Roma despoja-se das relíquias de Pedro

Em nome da sua cultura del encuentro, o Papa Francisco, por iniciativa pessoal, ofereceu as relíquias de São Pedro, objeto de veneração de valor ímpar e insubstituível para a Igreja Católica, ao Patriarca de Constantinopla. As relíquias do primeiro pontífice, martirizado em Roma, estão agora longe da Santa Sé, na posse de cismáticos que não reconhecem o Bispo de Roma como o legítimo sucessor de Pedro nem aceitam a doutrina católica como a verdadeira.

Basto 07/2019

A nova Igreja Ortodoxa da Ucrânia e o grande cisma na igreja cismática

Presidente Petro Poroshenko no Conselho da Unidade Ortodoxa de Toda a Ucrânia; in página oficial da Presidência da Ucraniana, 15/12/2018.

Há uma semana, foi dado por concluído o processo de criação da nova Igreja Ortodoxa da Ucrânia, que resultou da fusão de duas denominações ortodoxas dissidentes do Patriarcado de Moscovo. O estabelecimento de uma igreja ortodoxa nacional unificada contou com o forte apoio e empenho das autoridades políticas da Ucrânia, que assumiram este projeto como um desígnio nacional e como mais um passo na autodeterminação do país perante a Rússia.

A Rússia, por seu lado, que vê em Kiev o berço histórico da sua cristianização, já tinha avisado que jamais reconhecerá a independência religiosa da Ucrânia face ao Patriarcado de Moscovo. Com efeito, o facto de Bartolomeu I, Patriarca de Constantinopla, ter recentemente reconhecido a independência da Igreja Ortodoxa da Ucrânia levou o Patriarcado de Moscovo a cortar formalmente relações com Constantinopla, efetivando, deste modo, a maior rutura na cristandade oriental desde o Grande Cisma de 1054. Os dois patriarcados, de forma mais ou menos assumida, disputam a liderança do mundo ortodoxo, Constantinopla por razões históricas e simbólicas, Moscovo por razões de facto.

Temem-se agora as repercussões que os recentes desenvolvimentos na geografia religiosa da Ucrânia possam vir a ter na complexa situação político-militar existente entre a Ucrânia e a Rússia, como se comprova pela atenção que a NATO tem dado a esta questão.

Basto 12/2018

Kirill: “Rússia jamais reconhecerá a independência religiosa da Igreja Ucraniana”

Na Ucrânia, berço da cristianização da Rússia, os cristãos repartem-se hoje por várias denominações religiosas, na sua esmagadora maioria, cristãs de tradição ortodoxa. As divisões entre os maiores grupos de obediência ortodoxa existentes na Ucrânia devem-se essencialmente à história recente daquele país, nomeadamente ao período pós-colapso da União Soviética e consequente independência nacional, mas também à longa coabitação de dois grandes grupos étnicos, os ucranianos (78%) e os russos (17%), naquele grande país do Leste Europeu.

ethnic-groups
Fonte: Macro Economy Meter

O processo de independência da Ucrânia conduziu à emancipação da Igreja Ortodoxa Ucraniana, ou pelo menos parte dela, em relação ao Patriarcado de Moscovo. Atualmente, num momento em que se ouve falar bastante de unificação, a Igreja Ortodoxa Ucraniana ainda se encontra dividida em três grandes grupos: o mais representativo é a Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Kiev (50%), segue-se depois a Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscovo (26%) e, por último, aparece a Igreja Ortodoxa Ucraniana Autocéfala (7%). Para além dos referidos, merece também destaque o grupo dos ortodoxos em comunhão com Roma, a Igreja Uniata, oficialmente denominada Igreja Greco-católica Ucraniana (8%). Estes são a maior Igreja Católica Oriental e encontram-se em franca expansão dentro e fora do país, manifestando um dinamismo notável.

Os católicos de rito latino, naquele país, são um grupo pouco expressivo, representando apenas cerca de 2% dos crentes ucranianos.

religions-ukraine
Fonte: Macro Economy Meter

O presente conflito entre Kiev e Moscovo é também – embora muita gente não queira ver – um conflito religioso. Se, por um lado, o sr. Vladimir Putin não aceita que a Ucrânia se afaste da esfera de influência política de Moscovo para se juntar à União Europeia e à Nato, por outro, o Patriarca Kirill não quer perder a influência religiosa sobre a Ucrânia que, desde a independência daquele país, tem vindo a tornar-se praticamente nula.

No dia 20 de novembro, na celebração do seu 70º aniversário, na catedral de Cristo Salvador, em Moscovo, o Patriarca Kirill terá declarado que a Igreja Ortodoxa Russa jamais concordará com a independência da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscovo.

Agradeço a Sua Beatitude Onufriy [líder local da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscovo] pela sua coragem e firmeza na defesa da santa ortodoxia e pela preservação da unidade canónica da Igreja. A nossa igreja jamais deixará os irmãos ucranianos em dificuldades e não os abandonará. Nunca concordaremos em mudar as sagradas fronteiras canónicas da Igreja, porque Kiev é o berço espiritual da Santa Rus, como Mtskheta para a Geórgia e Kosovo ou para a Sérvia. [aplausos]

[…]

A dolorosa ferida da divisão ucraniana inflige sofrimento em todo o corpo da igreja, e a sua dor pode ser sentida não só na Ucrânia, mas no território canónico de outras igrejas locais. O perigo de divisão na Igreja é claro para todos nós.

(Patriarca Kirill a 20/11/2016 in Religious Information Service of Ukraine)

A Igreja Ortodoxa Russa já mostrou por diversas vezes – como constatámos aqui, por exemplo – que tem uma agenda própria, independente das suas congéneres, que converge, de forma clara e assumida, com os desígnios programáticos e geopolíticos de Vladimir Putin. Existe uma parceria muito forte entre as atuais lideranças política e religiosa da Rússia.

Logo veremos até onde esta parceria nos levará!

Basto 11/2016