveis.

Na edição de quarta-feira do jornal La Repubblica, Scalfari escreveu: “Aqueles que tiveram a oportunidade, como eu tive em diferentes momentos, de encontrá-lo [o Papa Francisco] e falar com ele com a maior confiança cultural, sabem que o Papa Francisco concebe Cristo como Jesus de Nazaré, um homem, não como Deus encarnado. Uma vez encarnado, Jesus deixa de ser Deus e torna-se homem até à sua morte na cruz”. Diz Scalfari, “Quando tive oportunidade discutir estas frases, o Papa Francisco disse-me: «Elas são a prova definitiva de que Jesus de Nazaré, uma vez feito homem, mesmo sendo homem de virtude excecional, não era Deus»”.

Raymond Arroyo, pivô dos noticiários da [cadeia católica de televisão americana] EWTN, reagiu no Twitter, escrevendo que considera a informação “difícil de acreditar”. No entanto, acrescentou: “Porque é que o Papa continua a conceder entrevistas a um ateu que não toma notas e confia na sua memória envelhecida para reconstruir as conversas?

O diretor do Gabinete de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, emitiu a seguinte resposta oficial à informação de Scalfari: “Como já foi dito noutras ocasiões, as palavras que o Dr. Eugenio Scalfari atribui entre aspas ao Santo Padre durante conversas com ele não podem ser consideradas como uma transcrição fiel do que realmente foi dito, mas representam uma interpretação pessoal e livre do que ele ouviu, como se vê pelo que foi escrito hoje sobre a divindade de Jesus Cristo”.

A Igreja Católica ensina “que Jesus é inseparavelmente verdadeiro Deus e verdadeiro homem”. Ele é verdadeiramente o Filho de Deus que, sem deixar de ser Deus e Senhor, se fez homem e nosso irmão: «assumiu aquilo que não era, mas permaneceu aquilo que era», exalta a Liturgia Romana. E a liturgia de São João Crisóstomo proclama e canta: «Ó Filho único e Verbo de Deus, sendo imortal, Vos dignastes, para nossa salvação, encarnar no seio da Santa Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, e sem mudança Vos fizestes homem e fostes crucificado! Ó Cristo Deus, que por Vossa morte esmagastes a morte, que sois um da Santíssima Trindade, glorificado com o Pai e o Espírito Santo, salvai-nos!»”. (Cat. 469)

Auto-declarado ateu, Scalfari, de 95 anos, é um dos fundadores do La Repubblica e um antigo fascista que, mais tarde, se tornou um libertário e membro da legislatura nacional italiana. Scalfari entrevistou diversas vezes o Pontífice. Em março de 2018, Scalfari afirmou que o Papa lhe disse que o inferno não existe. O La Repubblica afirmou que o Papa Francisco lhe tinha dito que as almas daqueles que não vão para o Céu são aniquiladas. Francisco, alegadamente, afirmou que “As almas não são punidas” e “Aqueles que se arrependem obtêm o perdão de Deus e seguem entre as fileiras daqueles que o contemplam, mas aqueles que não se arrependem e não podem ser perdoados desaparecem. Não há inferno – há o desaparecimento das almas pecadoras”. O aniquilamento é considerado uma heresia pela Igreja Católica.

Na altura, o Gabinete de Imprensa do Vaticano contestou o relato de Scalfari, afirmando que o Papa na verdade acredita que o inferno existe e que “nenhuma citação do artigo deveria ser considerada como uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre”. Os órgãos de comunicação social deram conta, anteriormente, que Scalfari não usa um gravador nem toma notas durante as suas entrevistas e admitiram que reconstrói as conversas de acordo com a sua memória.

Como pergunta o jornalista italiano Christopher Altieri, na publicação britânica Catholic Herald: “Porque é que o Papa Francisco ainda confia em Eugenio Scalfari?” E incitou Francisco a “refutar não apenas a clara verborreia de Scalfari transcrita no seu artigo, mas também as ideias que lhe foram atribuídas – pelo menos aquelas são manifestamente heréticas”.

