Santo Padre nomeia cardeal homossexualista para a Congregação para os Bispos

O cardeal D. Joseph Tobin, arcebispo de Newark (EUA), forte apoiante das práticas sodomitas e das virtudes do homossexualismo católico, foi nomeado por Francisco, na passada quinta-feira, 4 de março, como membro da Congregação para os Bispos.

Já tinha sido o Papa Francisco quem o criara cardeal, em 2016, no mesmo ano em que lhe confiara a administração pastoral de uma das mais importantes dioceses americanas.

Como explica o famoso ativista gay da Companhia de Jesus e assessor do Vaticano escolhido por Bergoglio, o Santo Padre nomeia gente desta abominável seita para importantes cargos da hierarquia religiosa, para mudar a Igreja Católica.

Basto 03/2021

Ainda sobre a medonha cruz de Vedele

Há mais de quatro anos, tínhamos aqui alertado para o problema da invasão do mundo católico por estas sinistras medalhas cruciformes, as quais, desde 2013, têm vindo a substituir os piedosos crucifixos no peito dos nossos sacerdotes, bispos e cardeais, assim como nos terços e em outros objetos religiosos. A sua popularidade começou em março de 2013, com a eleição do Papa Francisco, que a usa, como cruz peitoral, pelo menos desde a época em que foi cardeal.

Pouco se sabe sobre esta obscura peça de joalharia, cheia de motivos enigmáticos e ambiguidades semânticas, a não ser que terá sido elaborada pelo artesão italiano Giuseppe Albrrizzi, a partir de um modelo desenhado pelo seu mestre Antonio Vedele, falecido em 1997, cuja chancela se encontra grafada no verso.

Recentemente, Barnhardt, uma católica dos EUA, dedicou algum do seu tempo a investigar a sinistra peça ornamental, tendo chegado a algumas conclusões interessantes… Para além de ter encontrado – muito provavelmente através do nosso blogue – a dissimulada coruja e o invertido rosto sorridente no centro de algo semelhante a chamas de fogo, ela reparou também que uma das pernas do “pastor” parece virada ao contrário e que uma das “ovelhas” tem a forma de um porco. Convém no entanto lembrar que, atualmente, há uma grande variedade destas cruzes e tais elementos não são percetíveis em todas elas.

O que Barnhardt traz porém de verdadeiramente novo, para nós que há muito nos escandalizamos com esse ornamento papal, é o facto de a sinistra medalha ter sido também usada como cruz peitoral de uma outra destacada e controversa figura da hierarquia católica, desta feita, o cardeal D. Joseph Bernardin (1928-1996).

O antigo titular da Arquidiocese de Chicago, nos EUA, hoje entregue ao ultramisericordista D. Blase Cupich, foi uma destacada figura da hierarquia católica do seu tempo. A sua fama, todavia, ainda hoje, estende-se muito para além do seu ministério pastoral, aparecendo frequentemente associada a acusações de prática de homossexualismo, abuso sexual de menores, as duas anteriores em simultâneo e – ainda que pareça impossível – até bem pior que isso, embora nunca tenha sido formalmente julgado ou condenado.

Numa investigação póstuma recentemente empreendida pelo Church Militant, o canal católico americano de informação concluiu que Bernadin violou, de facto, menores de idade em contextos rituais, enquanto praticante de cultos satânicos, sendo também uma das principais figuras chave da máfia gay da Igreja Católica dos EUA.

A ação de Bernardin, enquanto peça-chave, na engrenagem da rede de homossexualismo clerical dos EUA foi detalhadamente descrita por Randy Engel. A autora americana dedicou-lhe um capítulo inteiro da sua densa obra The Rite of Sodomy (em português, O Rito da Sodomia), que já vai em cinco volumes redigidos com o resultado da sua investigação ao grave problema do homossexualismo clerical. Mas há mais casos e mais fontes…

O caso da vítima “Agnes”, acima mencionado, tirando um pequeno desajuste cronográfico, parece corresponder ipsis verbis ao caso pormenorizadamente narrado por Malachi Martin no seu livro Windswept House (em português, A Casa Varrida pelos Ventos), de 1996. De acordo com o ex-jesuíta, no dia 29 de junho de 1963, ter-se-á celebrado, na Capela Paulina, no Vaticano, e simultaneamente numa capela de Charleston, na Carolina do Sul, EUA, uma cerimónia de entronização de Lucifer na Igreja Católica, que incluiu a violação de uma menina, apresentada no seu livro como “Agnes”.

Verdades ou mentiras, o tempo acabará por dizer… Uma coisa é certa, esse “crucifixo” é uma coisa sinistra, independentemente de quem o possa usar.

Basto 02/2021

Arquidiocese de Hamburgo promove lesbianismo no dia de São Valentim

A Arquidiocese de Hamburgo, na Alemanha, assinalou o dia de São Valentim, a 14 de fevereiro, com a publicação de um vídeo nas redes sociais onde enaltece o amor conjugal. O vídeo inclui, de forma bastante explícita, a opção homossexual.

