A nova Igreja Ortodoxa da Ucrânia e o grande cisma na igreja cismática

Presidente Petro Poroshenko no Conselho da Unidade Ortodoxa de Toda a Ucrânia; in página oficial da Presidência da Ucraniana, 15/12/2018.

Há uma semana, foi dado por concluído o processo de criação da nova Igreja Ortodoxa da Ucrânia, que resultou da fusão de duas denominações ortodoxas dissidentes do Patriarcado de Moscovo. O estabelecimento de uma igreja ortodoxa nacional unificada contou com o forte apoio e empenho das autoridades políticas da Ucrânia, que assumiram este projeto como um desígnio nacional e como mais um passo na autodeterminação do país perante a Rússia.

A Rússia, por seu lado, que vê em Kiev o berço histórico da sua cristianização, já tinha avisado que jamais reconhecerá a independência religiosa da Ucrânia face ao Patriarcado de Moscovo. Com efeito, o facto de Bartolomeu I, Patriarca de Constantinopla, ter recentemente reconhecido a independência da Igreja Ortodoxa da Ucrânia levou o Patriarcado de Moscovo a cortar formalmente relações com Constantinopla, efetivando, deste modo, a maior rutura na cristandade oriental desde o Grande Cisma de 1054. Os dois patriarcados, de forma mais ou menos assumida, disputam a liderança do mundo ortodoxo, Constantinopla por razões históricas e simbólicas, Moscovo por razões de facto.

Temem-se agora as repercussões que os recentes desenvolvimentos na geografia religiosa da Ucrânia possam vir a ter na complexa situação político-militar existente entre a Ucrânia e a Rússia, como se comprova pela atenção que a NATO tem dado a esta questão.

Basto 12/2018