“Quanto mais tempo ele continuar sem o fazer”, escreveu Altieri, “mais forte se torna o caso para acreditar que ele não pode fazê-lo”.

Apesar de ter optado por não conceder uma audiência aos cardeais que questionaram formalmente os seus ensinamentos a respeito do casamento e da salvação, o Papa Francisco tem recebido outras figuras controversas. Recentemente, encontrou-se com o Pe. James Martin, um seu colega jesuíta que se destacou pela defesa da normalização da homossexualidade na Igreja. No entanto, não se encontrou, por exemplo, com os cardeais D. Raymond Burke e D. Walter Brandmuller, que, juntamente com mais dois prelados que entretanto faleceram, publicaram os dubia que questionavam os ensinamentos da exortação Amoris Laetitia, em 2016.

A edição original deste texto foi publicada pelo LifeSiteNews a 9 de outubro de 2019. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. A presente edição destina-se exclusivamente à sua divulgação, sempre que possível deve ser lido na sua edição original.

Basto 10/2019

Grupo de personalidades católicas acusa o Papa Francisco de heresia

heresia2.jpgUm grupo de reconhecidos clérigos e académicos publicou uma carta aberta dirigida aos bispos da Igreja Católica (disponível aqui em espanhol) onde lhes é pedido um procedimento judicial perante as heresias do Papa Francisco. A carta foi firmada na semana de Páscoa e tornada pública no dia de Santa Catarina de Sena, uma santa que aconselhou vários Papas do seu tempo.

O referido documento parte da Correctio Filialis, de 2017, onde 62 académicos censuraram “sete proposições falsas e heréticas” de Francisco a respeito do casamento, da moral e do acesso aos sacramentos, especialmente à luz de sua controversa exortação apostólica Amoris Laetitia. Como as “proposições heréticas” não foram ainda corrigidas, antes pelo contrário, os autores da carta aberta pedem agora que o Santo Padre seja julgado por essas e por outras posições heréticas que são do conhecimento comum e estão amplamente documentadas. Alegam que agora se tornou claro que o Papa Francisco está ciente das suas próprias posições contrárias à fé e que chegou a hora de dar um “passo em frente” e declarar que o Papa Francisco é “culpado do crime de heresia”.

Aos 19 subscritores iniciais do documento têm vindo a juntar-se outras personalidades do mundo católico, numa lista que ainda não parou de crescer, como tem dado conta a publicação de origem canadiana LifeSiteNews. Por outro lado, uma petição online, que pede aos bispos católicos uma “investigação ao Papa Francisco por heresia”, reunindo deste modo apoio popular à carta aberta, já recolheu milhares de assinaturas.

Basto 05/2019

Heresia pública, não-correção privada

Francisco.jpg

Por Christopher A. Ferrara

Na sua Declaração Conjunta com o “Grão Imame de Al-Azhar”, Ahmed Al-Tayeb, no passado mês, em Abu Dhabi, o Papa Francisco e o “Grão Imame” declararam juntos: “O pluralismo e as diversidades de religião, de cor, de sexo, de raça e de língua fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos. Esta Sabedoria divina é a origem donde deriva o direito à liberdade de credo e à liberdade de ser diferente.”

O significado ultrapassa qualquer discussão: a diversidade de religiões, que Deus não quer, mas apenas tolera como um mal, é colocada em paridade com as diferenças de raça, sexo e linguagem, que Deus realmente quer. A existência de religiões repletas de erros condenáveis contra a revelação divina é deste modo apresentada, sem a mínima ambiguidade, como um bem positivo – ou seja, “a liberdade de ser diferente”. Seria improvável que Al-Tayeb concordasse com uma afirmação que pudesse, de algum modo, ser lida com querendo dizer que a sua religião islâmica, criada pelo homem, é simplesmente um mal tolerado.

Como reporta o LifeSiteNews, “os bispos do Cazaquistão e Ásia Central, durante uma visita ad limina a Roma, levantaram uma série de preocupações, amplamente partilhadas pela Igreja nos últimos anos, relativamente às ambiguidades percebidas no magistério do Papa Francisco”.