Basto 02/2021

Fundação pontifícia promove ideologia de género e outras tendências modernas

A organização Scholas Occurrentes, cujas origens remontam à cidade de Buenos Aires e à época em que a administração pastoral da capital da Argentina esteve a cargo do então arcebispo D. Jorge Bergoglio, e que, mais tarde, durante o reinado do Papa Francisco, adquiriu o estatuto de fundação de direito pontifício, é uma instituição dirigida especialmente à educação de crianças e jovens “aberta ao encontro que nos recria“. É nesse sentido que alguns dos seus recursos educativos, moldados pela ideologia totalitária atualmente dominante, recriam o conceito de género, que hoje parece ser uma simples questão de decisão pessoal, ou ainda a noção de família, em que pai e mãe não são mais do que uma de várias alternativas disponíveis no mercado da nova misericórdia católica.

A grande abertura da fundação papal pode ser facilmente constatada na coleção de livros infantis “Com Francisco a meu Lado”, dedicada à temática dos “valores”, bem como nos respetivos materiais pedagógicos que a acompanham, que, desde há vários anos, têm sido distribuídos nos países de língua castelhana.

A Scholas Occurrentes constitui hoje uma rede de mais de 400 mil escolas, presente em quase duas centenas de países.

Basto 02/2021

Padre salesiano casa dois homens na Argentina

No passado dia 6 de fevereiro, um sacerdote salesiano, Pe. Fabián Colman, celebrou um casamento homossexual entre dois homens argentinos. Aconteceu na Igreja Nossa Senhora das Mercês, em Ushuaia, na diocese de Río Gallegos, cuja administração pastoral está, desde 2019, a cargo de D. Jorge Ignacio García Cuerva, elevado a bispo em 2017, pelo Papa Francisco, algumas semanas depois de se ter notabilizado mundialmente por ter batizado publicamente os filhos de um casal homossexual.

Basto 02/2021

James Martin SJ blasfema contra a Virgem Maria e o Menino

James Martin SJ, o ativista gay nomeado pelo Papa Francisco para assessor da Santa Sé pelo seu carisma homopastoral, publicou há dias, na sua conta Twitter, uma imagem blasfema de Nossa Senhora com o Menino Jesus coroados com um halo LGBT.

Conta Twitter do Pe. James Marin, a 19 de janeiro de 2021.

Maldito seja este pseudojesuíta, é um verdadeiro demónio vestido de padre.

Basto 02/2021

Vários bispos americanos unem-se na proteção do homossexualismo juvenil

Ao todo, neste momento, são já 12 os bispos católicos dos EUA (um deles cardeal, nomeado por Francisco) que subscreveram o documento Deus está do teu lado: uma declaração dos bispos católicos pela proteção da juventude LGBT, promovido pela Fundação Tyler Clementi, uma organização homossexualista que luta pelos direitos dos jovens LGBT.

Muitos deles são já sobejamente conhecidos pela sua pastoral homossexualista.

Basto 01/2021

Duas doutrinas: uma é verdadeira, a outra obviamente é falsa!

Benedict XVI: Superhero, Villain or Victim? | AKA Catholic

Atitudes perante o problema das uniões homossexuais

[…]

Em presença do reconhecimento legal das uniões homossexuais ou da equiparação legal das mesmas ao matrimónio, com acesso aos direitos próprios deste último, é um dever opor-se-lhe de modo claro e incisivo. Há que abster-se de qualquer forma de cooperação formal na promulgação ou aplicação de leis tão gravemente injustas e, na medida do possível, abster-se também da cooperação material no plano da aplicação. Nesta matéria, cada qual pode reivindicar o direito à objeção de consciência.

[…]

A Igreja ensina que o respeito para com as pessoas homossexuais não pode levar, de modo nenhum, à aprovação do comportamento homossexual ou ao reconhecimento legal das uniões homossexuais. O bem comum exige que as leis reconheçam, favoreçam e protejam a união matrimonial como base da família, célula primária da sociedade. Reconhecer legalmente as uniões homossexuais ou equipará-las ao matrimónio, significaria, não só aprovar um comportamento errado, com a consequência de convertê-lo num modelo para a sociedade atual, mas também ofuscar valores fundamentais que fazem parte do património comum da humanidade. A Igreja não pode abdicar de defender tais valores, para o bem dos homens e de toda a sociedade.

Joseph Card. Ratzinger
Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé
(In www.vatican.va)

Considerações aprovadas, em 2003, por sua Santidade o Papa João Paulo II e publicadas no mesmo ano pela Congregação para a Doutrina da Fé.

Basto 10/2020

Proudly Portugal: o novo destino turístico LGBT+

Uma delegação portuguesa marcou presença na FITUR Gay LGBT+, a feira espanhola de destinos turísticos gay que decorreu em Madrid, entre os dias 22 e 26 de janeiro, fazendo representar-se com a marca Proudly Portugal.

Basto 02/2020