Como os ucranianos recebem um soldado morto na defesa da pátria

Haverá guerras justas? Fará ainda sentido, nos nossos dias, sacrificar a vida pela pátria?

Entre as várias lições que os ucranianos têm dado ao mundo desde 2014, em particular nos últimos meses, para além da sua impressionante bravura, destaca-se um amor pela pátria que vai muito além de um jogo de futebol ou de um hino mal cantado. Outra lição é a de que, independentemente do desfecho militar do presente conflito, Vladimir Putin já perdeu a guerra. A Ucrânia existe de facto enquanto nação e, na verdade, talvez nunca nenhum ucraniano tenha feito tanto pela união e autodeterminação da Ucrânia quanto o ditador assassino que lidera atualmente a Federação Russa.

A música de fundo chama-se “Pato nada ao longo do Tissina”, do folclore ucraniano. Em 2014, o tema foi cantado na Praça da Independência, em Kiev, pela formação a cappella Terceira Picardia, em homenagem aos Cem Celestiais mortos na Revolução da Dignidade. Desde então, esta música tornou-se um símbolo de homenagem aos heróis ucranianos mortos durante a guerra.