D. Athanasius Schneider, em particular, Bispo Auxiliar de Astana, pressionou delicadamente Francisco em relação à sua afirmação descaradamente herética de que Deus quer a diversidade de religiões da mesma forma quer a diversidade de raças. Entrevistado pelo LifeSiteNews, o Bispo Schneider contou que Francisco “disse-nos: podem também dizer isso, que a diversidade de religiões é a vontade permissiva de Deus”.

Então Francisco diz agora em privado que outras pessoas podem dizer que ele quis apenas dizer que a diversidade de religiões é meramente tolerada por Deus. Mas quanto a ele, a sua declaração pública, assinada, manifestando o contrário, permanecerá sem qualquer correção pública.

Compreensivelmente insatisfeito, o Bispo Schneider diz o seguinte:

Tentei aprofundar a questão, pelo menos citando a frase que se lê no documento. A frase diz que tal como Deus quer a diversidade de sexos, cor, raça e língua, Deus também quer a diversidade de religiões. Há uma comparação evidente entre a diversidade de religiões e a diversidade de sexos.

Mencionei este ponto ao Santo Padre e ele reconheceu que, com esta comparação direta, a frase pode ser entendida erroneamente. Na minha resposta, sublinhei perante ele que a diversidade de sexos não é a vontade permissiva de Deus, mas é querida positivamente por Deus. E o Santo Padre reconheceu isso e concordou comigo em que a diversidade de sexos não é uma questão da vontade permissiva de Deus.

Porém, quando referimos ambas as proposições na mesma frase, então a diversidade de religiões é interpretada como positivamente querida por Deus, como a diversidade de sexos.

A frase, portanto, conduz a dúvidas e a interpretações erróneas e daí o meu desejo e o meu pedido para que o Santo Padre retificasse isso. Mas ele disse, a nós bispos: podem dizer que a frase em questão sobre a diversidade das religiões significa a vontade permissiva de Deus.

Em suma, Francisco emitiu uma declaração pública expressando uma heresia flagrante. Confrontado com o seu erro e com o escândalo que causou, e mesmo admitindo o seu erro, informa o Bispo Schneider que o bispo pode retificá-lo se quiser, ao mesmo tempo que não dirá nada em público para corrigir a sua própria heresia promulgada publicamente.

Por outras palavras, Francisco disse a Al-Tayeb o que aquele queria ouvir e depois disse ao Bispo Schneider o que este queria ouvir. Deu assim espaço para a negação plausível a ambas as partes. Este é um comportamento próprio de um político, não do Vigário de Cristo, encarregado de confirmar os seus irmãos na Fé. Mas depois de seis anos neste tipo de coisas podemos esperar outra coisa?

A edição original deste texto foi publicada pelo Fatima Center a 8 de março de 2019. Tradução: odogmadafe.wordpress.com

Nota da edição: o conteúdo do texto acima é da inteira responsabilidade do seu autor, salvo algum eventual erro de tradução. A presente edição destina-se exclusivamente à sua divulgação. Sempre que possível, o texto deve ser lido na sua edição original.

Basto 03/2019

As 7 heresias do Papa Francisco segundo a “Correctio Filialis”

A “Correção Filial, publicada no dia 24 de setembro, aponta sete heresias ao Papa Francisco, as quais foram redigidas em latim, língua oficial da Igreja Católica. Na sua tradução para português, pode ler-se:

Através destas palavras, atos e omissões, bem como das passagens acima mencionadas do documento Amoris laetitia, Sua Santidade apoiou, direta ou indiretamente, e propagou dentro da Igreja, com um grau de consciência que não procuramos julgar, tanto por ofício público como por ato privado, as seguintes proposições falsas e heréticas:

1) “Uma pessoa justificada não tem a força, com a graça de Deus, para cumprir as exigências objetivas da lei divina, como se a observância de qualquer um dos mandamentos de Deus fosse impossível aos justificados; ou como significando que a graça de Deus, quando produz a justificação do indivíduo, não produz invariavelmente e por sua própria natureza, a conversão de todo pecado grave, ou não é suficiente para a conversão de todo pecado grave.”

2) “Os católicos que obtiveram um divórcio civil do cônjuge com o qual estão validamente casados e contraíram um matrimónio civil com alguma outra pessoa durante a vida de seu cônjuge, e que vivem more uxorecom seu parceiro civil, e que escolhem permanecer nesse estado com pleno conhecimento da natureza de seu ato e com pleno consentimento do ato pela vontade, não estão necessariamente em estado de pecado mortal e podem receber a graça santificante e crescer na caridade.”

3) “Um fiel católico pode ter pleno conhecimento de uma lei divina e voluntariamente escolher violá-la, mas não estar em estado de pecado mortal como resultado desse ato.”

4) “Uma pessoa que obedece uma proibição divina pode pecar contra Deus por causa desse ato de obediência.”

5) “A consciência pode reconhecer que atos sexuais entre pessoas que contraíram um casamento civil, mesmo que uma delas esteja casada sacramentalmente com outra pessoa, podem às vezes ser moralmente lícitos, ou sugeridos ou até mandados por Deus.”

6) “Os princípios e as verdades morais contidos na revelação divina e na lei natural não incluem proibições negativas que proscrevem absolutamente certos tipos de atos, na medida em que eles são gravemente ilícitos em razão de seu objeto.”

7) “Nosso Senhor Jesus Cristo quer que a Igreja abandone a sua disciplina perene de negar a Eucaristia aos divorciados recasados, e de negar a absolvição aos divorciados recasados que não expressem nenhuma contrição por seu estado de vida e o propósito firme de emenda nesse particular.”

(in correctiofilialis.org)

Oremos para que o Santo Padre confirme os seus irmãos na Fé, corrigindo todas as heresias que têm provocado tantos danos nas almas e fortes divisões dentro da Igreja Católica.

Basto 9/2017

Correção Filial: 62 personalidades corrigem o Papa Francisco por “propagação de heresias”

correção filial

 

Um grupo de 62 académicos, clérigos e leigos de vinte países, publicou, em várias línguas, um documento enviado ao Papa Francisco, onde o repreendem por “propagação de heresias”. O documento em forma de carta, à qual o Santo Padre ainda não respondeu, apresenta-se como uma “correção filial” e está disponível online em sítio próprio.

Resumo da Correctio filialis:

Uma carta de vinte e cinco páginas, assinada por 40 clérigos católicos e académicos leigos, foi enviada ao Papa Francisco no dia 11 de agosto último. Como até o momento o Santo Padre não deu qualquer resposta, o documento é tornado público hoje, 24 de setembro de 2017, Festa de Nossa Senhora das Mercês e da Virgem de Walsingham (Norfolk, Inglaterra, 1061).

Com o título latino“Correctio filialis de haeresibus propagagatis” (literalmente, “Uma correção filial em relação à propagação de heresias”), a carta ainda está aberta à adesão de novos signatários, já tendo sido firmada até o momento por 62 clérigos e académicos de 20 países, representando também outros que não carecem da liberdade de expressão necessária.

Nela se afirma que o Papa, através de sua Exortação apostólica Amoris laetitia, bem como de outras palavras, atos e omissões a ela relacionados, manteve sete posições heréticas referentes ao casamento, à vida moral e à receção dos sacramentos,resultando na difusão das mesmas no interior da Igreja Católica. Essas sete heresias são expostas pelos signatários em latim, a língua oficial da Igreja.

Esta carta de correção contém três partes principais. Na primeira, os signatários explicam a razão pela qual lhes assiste, como fiéis católicos praticantes, o direito e o dever de emitir tal correção ao Sumo Pontífice. – Porque a lei da Igreja exige das pessoas competentes que elas rompam o silêncio ao verem que os pastores estão desviando o seu rebanho. Isso não implica nenhum conflito com o dogma católico da infalibilidade papal, porquanto a Igreja ensina que, para que as declarações de um Papa possam ser consideradas infalíveis, ele deve antes observar critérios muito estritos.

O Papa Francisco não observou esses critérios. Não declarou que essas posições heréticas constituem ensinamentos definitivos da Igreja, nem afirmou que os católicos devem acreditar nelas com o assentimento próprio da fé. A Igreja ensina que nenhum Papa pode declarar que Deus lhe revelou qualquer nova verdade nas quais os católicos deveriam acreditar.

A segunda parte da carta é fundamental, uma vez que contém a própria “correção”. Nela se enumeram as passagens em que Amoris laetitia insinua ou encoraja posições heréticas, e depois as palavras, atos e omissões do Papa Francisco que mostram, além de qualquer dúvida razoável, que ele deseja que os católicos interpretem essas passagens de uma maneira que é, de facto, herética. Em particular, o Pontífice apoiou direta ou indiretamente a crença de que a obediência à Lei de Deus pode ser impossível ou indesejável e que a Igreja deve às vezes aceitar o adultério como um comportamento compatível com a vida de um católico praticante.

A última parte, chamada “Nota de Esclarecimento”, discute duas causas desta crise singular. Uma delas é o “Modernismo”. Teologicamente falando, o Modernismo é a crença de que Deus não dotou a Igreja com verdades definitivas, as quais Ela deve continuar a ensinar exatamente do mesmo modo até o fim dos tempos. Os modernistas afirmam que Deus se comunica apenas com as experiências humanas sobre as quais os homens podem refletir, de modo a fazerem asserções diferentes sobre Deus, a vida e a religião; mas essas declarações são apenas provisórias, e nunca dogmas imutáveis. O Modernismo foi condenado pelo Papa São Pio X no início do século XX, mas renasceu em meados desse século. A grande e contínua confusão causada pelo Modernismo na Igreja Católica obriga os signatários a descrever o verdadeiro significado de “fé”, “heresia”, “revelação” e “magistério”.

Uma segunda causa da crise é a aparente influência das ideias de Martinho Lutero sobre o Papa Francisco. A carta mostra como Lutero, fundador do protestantismo, teve ideias sobre o casamento, o divórcio, o perdão e a lei divina que correspondem às que o Papa promoveu através de suas palavras, atos e omissões. A Correctiofilialis também destaca os elogios explícitos e sem precedentes que o Papa Francisco fez do heresiarca alemão.

Os signatários não se aventuram a julgar o grau de consciência com que o Papa Francisco propagou as sete heresias que enumeram, mas insistem respeitosamente para que condene tais heresias, as quais ele sustentou direta ou indiretamente.

Os signatários professam sua lealdade à Santa Igreja Católica, assegurando ao Papa suas orações e solicitando-lhe a Bênção apostólica.

(in correctiofilialis.org)

O documento completo pode ser lido em português aqui.

Comunicado de imprensa sobre a “Correção Filial ao Papa Francisco”:

Num ato que marca uma época, clérigos católicos e académicos leigos do mundo inteiro emitiram aquilo a que chamam uma “Correção Filial” ao Papa Francisco.

Nenhuma ação similar foi tomada desde a Idade Média.

Então, o Papa João XXII foi admoestado em 1333 por erros que ele mais tarde repudiou no seu leito de morte. No caso presente, os filhos e filhas espirituais do Papa Francisco acusam-no de propagar heresias contrárias à fé católica.

A sua carta, entregue ao Pontífice Romano na sua residência de Santa Marta em 11 de agosto de 2017 e agora totalmente pública, afirma que o Romano Pontífice apoiou posições heréticas sobre o casamento, a vida moral e a Eucaristia.

A carta de correção tem três partes principais, assim:

1) Na primeira parte, os 62 signatários explicam porque, como católicos crentes e  praticantes, têm o direito e o dever de emitir tal correção ao Papa. Isso não contradiz a doutrina católica da infalibilidade papal porque o Papa Francisco não promulgou opiniões heréticas como ensinamentos dogmáticos da Igreja. Enquanto professam a sua obediência às suas ordens e ensinamentos legítimos, eles afirmam que Francisco sustentou e propagou opiniões heréticas por vários meios diretos ou indiretos.

2) A segunda parte da carta é a essencial. Contém a “Correção” propriamente dita, escrita em latim, a língua oficial da Igreja. Enumera as passagens da Amoris Laetitia, documento do Papa Francisco sobre casamento e vida familiar, no qual insinua ou encoraja posições heréticas. Como alguns comentadores argumentaram que esses textos podem ser interpretados de maneira ortodoxa, a Correção continua enumerando outras palavras, atos e omissões do Papa Francisco que deixam claro, sem qualquer dúvida, que ele deseja que os católicos interpretem essas passagens de um modo que é, de facto, herético. Em particular, o Papa defendeu a crença de que a obediência à lei moral de Deus pode ser impossível ou indesejável e que os católicos por vezes devem aceitar o adultério como compatível com ser um seguidor de Cristo.

3) A parte final, chamada “Elucidação”, discute duas causas desta crise única. Uma causa é o “modernismo”. Teologicamente falando, o Modernismo é a crença de que Deus não entregou verdades definitivas à Igreja que ela deva continuar a ensinar exatamente no mesmo sentido até o fim dos tempos. O modernismo, portanto, focaliza-se em experiências e sustenta que doutrinas sobre Deus, fé e moral são sempre provisórias e sujeitas a revisão. Significativamente, o Papa São Pio X condenou o Modernismo no início do século XX. Uma segunda causa da crise é a influência das ideias de Martinho Lutero no Papa Francisco. A carta mostra como Lutero teve ideias sobre o casamento, o divórcio, o perdão e a lei divina que correspondem às que o papa promoveu. Ela também observa o louvor explícito e sem precedentes dado pelo Papa Francisco ao heresiarca alemão.

Os signatários não fazem julgamento sobre a culpa do Papa Francisco na propagação das 7 heresias que eles enumeram, uma vez que não é sua função julgar se o pecado da heresia foi cometido (o pecado de heresia, ou seja, heresia formal, é cometido quando uma pessoa se afasta da fé, duvidando ou negando alguma verdade revelada com toda a escolha da vontade). No entanto, deve notar-se que outros que falaram em defesa da fé católica foram sujeitos a represálias. Assim, os signatários falam por um grande número de clérigos e fiéis leigos que não têm liberdade de expressão.

Será notado que o bispo Bernard Fellay assinou a correção. A sua assinatura surgiu depois de o documento ter sido entregue ao Papa, mas agora ele expressa a concordância da Fraternidade de São Pio X com seu conteúdo. O Papa Francisco estendeu recentemente a mão de boas-vindas à FSSPX para os integrar legalmente na Igreja Católica.

Os signatários insistem respeitosamente que o Papa Francisco condene as heresias que ele tem, direta ou indiretamente, sustentado e que ensine a verdade da fé católica na sua integridade.

(in correctiofilialis.org – tradução livre)

A lista de signatários é impressionante, dadas as personalidades de relevo aí presentes. Essa lista encontra-se agora aberta ao público e pode portanto ser assinada – aqui – por qualquer pessoa que ame a Verdade.

O momento atual na Igreja Católica é muito grave, mas o Papa Francisco ainda está a tempo de evitar o pior, basta que tenha a humildade necessária para aceitar o verdadeiro ofício ao qual foi chamado.

Basto 9/2017

D. Athanasius Schneider denuncia a confusão doutrinal do Vaticano

O bispo D. Athanasius Schneider, num discurso proferido há poucos dias na cidade de Washington, nos EUA, denunciou as “máscaras” que escondem a linguagem utilizada pelo Vaticano nestes tempos de “confusão doutrinal”.

 

O discurso completo, intitulado “Maria destruidora das heresias”, pode ser acedido em inglês no canal Life Site News do Youtube.

Basto 11/2016